Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Lembrando o aperto de mãos Arafat-Rabin

Vinte e seis anos após a assinatura do Acordo de Oslo, a retirada militar israelense da Cisjordânia nunca ocorreu.

O vídeo acima relata o momento do acordo descrito neste artigo, em que se previa o fim das hostilidades, o caminho para a criação da Autoridade Palestina, a solução dois estados, a divisão da administração da cisjordânia em três áreas: A-sob controle palestino, B – sob gestão conjunta e C – sob controle israelense.  Mas  a ocupação foi aprofundada por Israel. Gaza foi cercada e a solução dois estados nunca foi implementada. Ao final, a pergunta: O processo de paz de Oslo está morto?

Neste dia de 1993, o presidente da Organização para a Libertação da Palestina (OLP), Yasser Arafat, e o primeiro-ministro israelense Yitzhak Rabin, apertaram as mãos depois de assinarem os acordos de paz de Oslo, no que se tornaria um momento icônico na história do conflito entre israelenses e palestinos. No entanto, 25 anos depois, a promessa de paz permanece não cumprida e a luta por uma pátria palestina continua, com o fracasso de Oslo cada vez mais reconhecido.

O que: Aperto de mão entre Yasser Arafat e Yitzhak Rabin

Quando: 13 de setembro de 1993

Onde: Gramado da Casa Branca, Washington DC

O que aconteceu?

O famoso aperto de mão marcou o estágio final de meses de negociações secretas de paz realizadas em Oslo, na Noruega, entre o governo de Israel e a principal facção palestina, Fatah. Sob os termos do acordo, Israel concordou em retirar suas tropas da Faixa de Gaza e da Cisjordânia ocupada até abril de 1994. As eleições seriam realizadas nos territórios para permitir aos palestinos alguma forma de autonomia e autogoverno. Em troca, o presidente Arafat assinou duas cartas renunciando à violência e reconhecendo oficialmente 78% da histórica Palestina como Israel; Tel Aviv, por sua vez, retirou o reconhecimento da OLP como organização terrorista, afirmando-a como representante legítimo do povo palestino.

A questão de Jerusalém, assentamentos, refugiados palestinos e das fronteiras estavam entre as responsabilidades que permaneceriam com Israel. Os acordos também  preservavam o controle exclusivo de Israel  sobre as fronteiras, o espaço aéreo e as águas de Gaza.

O acordo de paz deveria ser assinado em Washington, sob o comando do governo do presidente dos EUA, Bill Clinton.

Em 13 de setembro de 1993, Clinton apresentou os dois líderes, ao lado de outras autoridades estatais e ex-presidentes dos EUA Jimmy Carter e George Bush, à multidão de convidados na frente da Casa Branca. Os dois chefes nacionais não assinaram a declaração. Em vez disso, o ministro das Relações Exteriores de Israel, Shimon Peres, e o colega palestino Mahmoud Abbas assinaram com aplausos arrebatadores.

Os dois estadistas se viraram um para o outro, com os braços do presidente Clinton estendidos entre eles, antes de Arafat estender a mão primeiro em direção a Rabin. O aperto de mão provocou uma ovação de pé e aplausos da platéia. Arafat então passou a apertar a mão de Peres e as outras autoridades israelenses no palco, um movimento não correspondido por Rabin.

Em discursos proferidos após a assinatura, o primeiro-ministro Rabin dirigiu-se à multidão de repórteres e funcionários: “Nós que lutamos contra os palestinos, dizemos hoje em voz alta e clara, basta de sangue e lágrimas, basta!” ele proclamou.

“A decisão difícil a que chegamos juntos foi uma que exigia muita coragem”, disse Arafat em seu discurso subsequente. “Nossos dois povos aguardam hoje essa esperança histórica e querem dar uma chance real à paz.”

O que aconteceu depois?

O aperto de mão ganhou manchetes de primeira página em todo o mundo, aclamado como um triunfo histórico da paz sobre o conflito por meios de comunicação e políticos. A assinatura dos Acordos de Oslo pôs fim à Primeira Intifada, que viu centenas de palestinos mortos e milhares feridos depois que Israel reagiu violentamente aos levantes populares nos territórios ocupados.

Intifada – Cartoon [Sarwar Ahmed / Monitor do Oriente Médio]

Em 1994, Arafat e Rabin receberam um Prêmio Nobel da Paz por sua participação nos acordos. Arafat também foi eleito presidente da recém-criada Autoridade Palestina (PA) no mesmo ano, que abriu o caminho para a assinatura de Oslo II em 1995, que afirmou o estabelecimento de um autogoverno interino palestino. Nenhum acordo prometeu um futuro Estado palestino.

Lembrando a Primeira Intifada

Vinte e cinco anos após a assinatura do Acordo de Oslo, a retirada militar israelense da Cisjordânia nunca ocorreu. Israel plantou centenas de postos de controle militares, expandiu assentamentos ilegais que tomaram grandes áreas de fazendas e áreas residenciais palestinas, construiu um muro de separação ilegal e expulsou palestinos de suas casas e os entregou a colonos israelenses.

O cerco israelense a Gaza, agora em seu 11º ano, tornou a Faixa “inviável” três anos antes da previsão sombria da ONU. Gaza foi submetida a quatro grandes ofensivas israelenses entre 2006 e 2014, que mataram milhares de civis palestinos, feriram dezenas de milhares de pessoas, deixaram a infra-estrutura devastada, hospitais paralisados, escolas e universidades destruídas.

As partes e patrocinadores de Oslo concordaram em implementar acordos interinos de autogovernança e uma estrutura para facilitar as negociações para as questões de status final até o final de 1999. No entanto, duas décadas e meia depois, nenhum progresso foi feito.

Em 2015, Mahmoud Abbas disse à Assembléia Geral da ONU em Nova York que a Palestina ainda está ocupada e que, consequentemente, a AP não está mais vinculada aos Acordos de Oslo assinados com Israel.

Desde a eleição do presidente dos EUA, Donald Trump, as negociações para o “acordo do século” estão em andamento, com a administração finalizando um plano que supostamente encerrará o conflito. Relatórios preliminares indicam que o acordo de paz não incluirá uma solução de dois estados e não determinará uma “solução correta e justa” para a questão dos refugiados palestinos que desejam voltar, como previam as propostas anteriores.

 

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
Ásia & AméricasEUAIsraelNeste diaOpiniãoOriente MédioPalestineSlide GrandeVídeos & Fotojornalismo
Show Comments
Show Comments