Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Alvejar jornalista é resultado de ‘impunidade’, alertam jornalistas da Índia sobre ataque de Israel

Centenas de pessoas estão reunidas em Bay Ridge, no Brooklyn, em Nova Iorque, EUA, em 15 de maio de 2022, para protestar em apoio aos palestinos e homenagear a jornalista palestina-americana Shireen Abu Akleh, que foi morta por soldados israelenses perto de Jenin, Acampamento da Cisjordânia, na Palestina [Tayfun Coşkun/Agência Anadolu]
Centenas de pessoas estão reunidas em Bay Ridge, no Brooklyn, em Nova Iorque, EUA, em 15 de maio de 2022, para protestar em apoio aos palestinos e homenagear a jornalista palestina-americana Shireen Abu Akleh, que foi morta por soldados israelenses perto de Jenin, Acampamento da Cisjordânia, na Palestina [Tayfun Coşkun/Agência Anadolu]

Cerca de 140 jornalistas indianos de alto escalão enviaram uma carta conjunta ao primeiro-ministro israelense, Naftali Bennett, na qual condenavam o ataque do exército israelense à jornalista da Al Jazeera Shireen Abu Akleh.

Abdel Razeq Abu Jazar, assessor de mídia da Embaixada da Palestina na Índia, disse que os jornalistas enfatizaram que o ataque à Abu Akleh é produto de um “ambiente deliberado baseado na impunidade”, acrescentando que as forças israelenses fazem com que jornalistas que trabalham independentemente paguem um preço por seus relatos.

Os jornalistas enviaram sua carta ao primeiro-ministro israelense por meio do embaixador de Israel em Nova Délhi, Naor Gilon.

LEIA: Israel prende carregador de caixão espancado em funeral de jornalista

Eles pediram a Bennett que condenasse o ataque à Abu Akleh e que iniciasse uma investigação transparente por uma autoridade independente para garantir justiça para ela e impedir mais ataques desse tipo.

“Nós, os jornalistas indianos, escrevemos para expressar nossa forte condenação do assassinato da jornalista da Al Jazeera Shireen Abu Akleh, que foi baleada no rosto enquanto informava sobre um ataque de soldados israelenses de Jenin”, disseram os jornalistas, acrescentando que o terrível o assassinato confirma mais uma vez a incapacidade de “seu governo aceitar uma imprensa independente que diga a verdade”.

“Também estamos surpresos que, apesar da condenação global, a polícia israelense tenha tentado impedir seu cortejo fúnebre e recorreu à violência enquanto os palestinos tentavam avançar com seu caixão.”

Israel assassinou a jornalista da Al Jazeera Shireen Abu Akleh em 11 de maio, enquanto ela cobria o ataque do exército de ocupação ao campo de refugiados de Jenin. A jornalista de 51 anos estava vestindo um colete à prova de balas exibindo claramente a palavra “Press” e usava um capacete, mas ainda foi baleada na cabeça por um atirador israelense. Seus colegas também foram baleados enquanto tentavam resgatá-la.

Categorias
Ásia & AméricasÍndiaIsraelNotíciaOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments