Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Israel pondera uso rotineiro de força aérea na Cisjordânia ocupada

Forças de segurança disparam gás lacrimogêneo contra protesto palestino na Cisjordânia ocupada, em 15 de abril de 2022 [Jaafar Ashtiyeh/AFP via Getty Images]

Israel está ponderando adotar o uso rotineiro de seu poderio aéreo contra os palestinos da Cisjordânia ocupada. Trata-se de uma das possibilidades de uma eventual reformulação na estratégia de controle do território, ao utilizar helicópteros e drones armados.

A proposta foi apresentada pelas Forças de Defesa de Israel (FDI), ao sugerir uma escalada de táticas de batalha no território ocupado, sob sistema flagrante de apartheid.

Segundo o jornal Haaretz, a força aérea pode ser adotada na Cisjordânia para dar cobertura a tropas de infantaria, além de suprimir ativistas e eventuais combatentes da resistência.

A morte do oficial israelense Noam Raz, durante uma invasão ao campo de refugiados de Jenin, na última semana, supostamente motivou a recente reavaliação de metodologia.

Segundo o exército da ocupação, Raz foi ferido durante um impasse com atiradores palestinos em Burqin, perto de Jenin, dois dias após o assassinato de Shireen Abu Akleh na mesma região. A repórter da Al Jazeera foi baleada a serviço por um franco-atirador israelense.

Raz foi transferido às pressas a um hospital; porém, faleceu.

Daoud Zubeidi também sucumbiu de seus ferimentos na mesma ocasião, após ser transportado ao centro de saúde de Rambam, na cidade de Haifa. Israel ainda não devolveu o corpo à família. Zubeidi é um dos 54 palestinos mortos por Israel somente este ano.

LEIA: Dezenas de palestinos são feridos na repressão de Israel às manifestações da Nakba

Zubeidi era parte da liderança regional do Fatah em Jenin e integrava as Brigadas dos Mártires de Al-Aqsa — braço armado do partido hegemônico na Cisjordânia e uma das principais forças palestinas a combater Israel durante a Segunda Intifada, no início dos anos 2000.

Há semanas, tropas coloniais executam invasões quase diárias na cidade de Jenin e outras áreas da Cisjordânia. As operações armadas sucedem uma suposta onda de ataques árabes dentro do território considerado Israel — isto é, capturado durante a Nakba (ou “catástrofe”), em maio de 1948, mediante limpeza étnica.

O campo de refugiados de Jenin — administrado pela Organização das Nações Unidas — abriga 26 mil pessoas por quilômetro quadrado e sofreu alguns dos mais brutais ataques nas mãos do exército israelense. Em 2002, um massacre resultou em 52 palestinos mortos.

Israel recorre a helicópteros de combate na Cisjordânia ocupada somente em “circunstâncias especiais”. Contudo, caso as mudanças sejam aprovadas, a adoção de poderio aéreo pode se tornar cotidiana, sobretudo na região de Jenin.

Categorias
IsraelNotíciaOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments