Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Forças palestinas rejeitam Declaração de Jerusalém assinada por EUA e Israel

O presidente dos EUA Joe Biden (E) encontra o primeiro-ministro israelense Yair Lapid (R ) em Tel Aviv, Israel, em 14 de julho de 2022 [Serviço de Imprensa do Governo de Israel/Agência Anadolu]

As facções palestinas rejeitaram categoricamente a Declaração de Jerusalém assinada pelo presidente dos EUA Joe Biden e pelo primeiro-ministro israelense Yair Lapid, dizendo que representa “uma agressão” contra o povo palestino e seus direitos.

Em sua declaração após Biden e Lapid assinarem a declaração sobre a parceria estratégica entre os dois lados, o Hamas explicou que o acordo vem para “consolidar ainda mais a abordagem de Washington de se aliar e apoiar a agressão da ocupação contra nosso povo palestino e suas terras islâmicas e cristãs e locais sagrados e uma continuação das tentativas suspeitas dos EUA de liquidar a causa palestina, integrando esta entidade sionista em nossa Ummah árabe e islâmica [nação]”.

“Esta declaração expressa o viés flagrante e inaceitável do governo dos EUA em relação à entidade sionista e suas agendas de ocupação. Isso torna o governo dos EUA um parceiro na agressão e terrorismo da ocupação israelense contra nossa terra, povo e santidade palestinas”, acrescentou.

LEIA: Biden provou que Israel é um representante dos EUA no Oriente Médio

Por sua vez, a Frente Popular para a Libertação da Palestina (FPLP)considerou o acordo uma continuação da agressão contra o povo palestino e seus direitos nacionais e disse que dá a Israel mais liberdade para expandir e aprofundar seu projeto colonial na Palestina e sua expansão no exterior.

Apelou à “escalada de todas as formas de resistência” contra as “políticas coloniais e sionistas agressivas”.

A FPLP disse que a Declaração de Jerusalém é um convite aberto para desencadear guerras regionais e reforçar o papel agressivo de Israel em detrimento dos interesses dos povos da região sob o pretexto do “direito de Israel à defender-se”.

A organização alertou para as repercussões dos planos dos Estados Unidos e de Israel de afogar a região em “mares de sangue e muitos problemas como empobrecimento, fome, desperdício de riqueza e destruição em massa”.

A Declaração de Jerusalém de quatro páginas inclui um compromisso americano com a segurança de Israel e sua superioridade militar na região.

LEIA: Visita de Biden ao Oriente Médio busca liquidar a causa palestina, alerta Hamas

Categorias
Ásia & AméricasEstados UnidosIsraelNotíciaOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments