Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Relembrando o tratado de paz Egito-Israel

Egito foi primeiro país árabe a normalizar relações com Israel

Na sequência dos acordos de Camp David em 1979, Israel e Egito assinaram um tratado de paz sobre o gramado da Casa Branca, marcando o fim de décadas de hostilidade entre os dois vizinhos desde o estabelecimento de Israel em 1948. Quarenta e dois anos depois, o tratado ainda é considerado parte integrante da segurança de Israel, apesar de minar a luta palestina e negligenciar as exigências do povo egípcio.

O que: Tratado de paz Egito-Israel

Quando: 26 de março de 1979

Onde: Casa Branca, Washington DC

O que aconteceu?

Em 1977, em um movimento sem precedentes para um líder árabe, o presidente egípcio Anwar Sadat visitou Jerusalém em busca de reconciliação após décadas de conflito. Os dois países estavam oficialmente em guerra desde o estabelecimento de Israel em 1948, e Israel também ocupava a Península do Sinai desde a guerra de 1967. A aproximação de Sadat com o primeiro-ministro israelense, Menachem Begin, foi motivada pelo desejo de um acordo que garantisse uma paz duradoura.

Apesar das críticas dos países árabes vizinhos, em setembro de 1978, os dois líderes se encontraram novamente nos EUA para negociações secretas, sediadas pelo presidente Jimmy Carter no retiro presidencial, Camp David, em Maryland. A primeira dessas negociações tratava dos territórios palestinos, estipulando que o Egito, Israel e Jordânia concordariam em um método para estabelecer uma autoridade eleita autônoma na Cisjordânia e em Gaza e um período de transição de cinco anos. Entretanto, a proposta foi rejeitada pela ONU por ter sido formulada sem o envolvimento dos próprios palestinos e por não cumprir com o direito de retorno, autodeterminação e independência nacional dos palestinos.

Um tratado de paz para o Egito e Israel também foi formulado durante os acordos; ele normalizou oficialmente as relações entre os dois países e ordenou a retirada das forças militares israelenses da Península do Sinai, que o Cairo concordou em deixar mais ou menos desmilitarizada. O acordo também previa a livre passagem de navios israelenses pelo Canal de Suez e, mais notavelmente, fez do Egito o primeiro país árabe a reconhecer Israel como um Estado.

Em março de 1979, Sadat e Begin se reuniram em Washington para assinar oficialmente o tratado, pelo qual receberam conjuntamente o Prêmio Nobel da Paz de 1978. Em seu discurso ao receber seu prêmio, Sadat saudou o acordo como uma iniciativa que visava restaurar a paz: “Vamos acabar com as guerras, vamos reformular a vida com bases sólidas de equidade e verdade. E é este chamado, que reflete a vontade do povo egípcio, da grande maioria dos povos árabes e israelenses e, na verdade, de milhões de homens, mulheres e crianças em todo o mundo, que você está homenageando hoje. E estas centenas de milhões julgarão até que ponto cada líder responsável no Oriente Médio respondeu às esperanças da humanidade”.

LEIA: Egito, entre revoluções e ditaduras

O que aconteceu em seguida?

Os esforços do Presidente Sadat foram controversos no mundo árabe; o líder da Organização de Libertação da Palestina (OLP), Yasser Arafat, por exemplo, fechou o acordo, com a famosa declaração: “Deixe-os assinar o que quiserem. A falsa paz não vai durar”.

O acordo também foi visto negativamente pelo povo da região, que considerou Sadat como colocando os interesses nacionais do Egito sobre os do ex-presidente egípcio Gamal Abdel Nasser, a visão do pan-arabismo. Mais tarde naquele ano, o Egito foi suspenso da Liga Árabe, e a sede da organização foi transferida do Cairo para Tunis.

Como parte do acordo, os EUA iniciaram sua política de fornecer ajuda econômica e militar ao Egito, ficando atrás apenas de Israel. Desde os acordos de paz de Camp David em 1978 até 2000, Washington subsidiou as forças armadas do Egito com mais de $38 bilhões de ajuda. O país ainda recebe anualmente cerca de $1,3 bilhão dos EUA.

Em 6 de outubro de 1981, Sadat foi assassinado durante o desfile anual de vitória realizado no Cairo para celebrar a travessia do Canal de Suez pelo Egito durante a Guerra de outubro de 1973. A responsabilidade pelo assassinato foi reivindicada pelo grupo egípcio da Jihad Islâmica, que citou como motivação principal o acordo do presidente com Israel, bem como a intensa repressão conduzida pelo governo contra os líderes da oposição.

No entanto, o tratado permaneceu inalterado nas décadas posteriores à sua assinatura, apesar da breve incerteza quanto ao seu futuro após a revolução de 2011 que derrubou o presidente Hosni Mubarak. Em 2012, os líderes da Irmandade Muçulmana sugeriram que o tratado poderia ser submetido a um referendo para permitir que o povo egípcio tivesse uma palavra a dizer, mas as autoridades supostamente asseguraram aos diplomatas americanos que não pretendiam revogá-lo.

LEIA: Bloqueio de Gaza e assédio egípcio chega aos leitores

Após o golpe militar em 2013, o recém-instalado presidente Abdel Fattah Al-Sisi se comprometeu a manter a paz com Israel. Desde então, a cooperação entre Tel Aviv e Cairo se fortaleceu, com as duas nações coordenando esforços contra uma suposta insurgência no Sinai. Israel permitiu que o Egito aumentasse sua presença de tropas na Península enquanto conduzia uma campanha alegadamente contra os combatentes do Daesh. O exército egípcio é acusado de bombardear indiscriminadamente áreas civis e de milhares de assassinatos extrajudiciais de moradores, independentemente de sua filiação.

Em 2015, o Egito votou a favor da adesão de Israel ao Escritório da ONU para Assuntos Espaciais Externos. Esta foi a primeira vez que o Egito votou a favor de Israel nas Nações Unidas.

O Egito também se uniu a vários Estados do Golfo para pressionar os palestinos a aceitar um acordo de paz formulado pela administração Trump, apesar de aparentemente rejeitar a condição de um estado palestino e o legítimo direito de retorno dos refugiados, e considerar Jerusalém como a capital indivisa de Israel. As autoridades de segurança egípcias fecham regularmente a passagem da fronteira de Rafah para Gaza e destroem os túneis utilizados pelos contrabandistas para transferir alimentos básicos e medicamentos para o enclave sitiado, lar de cerca de dois milhões de palestinos.

Hoje, cerca de 82% dos israelenses acreditam que o tratado de paz com o Egito continua sendo parte integrante da segurança de Israel. É, porém, cada vez mais visto como uma paz insensível, dada a forte rejeição da maioria do povo árabe à normalização das relações de seus governos com Israel.

LEIA: Sisi constrói mais palácios, enquanto UTIs ficam sem oxigênio no Egito

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ÁfricaÁsia & AméricasEgitoEstados UnidosIsraelNeste diaOpiniãoOriente MédioVídeos & Fotojornalismo
Show Comments
Show Comments