Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

A vergonhosa ‘Lista de Vergonha’ da ONU que iguala o perpetrador israelense e a vítima palestina

Ahmed Manasra, de 14 anos de idade, deixa a corte distrital de Jerusalém, em 7 de novembro de 2016

“Lamentamos não termos protegido você.” Isso faz parte de uma declaração emitida por especialistas em direitos humanos das Nações Unidas em 14 de julho, instando o governo israelense a libertar o prisioneiro palestino Ahmad Manasra. Com apenas 14 anos na época de sua prisão e tortura pelas forças israelenses, Manasra agora tem 20 anos. Seu caso é uma representação do tratamento geral desumano de Israel às crianças palestinas.

A declaração dos especialistas foi contundente e sincera. Acusou Israel de privar o jovem Manasra “de sua infância, ambiente familiar, proteção e todos os direitos que deveria ter garantido quando criança”. Ele se referiu ao caso como ‘assombroso’, considerando as “condições mentais deterioradas” de Manasra. A declaração foi mais longe, declarando que “este caso… é uma mancha para todos nós como parte da comunidade internacional de direitos humanos”.

Ahmad Manasra, jovem palestino preso há sete anos, desde os 13 anos de idade, sob tortura psicológica da ocupação [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

Condenar Israel por seus maus-tratos às crianças palestinas, sejam aquelas sitiadas em Gaza atingida pela guerra, ou sob ocupação militar e apartheid no resto dos territórios ocupados na Cisjordânia e Jerusalém Oriental, é comum.

No entanto, de alguma forma, Israel ainda foi poupado de um lugar na lista pouco lisonjeira, publicada anualmente pelo Secretário-Geral das Nações Unidas, nomeando e envergonhando governos e grupos que cometem graves violações contra crianças e menores em qualquer lugar do mundo.

Estranhamente, o relatório reconhece o horrível histórico de Israel de violar os direitos das crianças na Palestina. Ele detalha algumas dessas violações, que funcionários da ONU verificaram diretamente. Isso inclui “2.934 violações graves contra 1.208 crianças palestinas” somente no ano de 2021. No entanto, o relatório nivela o histórico de Israel, um dos mais sombrios do mundo, e o dos palestinos, ou seja, o fato de 9 crianças israelenses terem sido impactadas pela violência palestina naquele ano inteiro.

LEIA: Unicef diz ao Conselho de Segurança que mundo falhou em proteger crianças em conflito

Embora o maltrato deliberado de uma única criança seja lamentável, independentemente das circunstâncias ou do autor, é incompreensível que o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, tenha achado apropriado igualar as violações sistemáticas realizadas pelos militares israelenses como algo natural e os 9 menores israelenses prejudicados por grupos armados palestinos, intencionalmente ou não.

Para lidar com a discrepância óbvia entre crianças vítimas palestinas e israelenses, o relatório da ONU juntou todas as categorias para desviar a atenção da identidade do perpetrador, diminuindo assim o foco nos crimes israelenses. Por exemplo, o relatório afirma que um total de 88 crianças foram mortas em toda a Palestina, das quais 69 foram mortas em Gaza e 17 na Cisjordânia e em Jerusalém Oriental. No entanto, o relatório detalha esses assassinatos de tal forma que confunde crianças palestinas e israelenses como se tentasse deliberadamente confundir o leitor. Quando lido com atenção, descobre-se que todos esses assassinatos foram realizados por forças israelenses, exceto dois.

Além disso, o relatório usa a mesma lógica para dividir o número de crianças mutiladas no conflito, embora das 1.128 crianças mutiladas, apenas 7 eram israelenses. Do restante, 661 foram mutilados em Gaza e 464 na Cisjordânia, incluindo Jerusalém Oriental.

O relatório continua a culpar “grupos palestinos armados” por algumas das vítimas palestinas, que foram supostamente feridas como resultado de “acidentes envolvendo crianças que estavam perto de exercícios de treinamento militar”. Supondo que assim seja, acidentes dessa natureza não podem ser considerados “violações graves”, pois são, pela própria definição da ONU, acidentais.

A divisão confusa desses números, no entanto, não foi acidental, pois permitiu a Guterres o espaço para declarar que “se a situação se repetir em 2022, sem melhora significativa, Israel deve ser listado”.

Pior ainda, o relatório de Guterres foi mais longe para tranquilizar os israelenses de que eles estão no caminho certo, afirmando que “até agora este ano, não testemunhamos um número semelhante de violações”, como se sugerisse que o governo israelense de direita de Naftali Bennett e Yair Lapid mudaram propositalmente suas políticas em relação ao direcionamento de crianças palestinas. É claro que não há nenhuma evidência disso.

LEIA: Especialistas da ONU pedem soltura do prisioneiro palestino Ahmed Manasra

Em 27 de junho, o Defense for Children International-Palestine (DCIP) informou que Israel “estava intensificando sua agressão” contra crianças na Cisjordânia e em Jerusalém Oriental desde o início de 2022. O DCIP confirmou que até 15 crianças palestinas foram mortas por As forças israelenses nos primeiros seis meses de 2022, quase o mesmo número de mortos nas mesmas regiões durante todo o ano anterior. Este número inclui 5 crianças apenas na cidade ocupada de Jenin. Israel até atacou jornalistas que tentaram relatar essas violações, incluindo o jornalista palestino Shireen Abu Akleh, que foi morto em 11 de maio, e Ali Samoudi, que foi baleado nas costas no mesmo dia.

Muito mais pode ser dito, é claro, sobre o assédio de centenas de milhares de crianças na Faixa de Gaza, conhecida como a “maior prisão a céu aberto do mundo”, e muito mais na Cisjordânia ocupada. A falta de direitos humanos básicos, incluindo remédios que salvam vidas e, no caso de Gaza, água potável, dificilmente sugere qualquer melhoria mensurável no histórico de Israel no que diz respeito aos direitos das crianças palestinas.

Se você acha que o relatório da ONU é um passo na direção certa, pense novamente. 2014 foi um dos anos mais trágicos para as crianças palestinas, onde, de acordo com um relatório anterior da ONU, 557 crianças foram mortas e 4.249 ficaram feridas, a grande maioria das quais foi alvo durante a guerra israelense em Gaza. A Human Rights Watch afirmou que o número de palestinos mortos “foi o terceiro maior do mundo naquele ano”. Ainda assim, Israel não foi incluído na lista negra da ‘Lista da Vergonha’ da ONU. A mensagem clara aqui é que Israel pode atacar as crianças palestinas como quiser, já que não haverá responsabilidade legal, política ou moral por suas ações.

LEIA: No Dia da Criança Palestina, pelo menos 160 definham em prisões israelenses

Não é isso que os palestinos esperam das Nações Unidas, uma organização que supostamente existe para acabar com os conflitos armados e trazer paz e segurança para todos. Por enquanto, a mensagem que emana da maior instituição internacional do mundo para Manasra e o resto das crianças da Palestina permanecerá inalterada: “Lamentamos não termos protegido vocês”.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoIsraelONUOpiniãoOrganizações InternacionaisOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments