Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Matar líderes da resistência não matará a vontade ou o direito de resistir à ocupação de Israel

Palestinos queimam pneus para bloquear a estrada enquanto as forças de segurança israelenses entram na vila de Silat al-Harithiya, perto da cidade de Jenin, na Cisjordânia ocupada, em 7 de maio de 2022. [Nedal Eshtayah/Agência Anadolu]

Após o ataque de machado e faca de quinta-feira no assentamento israelense ilegal de Elad, que matou três colonos, teria havido incentivo da parte da segurança e da mídia de Israel para um retorno ao assassinato direcionado de líderes da resistência palestina.Há relatos de que advertências nesse sentido foram transmitidas ao líder da ala política do Hamas em Gaza, Yahya Sinwar.

O braço armado do movimento de resistência emitiu uma rara reivindicação de responsabilidade por um ataque de 29 de abril no assentamento ilegal de Ariel na Cisjordânia. Teria ocorrido em resposta ao aumento da “agressão israelense contra a Mesquita de Al-Aqsa”, principalmente durante o mês sagrado islâmico do Ramadã e o feriado da Páscoa judaica em abril.

No final do mês passado, em seu primeiro discurso em quase um ano, Sinwar alertou sobre novas operações caso colonos israelenses e forças de segurança continuassem a violar o Nobre Santuário de Al-Aqsa. Ele pediu aos palestinos que usem o que tiverem à sua disposição em sua resistência à ocupação: “Que todos que tenham um rifle, preparem-no. E se você não tiver um rifle, prepare seu cutelo ou um machado, ou uma faca .”

Esses comentários foram interpretados como tendo pelo menos inspirado os ataques Elad, que caíram no 74º aniversário da Nakba e do Dia da Independência de Israel. Embora se pense que um dos suspeitos que foi preso seja membro da Jihad Islâmica Palestina (PIJ) em Jenin, o movimento não reivindicou oficialmente a responsabilidade; nem qualquer outro grupo no momento da escrita.

LEIA: Haverá apelos por justiça a Shireen Abu Akleh ou Israel continuará seus assassinatos?

Parece haver apoio popular em toda a divisão política de Israel para o assassinato seletivo do chefe do Hamas, entre os da direita, bem como a chamada esquerda no estado cada vez mais de extrema direita.

“Sinwar é um homem morto e ele precisa ser assassinado imediatamente”, disse o parlamentar do  Likud Yoav Gallant ao canal 13 de Israel. “Se dependesse de mim, ele estaria morto amanhã. Assassine-o, não importa quais sejam as consequências.”

De acordo com o analista da Ynet, Ron Ben Yishai, “Sinwar quer desencadear uma guerra religiosa, é hora de tirá-lo de cena”.

O jornalista político Attila Somfalvi comentou no Twitter: “Sinwar deve estar no alvo muito em breve, isso está claro. Mas é deprimente pensar que ele poderia terminar sua vida em uma prisão israelense”.

Há outros observadores, porém, que reconhecem que matar Sinwar não será uma bala de prata para acabar com os desafios de segurança de Israel; apenas saciaria a sede pública de vingança.

Escrevendo no Jerusalem Post ontem, Herb Keinon alertou que as facções da resistência palestina devem ser levadas a sério em sua intenção declarada de lançar foguetes contra Tel Aviv e, de acordo com fontes de Al-Mayadeen, um possível retorno às “operações explosivas” – atentados suicidas – nas cidades israelenses.

“As ameaças covardes da ocupação israelense de possível assassinato de Yahya Sinwar ou de qualquer um dos líderes da resistência são uma indicação de um terremoto na região e uma resposta sem precedentes”, disse o porta-voz da ala militar do Hamas, Brigadas Al-Qassam, no sábado. . “Traremos um novo capítulo catastrófico na história do regime sionista.”

Isso pode implicar no uso cada vez mais sofisticado de drones por facções de resistência. O PIJ anunciou detalhes de um novo drone no Dia Internacional do Quds deste ano, o “Jenin” de fabricação local.

Israel tem um histórico de matar seus oponentes, dentro da Palestina ocupada e no exterior. Os assassinatos tornaram-se comuns após a eclosão da Segunda Intifada em 2000 e foram sancionados pela Suprema Corte de Israel após a decisão de 2006 no caso Targeted Killing, que reverteu uma decisão de 2002 que inicialmente considerou a política “não-justiciável”.

LEIA: A resposta da UE ao último deslocamento forçado de palestinos de Israel é – novamente – muito fraca

“Sinwar não é o pior dos inimigos”, opinou Gideon Levy no Haaretz. “Seu sucessor será pior. Sinwar também não será o primeiro Yahya do Hamas que Israel eliminará sem sucesso. A remoção de Yahya Ayyash, seu antecessor, não deu a Israel nada além de uma onda de atentados suicidas em que 60 israelenses foram mortos.”

Assassinatos direcionados podem oferecer um resultado tático de curto prazo, mas não resolverão os crescentes desafios de segurança de Israel, que devem ser contextualizados diante da contínua expansão e ocupação de assentamentos ilegais. Israel sabe que matar líderes da resistência não matará a vontade ou o direito legítimo de resistir à sua ocupação militar.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments