Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

A tentativa de assassinar Al-Shaer é o pico das violações em curso

O ex-primeiro-ministro palestino e líder do Hamas Dr. Nasser Al-Din Al-Shaer [english.almayadeen]

A tentativa de assassinato do ex-vice-primeiro-ministro e líder do Hamas, o acadêmico Nasser Al-Din Al-Shaer, há poucos dias em Nablus, baleado por vários tiros na perna, indica o desejo dos atiradores , e aqueles que os motivaram, a cometer este crime hediondo para levar a situação palestina de volta à estaca zero da divisão e fragmentação que favorece a ocupação.

No contexto palestino e, tendo em vista a recente escalada de ataques das agências de segurança da AP contra ativistas, estudantes universitários e combatentes da resistência palestina, especialmente em Nablus e Jenin, podemos especular que elas se ligam à tentativa desse assassinato.A suspeita ocorre especialmente porque seus membros cometeram o crime de assassinar o ativista Nizar Banat de maneira horrível há mais de um ano, com cobertura política e legal da liderança do Movimento Fatah e da AP na Cisjordânia ocupada. A justiça ainda não foi feita contra os responsáveis.

A tentativa de assassinar Al-Shaer pode vir agora como uma continuação do crime de atacá-lo na Universidade An-Najah em meados de junho pelos agentes de segurança do Movimento Fatah, mas os fatos indicam que motivos políticos estão por trás do crime de atirar em uma figura tão sênior quanto Al-Shaer. Especialmente porque a AP ainda não apresentou provas de que realizou uma investigação profissional para processar e prender os autores deste crime e levá-los a julgamento.

Olhando para a situação palestina nos últimos tempos, descobrimos que houve uma escalada significativa recente no nível de campanhas de prisão política, que atingiu 87 ativistas, estudantes e prisioneiros libertados, de acordo com declarações publicadas pelo Centro de Informação Palestina do ativista de direitos humanos na Cisjordânia, o advogado Muhannad Karajah. Isso levou alguns a entrarem em greve de fome em protesto contra sua detenção ilegal. Órgãos legais, como Advogados da Justiça, emitiram declarações condenando esse comportamento que viola os direitos humanos e a liberdade de opinião e expressão.

LEIA: A vergonhosa ‘Lista de Vergonha’ da ONU que iguala o perpetrador israelense e a vítima palestina

Esses crimes crescentes ocorrem após a decisão de nomear Hussein Al-Sheikh como secretário do Comitê Executivo da OLP e incumbi-lo de tarefas críticas relacionadas ao presidente da AP, Mahmoud Abbas, de acordo com o que foi publicado por várias fontes da mídia. Isso basicamente significa que o movimento de coordenação de segurança, liderado por Hussain Al-Sheikh e Majed Faraj, dominará a tomada de decisão palestina na liderança da AP e da OLP. Esses dois homens são os mais próximos do exército de ocupação e trabalham há anos na luta contra a resistência palestina em cooperação com a agência de segurança israelense. Recentemente, eles vêm controlando as decisões políticas e diplomáticas palestinas, além de seu controle sobre o dinheiro e os serviços de segurança afiliados à AP, que se tornaram uma milícia que prende e mata fora do quadro da lei e da constituição palestina.

Não descartamos uma obstrução do horizonte político diante do fracasso dos Acordos de Oslo e da opção de solução adotada e defendida pelo Movimento Fatah por mais de um quarto de século. Isso ficou claro nas declarações do presidente dos EUA, Joe Biden, de que a solução de dois Estados tornou-se “fora de alcance”, e é uma das razões que levaram a liderança da defesa dessa solução a voltar à estaca zero na divisão palestina, na tentativa de para distrair o público palestino deste grande fracasso político. Impôs seu controle aumentando seus ataques contra adversários políticos, por medo da disseminação dos modelos de resistência em Jenin e Nablus para o resto das áreas sob controle da AP na Cisjordânia.

Aqueles que seguem as repetidas pesquisas de opinião nos últimos anos confirmando a demanda do povo palestino pela renúncia de Mahmoud Abbas devido ao seu fracasso político, e a convicção do público de que a corrupção se enraizou nos pilares da AP e suas instituições, podem acreditar que isso é uma das razões que levaram a AP a intensificar seus ataques contra cidadãos palestinos. Casos de corrupção que surgiram recentemente, como os ministros do governo de Shtayyeh empregando ilegalmente seus filhos e filhas, além das repetidas greves lideradas por muitos sindicatos profissionais na Cisjordânia em rejeição às políticas da AP, são apenas exemplos do movimento palestino de rua chegando a um ponto de ebulição contra a liderança da AP e do Movimento Fatah.

Estou plenamente convencido de que todas as tentativas de desviar a bússola do profundo fracasso político que afligiu a AP, e suas tentativas de distrair as ruas palestinas com questões marginais, fracassarão. Aqueles que acompanham a situação na Cisjordânia ocupada estão bem cientes de que a AP falhou em pequenos testes, como pressionar a ocupação e exigir que trate os viajantes palestinos que usam a passagem de Al-Karama com dignidade ou impedir que o exército de ocupação se aprofunde em suas áreas para matar jovens palestinos. A AP agora é incapaz de recuperar seu controle firme sobre o público palestino.

Em conclusão, os recentes crimes e ataques contra Al-Shaer e ativistas na Cisjordânia, que são realizados fora do quadro da lei, prenunciam um estado miserável de medo e terror que o povo palestino experimentará nas mãos dessas agências se Hussain Al-Sheikh se tornar o chefe da AP, sucedendo Mahmoud Abbas em um futuro próximo.

LEIA: Matar líderes da resistência não matará a vontade ou o direito de resistir à ocupação de Israel

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments