Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

À medida que a COP27 se aproxima, o Egito esconde abusos de direitos e questões ambientais no Sinai

1
Camelos e beduínos no sul do Sinai [Celestino Arce/NurPhoto via Getty Images]

Imagine estar em casa com sua família e cinco filhos. Cozinhar, assistir TV, ajudar as crianças com a lição de casa. Então imagine as forças de segurança egípcias invadindo sua casa, prendendo seu marido e voltando um dia depois para pegar seu filho de 14 anos.

Esta é Arish, a capital do Sinai do Norte, e é uma história que Um Ibrahim me contou em uma entrevista há quatro anos. Desde então, Um Ibrahim descobriu que seu marido foi torturado até a morte e, quando falei com ela novamente na semana passada, ela me disse que não tem ideia de onde seu filho, agora com 18 anos, está.

Esta é uma história devastadora, mas não é um incidente isolado. É apenas um dos muitos exemplos de graves abusos de direitos humanos que ocorrem no Sinai, onde a cúpula climática da ONU COP27 será realizada no domingo.

1

Egito será o próximo anfitrião da COP27 sendo uma das nações mais poluentes do Mundo– Charge [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

No entanto, apesar de estar na mesma península onde a conferência global acontecerá, o Sinai raramente é notícia, pois o governo egípcio colocou um implacável apagão de mídia na área.

Em nome da guerra ao terror, os militares deslocaram à força entre 70.000 e 100.000 pessoas da cidade de Rafah, no lado egípcio da fronteira que divide com Gaza.

Casas e terras agrícolas foram arrasadas; civis desarmados foram executados extrajudicialmente pelos militares. E crianças, como Ibrahim, foram tiradas de suas famílias, desaparecidas à força e torturadas.

Alguém vai falar por Ibrahim e outras crianças como ele na COP27? Os abusos dos direitos humanos que ocorrem no Sinai estarão na agenda?

Infelizmente, provavelmente não.

Assim como seu histórico de direitos humanos no Sinai, o governo também está tentando esconder seu histórico ambiental. À medida que a COP27 se aproxima, ela está sob crescente escrutínio e os holofotes se voltam para questões como o apagamento de espaços verdes e a construção de rodovias em bairros históricos.

Os moradores do Sinai do Sul me disseram que estão particularmente preocupados com o destino do Protetorado de  Saint Catherine, um parque nacional egípcio no Sinai que engloba o mosteiro de  Saint Catherine e o Monte Sinai, Patrimônio Mundial da Unesco, onde se diz que Moisés recebeu os 10 mandamentos.

O Sinai é famoso por sua dramática cordilheira e, claro, por sua população beduína, muitos dos quais atuam como guias de montanha em torno de Saint Catherine. É um lugar tranquilo e atrai um tipo de turista muito diferente de quem vai a Sharm El-Sheikh, onde o apelo é a vida noturna e o desenvolvimento.

LEIA: Aos 14 anos, Haitham era um dos presos políticos mais jovens do Egito: “Eles esqueceram que eu era criança”

Isso tudo está prestes a mudar. Um megaprojeto do governo, o Grande Projeto de Transfiguração, está sendo construído no Protetorado de Saint Catherine. O pólo turístico incluirá cinco hotéis, um teatro, um salão de convenções, um museu e um centro juvenil.

Quando terminar, as mulheres beduínas cuidarão de suas cabras e fogueiras para fazer chá, olhando em frente a vilas de alta classe para turistas ricos. Quanto da receita desse empreendimento será revertida para os moradores locais? Já ameaçou seu modo de vida.

Pelos US$ 197 milhões que a primeira etapa do projeto custou, muitos acham que o governo deveria ter investido em escolas e hospitais que são desesperadamente necessários.

O desenvolvimento está ameaçando a vida selvagem rara, e alterou completamente a paisagem e marcou a vila. As construções são tradicionalmente feitas com rochas locais e pequenas quantidades de cimento. Agora eles são construídos predominantemente com cimento e pedras trazidas de outras áreas, que não combinam com a cor das montanhas.

O governo derrubou árvores, construiu estradas através de vilarejos e destruiu jardins e um cemitério apenas para construir o projeto. O aumento da população e o turismo de entrada irão gerar poluição e resíduos.

As pessoas estão perguntando de onde vem a água para o projeto, pois há uma grave escassez no Sinai. Em Saint Catherine, os moradores são completamente dependentes da chuva e da neve para obter água que mal é suficiente para beber, banhar-se e irrigar seus jardins. .

Mas um lago artificial foi construído e as pessoas gostariam de saber como ele será preenchido. Muitas das árvores plantadas para o projeto já morreram, provavelmente porque não foram regadas.

“Geralmente, o que acontece aqui é que as pessoas que trabalham no projeto de desenvolvimento recebem a água primeiro”, me disse uma pessoa. “Ou os militares ou a polícia. E se houver excesso, eles trazem para os beduínos.”

A apenas 80 quilômetros do centro de conferências, os participantes da COP27 estão programados para visitar St Catherine. Mas grupos de direitos humanos disseram que não há evidências de que representantes de moradores do Sinai e beduínos tenham sido convidados a participar da cúpula de maneira significativa, e não há ongs egípcias sediadas no Sinai ou focadas no Sinai participando.

É improvável que a delegação saiba exatamente o que está acontecendo em St. Catherine. Como um morador me disse: “Se os ativistas climáticos vissem o que realmente está acontecendo no Sinai, eles ririam. Não é coerente com nenhum tipo de política. E não é preservar o meio ambiente”.

LEIA: COP27 no Egito vira palco pela liberdade de Alaa Abdelfattah, ainda em greve de fome

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ÁfricaArtigoCOP27EgitoOpiniãoOrganizações Internacionais
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments