Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

O que realmente significa a ‘Declaração de Jerusalém’?

O presidente dos EUA Joe Biden (esq.) é recebido pelo primeiro-ministro israelense Yair Lapid (dir.) em Tel Aviv em 13 de julho de 2022 [Agência de Imprensa do Governo de Israel/Agência Anadolu]

Uma análise linguística da “Declaração de Jerusalém” assinada pelo presidente dos EUA Joe Biden e pelo primeiro-ministro israelense Yair Lapid em 14 de julho expõe a natureza do documento. É claro que Lapid está sendo anunciado como um primeiro-ministro de longo prazo antes das próximas eleições gerais em Israel, com a declaração enfatizando as questões mais importantes que preocupam os eleitores israelenses como a continuidade do patrocínio dos EUA, segurança e instalação de Israel como o Estado hegemônico regional.

Embora o documento não represente nenhuma mudança ou desenvolvimento real na natureza das relações EUA-Israel, ele criou a impressão de ser algo extraordinário ao usar uma abundância de adjetivos positivos para descrever o relacionamento e os assuntos relacionados. Contei pelo menos 30, incluindo valores e interesses inquebráveis, duradouros, compartilhados, inabaláveis, firmes, indispensáveis ​​e incomparáveis. Além disso, teve a ousadia de afirmar que as relações com o estado de ocupação são morais, essenciais, incríveis e extraordinárias, ao lado das habituais estratégicas, vitais, inéditas, duradouras, marcantes, históricas, extensas, robustas, consistentes, críticas, inovadoras, únicas, descomunais e notáveis. Dar US$ 3 bilhões todos os anos a um estado que trata o direito internacional com desprezo certamente é “incrível” e “notável”, pra dizer o mínimo.

Há também muitas inferências relacionadas ao objetivo real da declaração, que obviamente é abordar a sensação de insegurança de Israel e seu medo de perder o apoio dos EUA. Por exemplo, enquanto “economia” foi mencionada duas vezes; a palavra “segurança” foi mencionada 12 vezes; “defesa” e “apoio” cinco vezes cada; “ameaça”, “terror ou terrorista” três vezes cada; e “militar” duas vezes. Mesmo quando se fala em paz, é no contexto da normalização com os países árabes ou do que os americanos chamam de “integrar” Israel na região. Uma das coisas interessantes dentro do mesmo contexto é que enquanto a Autoridade Palestina, suposta “parceira para a paz” de Israel, é mencionada uma vez na declaração, seu rival político e inimigo número um de Israel, o Hamas, é mencionado três vezes. Da mesma forma, os supostos parceiros de Israel – Egito, Jordânia, Arábia Saudita, Marrocos e Bahrein – foram mencionados apenas uma vez, mas o arqui-inimigo Irã recebeu duas menções.

Além disso, embora o documento seja chamado de “Declaração de Jerusalém”, não menciona nada sobre a situação em Jerusalém. E, no entanto, os fanáticos religiosos israelenses que pretendem pintar Jerusalém com seu pincel, estão invadindo um dos lugares mais sagrados do Islã, a Mesquita de Al-Aqsa, 24 horas por dia sob a proteção da polícia e das forças armadas israelenses, e podem desencadear outra guerra, como aconteceu no ano passado. O documento também não se refere à judaização da cidade ilegalmente ocupada por Israel, muito menos retrata a mudança ilegal da Embaixada dos EUA de Tel Aviv para a cidade santa, feita por Donald Trumpou, ou mesmo sugere a reabertura do Consulado dos EUA que costumava servir como Embaixada Americana. na Palestina. A declaração simplesmente usou “Jerusalém” para dizer ao mundo que Israel, com o apoio dos EUA, criou novos fatos na cidade ocupada e o status quo está morto, as discussões sobre a cidade acabaram e não importa o que diz a comunidade internacional , o Conselho de Segurança da ONU e o direito internacional, o assunto Jerusalém está encerrado para sempre.

LEIA: Biden provou que Israel é um representante dos EUA no Oriente Médio

Surpreendentemente, o documento não se restringiu à retórica usual sobre democracia e liberdade. Em vez disso, foi carregado com terminologia religiosa e zelo, usando a expressão hebraica Tikkun Olam — “salvar o mundo” — que é o tipo de linguagem que não se espera ouvir de Biden e Lapid; sendo mais adequado para Trump e Benjamin Netanyahu.

Essa conversa sobre “salvar o mundo” é sombriamente cômica, já que aqueles que querem “salvar o mundo” são responsáveis ​​por muita instabilidade e destruição. Israel foi fundado na limpeza étnica da Palestina; vem ocupando a Cisjordânia, Faixa de Gaza e Jerusalém nas últimas seis décadas; e esteve em guerra com todos os seus vizinhos enquanto se transformava em um estado de apartheid baseado não na cidadania, mas na etnia e religião.

Os EUA, é claro, têm um longo histórico de minar governos estrangeiros e ocupar outros países; financiar organizações terroristas e, às vezes, criá-las; fazer uso indevido de organizações internacionais; e aplicar seletivamente as leis internacionais. Mais pertinente em termos de “salvar o mundo”, os EUA são um dos poucos países a se retirar dos Acordos Climáticos de Paris, que deveriam “salvar” o mundo da poluição causada por países como os Estados Unidos. E o que muitas vezes é esquecido é que os EUA são o único país a usar armas nucleares na guerra.

Biden tem um compromisso ideológico com Israel. Ele é um sionista confesso e continua apontando que “você não precisa ser judeu para ser sionista”. Ele entregou o jogo quando disse que, “se não houvesse um Israel, teríamos que inventar um”. Não é de admirar que o estado de ocupação tenha permissão para agir com impunidade.

A intenção declarada do documento – a integração de Israel na região – é uma confissão indireta de que Israel fracassou como Estado. Mais de setenta anos após a fundação do estado de ocupação, os EUA ainda precisam fazer o máximo para integrar Israel na região. Onde no mundo, além de Israel, um estado precisa de todo o poder da única superpotência global para ser “integrado” assim? Isso por si só confirma que Israel é um estado estrangeiro imposto a um lugar ao qual não pertence.

LEIA: Biden, o sionista

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoÁsia & AméricasEstados UnidosIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments