Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Israel não consegue esconder com mentiras seu mais recente crime contra palestinos

Jornalistas iraquianos segurando as fotos da jornalista da Al Jazeera Shireen Abu Akleh depois que ela foi morta enquanto cobria um ataque israelense na Cisjordânia em 11 de maio de 2022, durante um protesto do lado de fora do escritório da Al Jazeera em Bagdá, Iraque . [Murtadha Al-Sudani/ Agência Anadolu]

O assassinato por Israel da jornalista da Al Jazeera Shireen Abu Akleh, uma cidadã palestina-americana, chegou às manchetes da maioria dos meios de comunicação internacionais. Shireen foi morta enquanto cobria a invasão israelense da cidade palestina ocupada de Jenin, revelando a brutalidade da ocupação israelense e causando uma grande crise internacional para Israel.

Desde o início, a ocupação israelense tentou adotar uma narrativa falsa sobre o incidente, mas não conseguiu encobrir a verdade e encobrir seu crime.

Naftali Bennett, primeiro-ministro israelense, postou um vídeo no Twitter de combatentes palestinos atirando em um soldado israelense, alegando que suas balas atingiram Shireen, mas imediatamente ativistas e grupos de direitos humanos, incluindo o israelense B’Tselem, refutaram seu tweet e provaram que Shireen não foi baleada pelos combatentes palestinos que apareceram no vídeo.

LEIA: Israel busca exonerar-se após assassinato de jornalista Shireen Abu Akleh

“Esta manhã, o pesquisador de campo do B’Tselem em Jenin documentou os locais exatos em que o atirador palestino retratado em um vídeo distribuído pelo exército israelense disparou, bem como o local exato em que a jornalista Shireen Abu Akleh foi morta”, o grupo de direitos humanos tuitou.

Muitos outros oficiais israelenses também estiveram envolvidos na batalha de defender o estado de ocupação e sua narrativa, mas até agora todos falharam.

Pode ser a primeira vez que Israel enfrenta tamanho dilema, o qual desencadeou a indignação e condenação de autoridades internacionais e populares. Quase todos os órgãos oficiais internacionais e as grandes potências pediram que Israel investigue o ataque de Shireen. Eu sei, eles não são sérios, mas estão tentando apaziguar a raiva das pessoas. Se fossem sérios, teriam obrigado Israel a investigar assassinatos anteriores. Shireen, de acordo com o Sindicato dos Jornalistas Palestinos, é a 55º  jornalista palestina morta por Israel.

Tudo isso levou Israel a apelar a terceiros para absorver a indignação internacional e encerrar esta página com o menor dano. O jornalista israelense Amos Harel escreveu no Haaretz: “Na quarta-feira à noite houve rodadas febris de comunicação entre Israel e a Autoridade Palestina sobre se a bala removida do corpo de Abu Akleh seria entregue para exame em Israel”.

Israel mata a tiros a jornalista da Al Jazeera Shireen Abu Akleh durante a invasão de Jenin [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

Jonathan Lis, um jornalista israelense, escreveu no Haaretz que Israel pediu ao Catar para conter a cobertura da Al Jazeera sobre a morte de Shireen e parar com suas críticas a Israel.

 “Israel manteve contatos diversos, embora clandestinos, com o Catar, e pediu ao país para conter as críticas ferozes da Al Jazeera a Israel após a morte do repórter Shireen Abu Akleh”,

escreveu Lis.

O Catar recebeu na quarta-feira as conclusões iniciais da investigação, incluindo a alegação israelense de que Abu Akleh não fora atingida pelo fogo das forças de ocupação israelenses, mas por combatentes palestinos, escreveu Lis, afirmando que o ministro da Defesa israelense, Benny Gantz, anunciou que Israel também enviaria essas conclusões à Autoridade Palestina e aos Estados Unidos.

O estado de ocupação até agora fez grandes esforços para se eximir do assassinato, mas falhou. O correspondente militar e de defesa do Walla News israelense, Amir Bohbot, afirmou que ainda há “uma lacuna significativa entre o esforço de informação israelense e o esforço na arena internacional”. Ele afirmou que a alegação israelense de que está investigando o incidente “está prestes a terminar”.

O jornalista David Horovitz escreveu no Times of Israel sobre as preocupações do ministro das Relações Exteriores de Israel e do primeiro-ministro Yair Lapid sobre os danos diplomáticos que o assassinato de Shireen poderia causar a Israel. Horovitz relatou que Lapid teria dito: “O assassinato de Shireen abu Akleh ameaça danos substanciais a Israel – diplomaticamente, no tribunal da opinião pública internacional e como um impulsionador de mais terrorismo”.

Como parte dos esforços israelenses para divulgar sua narrativa falsa, o porta-voz das forças de ocupação israelenses, segundo o relato de Horovitz, descreveu Shireen e outros jornalistas como terroristas portando suas próprias armas – câmeras para ajudar a transmitir a cobertura pró-Palestina. O porta-voz eria dito que eles “estão filmando e trabalhando para um meio de comunicação entre palestinos armados e estão armados com câmeras”.

Bennett tentou desesperadamente afirmar que Israel está “se acostumando a ver o mundo adotar as histórias dos palestinos como verdade absoluta”, então ele formou uma Diretoria de Diplomacia Pública “que não deixa o palco da mídia para as invenções e mentiras de nossos inimigos.” Ele disse que este órgão está trabalhando para orquestrar “melhores mensagens durante esta crise de relações públicas”.

LEIA: Legado de Shireen Abu Akleh deve desencadear sanções a Israel

Todas as instituições oficiais e não oficiais israelenses estão envolvidas nesta batalha porque sabem que o mundo inteiro está assistindo. Horovitz disse que a narrativa israelense, de que Shireen poderia ter sido baleada por palestinos, foi inicialmente aceita no Ocidente, mas depois rejeitada. O Times of Israel divulgou a fala de um oficial da polícia israelense à emissora pública Kan de que “o mundo inteiro está olhando para nós”.

O ex-porta-voz do exército de ocupação israelense, Ofir Sofer, reiterou que Israel está envolvido em uma batalha de relações públicas. “Como ex-porta-voz da IDF, presumo (e espero) que você entenda muito bem a importância das relações públicas do Estado de Israel no mundo”, disse ele à mídia israelense.

Alguns israelenses acreditam que precisam justificar ao mundo a agressão israelense aos palestinos, e que cobrir essas agressões é perigoso para os jornalistas. Eles acreditam que isso poderia ajudar a apoiar a narrativa israelense.

“Israel precisa garantir que haja representantes falando na televisão e em outras mídias visuais sobre a necessidade das operações das FDI e o perigo que os jornalistas enfrentam nas zonas de combate”, disse o ex-porta-voz do exército israelense, Peter Lerner, ao Jerusalem Post.

Israel foi criado em uma mentira e vem disseminando mentiras para justificar sua existência e justificar sua contínua matança de palestinos, deslocando-os, roubando suas terras e propriedades e demolindo suas casas. O mundo e a mídia internacional foram cúmplices disso. Às vezes, quando Israel não consegue esconder seus crimes, deixa de produzir e promover suas narrativas falsas.

No caso de Shireen, não é a Al Jazeera que está criando notícias sobre ela, mas o brutal crime israelense que acabou com sua vida. Ela foi alvejada enquanto usava um colete à prova de balas exibindo claramente a palavra ‘Imprensa’ e um capacete enquanto estava em uma área aberta cercada apenas por jornalistas. Há imagens de vídeo e relatos de testemunhas oculares dos eventos do dia.

“Com todo o respeito a nós, digamos que a credibilidade de Israel não é muito alta nesses casos”, disse o ministro da diáspora israelense, Nachman Shai, à rádio israelense 103FM. “Nós sabemos disso. É baseado no passado”, acrescentou.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoB'TselemCatarIsraelOpiniãoOrganizações InternacionaisOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments