Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Banda libanesa Mashrou’ Leila se separa após assédio online

Os músicos Haig Papazian, Carl Gerges e Hamed Sinno do Mashrou' Leila posam para uma foto em 1º de novembro de 2017 em Nova York. O grupo símbolo de solidariedade enfrentou uma dura reação. [Angela Weiss/AFP via Getty Images]

A banda de indie rock do Oriente Médio, Mashrou’ Leila, anunciou que vai se separar após abusos onlines, atraindo solidariedade e homenagens de fãs e ativistas de direitos humanos que disseram que isso resultará na perda de uma rara voz pública pelos direitos LGBTQIA+ na região.

O vocalista, Hamed Sinno, que é abertamente gay, disse ao podcast libanês “Sarde after Dinner” que o grupo tomou a decisão após assédio persistente nas redes sociais.

“Isso nos fez sentir muito pressionados”, disse Sinno ao podcast.

“Não podíamos continuar trabalhando e criando assim.”

Sinno formou a banda com outros seis enquanto estudava na Universidade Americana de Beirute em 2008.

Mashrou’ Leila se apresentou em todo o mundo, com suas letras abordando o sectarismo, a igualdade de gênero e a homofobia, e é conhecida como uma defensora dos direitos LGBTQ+.

Mas enfrentou interrupções frequentes em seus shows, incluindo uma proibição total de tocar na Jordânia.

LEIA: BDS Brasil alerta contra pinkwashing: não há orgulho no apartheid

A maioria dos países do Oriente Médio não tolera celebrações abertas da vida LGBTQ+, com muitos criminalizando cidadãos lésbicas, gays e transgêneros.

Em 2019, o festival de Byblos, no Líbano, cancelou um show de Mashrou’ Leila “para evitar derramamento de sangue” depois de enfrentar acusações de blasfêmia de líderes da igreja e ameaças de morte nas mídias sociais.

E, em 2017, o Egito prendeu dezenas em uma repressão depois que fãs levantaram bandeiras de arco-íris em um show da banda no Cairo, uma rara demonstração pública de apoio aos direitos LGBTQIA+. O festival ao ar livre em 22 de setembro passou pacificamente. Mas à medida que as imagens das bandeiras se espalhavam, as autoridades egípcias lançaram batidas na comunidade gay, prendendo dezenas de pessoas, com grupos de direitos humanos dizendo que alguns foram submetidos a exames físicos humilhantes.

Fãs e grupos de direitos LGBTQIA+ lamentaram o fim da banda.

“Para as pessoas queer na região do MENA, isso envia uma mensagem horrível”, disse o ativista de direitos humanos e economista do desenvolvimento, Hussein Cheaito.

“As linhas de vida que criamos para nós mesmos, através da arte e de outras formas, estão sendo cortadas.”

A ativista, Chrystine Mhanna, disse que a decisão de dissolver o grupo reflete os altos níveis de discurso de ódio frequentemente direcionados a figuras públicas LGBTQIA+ no Oriente Médio.

“Não podemos pedir que você lute, mas gostaríamos de aproveitar esta oportunidade para falar mais sobre liberdade e como este país [Líbano] está perdendo cada grama dela dia após dia”, disse Mhanna à Thomson Reuters Foundation.

O membro da banda Haig Papazian descreveu o impacto das críticas e repressões do Oriente Médio em um artigo publicado no jornal The Guardian no início deste ano.

“Desde que nos formamos no Líbano há 10 anos, nossa música parece ter criado uma controvérsia contínua como uma banda de indie rock que permaneceu inabalável em apoio aos direitos queer e críticas à sociedade e política libanesas”, disse Papazian.

LEIA: Hackers vazam dados da comunidade LGBTQ de Israel, após pedido de resgate

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ÁfricaArtigoEgitoLíbanoOpiniãoOriente Médio
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments