Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Reino Unido processa suposto membro do Daesh por crimes terroristas

Bandeira Daesh, 30 de março de 2017 [SpuntnikInt/Twitter]
Bandeira Daesh, 30 de março de 2017 [SpuntnikInt/Twitter]

Um suposto membro do grupo terrorista Daesh e sua célula ‘Beatles’ composta por militantes britânicos foi acusado de crimes de terrorismo depois de ser preso ao chegar ao Reino Unido.

Após sua deportação pela Turquia na quarta-feira – onde ficou detido em uma prisão de segurança máxima por sete anos e meio – e sua chegada em solo britânico, Aine Davis, de 38 anos, foi preso no aeroporto de Luton e apareceu ontem em corte. O Crown Prosecution Service anunciou então que Davis foi “acusado de crimes de terrorismo e posse de arma de fogo para fins relacionados ao terrorismo”.

Ele é acusado de ter feito parte do Daesh e de sua célula ‘Beatles’, que teria sido liderada por outro membro britânico chamado Mohammed Emwazi. Durante o controle do grupo de grandes extensões de território no Iraque e na Síria em meados da década de 2010, a célula teria sido responsável por guardar e executar reféns ocidentais.

LEIA: O assassinato de Ayman al-Zawahiri

Em novembro de 2015, Aine e outros supostos membros do Daesh foram presos durante uma operação das forças antiterroristas turcas em uma vila em Istambul. A propriedade havia sido alugada pelo Federal Bureau of Investigation (FBI) – a agência de inteligência doméstica dos Estados Unidos – antes de alertar as autoridades turcas sobre a presença de indivíduos e um falso plano terrorista, no que acabou sendo uma aparente operação de armadilha.

Davis negou ser membro do Daesh durante a audiência, afirmando que viajou para a Síria nos primeiros anos de sua guerra civil em andamento para trabalhos de ajuda. Ele alegou que estava ligado a Emwazi apenas por frequentar a mesma mesquita de Londres.

Ele também disse ao tribunal que as fotos que o mostram posando com armas e militantes armados foram mal interpretadas. “Eu tinha essas fotos como uma espécie de piada. Todo mundo estava tirando fotos com indivíduos armados assim para se exibir.” Ele acrescentou: “Eu não sei quem eram aquelas pessoas nas fotos ou em que grupo elas estavam”.

Os promotores, no entanto, citaram mensagens telefônicas interceptadas que supostamente provavam que ele estava em contato com agentes identificados do Daesh e solicitou assistência para cruzar a fronteira síria da Turquia  para uma “reunião importante” e “engajar-se em ações provocativas e sensacionais”. .

Eles também citaram o alerta vermelho contra ele emitido pela organização internacional de policiamento Interpol, que foi arquivado pela polícia britânica e foi baseado no conteúdo do telefone de sua esposa que consistia em fotos dele com “armas, uma bandeira islâmica, um mártir morto e outros indivíduos que também estão armados”.

Categorias
Europa & RússiaIraqueNotíciaOriente MédioReino UnidoSíriaTurquia
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments