Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Legado de Shireen Abu Akleh deve desencadear sanções a Israel

Pessoas se reúnem nos escritórios da Al Jazeera na cidade de Ramallah, na Cisjordânia, em 11 de maio de 2022, após o assassinato da jornalista veterana Shireen Abu Aqleh, que foi morta a tiros enquanto cobria uma operação no campo de refugiados de Jenin, na Cisjordânia [Ronaldo Schemidt/AFP via Getty Images]

As forças israelenses assassinaram hoje um ícone palestino. Ela não era líder de uma facção política ou membro de um grupo de resistência. Shireen Abu Akleh era uma jornalista palestina cristã e repórter da Al Jazeera que ficou conhecida no mundo árabe durante a reocupação israelense dos territórios deixados após os Acordos de Oslo. Ela relatou brilhantemente os eventos violentos e o cerco ao então líder Yasser Arafat, tornando-se o rosto da Al Jazeera na Palestina.

Ela frequentemente reportava da linha de frente evitando balas reais israelenses, balas de metal revestidas de borracha e granadas de gás e som. Ela foi capaz de evitar ferimentos graves ou morte desde que ingressou na Al Jazeera em 1997. Mal sabia ela que bastaria uma bala para acabar com sua vida, apesar de usar ‘traje de imprensa, capacete de proteção e armadura corporal’. A bala entrou no espaço entre o capacete e o colete, logo abaixo da orelha. Um acerto bastante preciso, o que confirma que foi baleado por um franco-atirador.

Shireen tinha ido ao campo de refugiados de Jenin no início desta manhã – quatro dias antes de os palestinos comemorarem a Nakba de 1948 – para relatar outro ataque israelense ao campo. Sua morte tornou-se parte da continuação da Nakba.

Shireen não é a primeira jornalista palestina a ser morta por um Estado que continua agindo acima da lei e que vê todos os palestinos como subumanos. Isso é em parte o que levou três grupos de direitos humanos – B’Tselem, Human Rights Watch (HRW) e Anistia Internacional – a concluir que as políticas israelenses atendem à definição de Apartheid no Estatuto de Roma.

LEIA: Apartheid de Israel na palestina é crime contra a humanidade

Lembro-me de escrever sobre Yaser Murtaja, um jornalista em Gaza que também foi assassinado por um atirador israelense em Gaza em 2018. Isso foi apenas alguns meses depois que uma jovem médica – Razan Al-Najjar – também foi morta por tiros israelenses na cerca que separa Gaza das aldeias e cidades de onde provêm 80 por cento dos residentes de Gaza. Nenhum israelense foi levado à justiça por matar Razan ou Yaser. Alguém espera que o assassino de Shireen enfrente a justiça por matar uma jornalista?

É claro que há uma diferença na linguagem usada pelos líderes ocidentais que reagiram ao assassinato de Shireen. Ela era uma palestina, mas também uma cidadã americana. O embaixador dos EUA em Israel, Tom Nides, tuitou sua ‘tristeza’. Ele normalmente não expressa qualquer tristeza pelas mortes de palestinos. Eu suponho que ele ficou envergonhado de comentar porque ela tem cidadania americana. Sua tristeza não trará Shireen de volta à vida. Não houve exigência de Israel para fazer nada, mas ele, quase se desculpando, “encorajou uma investigação completa sobre as circunstâncias de sua morte”.

O embaixador britânico em Israel, Neil Wigan, que recentemente se lembrava dos ‘soldados israelenses caídos’, muitos dos quais mataram palestinos no dia da celebração de Israel, twittou: “Estou profundamente triste com a trágica morte de @ShireenNasri da Al Jazeera em Jenin nesta manhã.” Nenhuma condenação das ações de Israel. Não houve convocação ao Ministério das Relações Exteriores britânico do embaixador racista de Israel para exigir uma investigação sobre esse assassinato.

A missão da União Europeia na Palestina twittou: “Chocada com o assassinato da jornalista da @AlJazeera, Shireen Abu Aqla, que estava relatando as incursões da ISF em Jenin”.

Coube às autoridades israelenses mentir imediatamente, alegando que Shireen foi morta por balas palestinas. A alegação que eles usaram para distorcer a verdade sobre o assassinato de Mohammad Al-Durrah e muitos que perderam suas vidas sob bombas israelenses em Gaza, incluindo o quarteto de futebol. Um Estado que foi construído sobre a mentira de que a Palestina era uma terra sem povo para um povo sem terra continua a vigorar. É como Israel tenta introduzir uma dúvida na mente das pessoas para desviar de suas ações mortais e malignas.

LEIA: Haverá apelos por justiça a Shireen Abu Akleh ou Israel continuará seus assassinatos?

O contexto real aqui e a razão pela qual Shireen foi morta é a contínua ocupação ilegal da Palestina por Israel e o tratamento hipócrita deles e de sua causa pela chamada comunidade internacional, quando comparado com a situação na Ucrânia. Uma ocupação de dias de duração pela Rússia trouxe milhares de sanções ao perpetrador e ocupante, a Rússia, enquanto uma ocupação de sete décadas e expulsão dos palestinos não é vista sob a mesma luz.

Tentativas de limpeza étnica de Sheikh Jarrah, ataques a fiéis pacíficos na Mesquita de Al-Aqsa dois Ramadãs consecutivos, a limpeza étnica planejada de Masafer Yatta, os anúncios de novas construções de assentamentos, os novos regulamentos de entrada na Cisjordânia e a demolição de a casa da família Al-Rajabi em Silwan não são controlados e muito menos punidos pela comunidade internacional. Israel tem liberdade para oprimir, roubar, demolir, aprisionar, restringir o movimento, negar a entrada, negar a saída e rotular as organizações de direitos humanos como organizações terroristas, na medida em que reivindica todas essas medidas como necessárias para sua segurança. Mas por que a comunidade internacional permite que o assassinato de civis, especialmente jornalistas e médicos, seja considerado um meio de autodefesa?

Organizações jornalísticas em todo o mundo devem apoiar os jornalistas palestinos sem reservas, pois cumprem seu dever de contar ao mundo sobre os crimes israelenses. Os governos devem ir além de expressar tristeza pelo assassinato de Shireen e exigir que os autores de seu assassinato sejam levados à justiça.

Conheci Shireen em Ramallah há muitos anos e achei que ela era uma excelente profissional e um ser humano adorável. Ela não merecia ser morta simplesmente fazendo seu trabalho. Enquanto Israel pensará que isso impedirá outros jornalistas de cobrir seus crimes, o assassinato de Shireen apenas inspirará mais palestinos a seguir seus passos, a ser uma voz pela verdade e decência continuando a exigir que o mundo veja Israel pelo que é, um Estado que lança o terror sobre outro povo impunemente. Essa impunidade deve acabar. As sanções devem ser impostas a Israel agora, se a morte de Shireen não for em vão.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments