Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Egito condena estrela do TikTok a 3 anos por ‘tráfico de pessoas’

Uma mulher assiste a um vídeo da influenciadora egípcia Haneen Hossam, condenada a dois anos de prisão por violação da moral pública, no aplicativo de compartilhamento de vídeos TikTok na capital do Egito, Cairo, em 28 de julho de 2020 [Khaled Desouki/AFP via Getty Images ]

O Egito reduziu a sentença da estrela do TikTok Haneen Hossam para três anos por tráfico de pessoas, reduzindo uma decisão anterior de  dez anos .

A vlogger também recebeu uma multa de 200.000 libras egípcias, cerca de US$ 10.840, pelo Tribunal Criminal do Cairo.

O novo julgamento de Haneen foi  adiado em fevereiro . Depois que um juiz estendeu sua detenção, a influenciadora de mídia social caiu em prantos e pediu para ficar com sua mãe.

Após ser  presa  em  2020 , Haneen foi acusada de “promover a prostituição” e “incitar a imoralidade e a tentação” depois de incentivar outras mulheres a ganhar dinheiro fazendo vídeos para compartilhar em outra plataforma, a Likee.

Desde então, ela foi libertada sob fiança, presa novamente e agora teve sua pena reduzida. Haneen negou todas as acusações contra ela.

LEIA: Rússia bloqueia passagem de navios de alimentos com destino ao Egito, afirma Kiev

Haneen foi uma das 12 mulheres com altos perfis de mídia social que foram presas e encarceradas por “violar os valores familiares” e uma série de outras acusações espúrias.

Com mais de 900.000 seguidores, Haneen dublou músicas e dançou, compartilhando os vídeos com seus seguidores.

Uma das outras mulheres, Manar Samy, foi acusada de “despertar instintos” depois de postar um vídeo de si mesma dançando em uma praia. Menna Abdelaziz foi presa após fazer uma transmissão ao vivo no Instagram para pedir ajuda. Ela tinha marcas visíveis no rosto e disse que havia sido estuprada e espancada.

Ativistas de direitos humanos disseram que as acusações contra essas mulheres são degradantes e falsas e pediram ao governo que liberte as mulheres do TikTok, como ficaram conhecidas.

A repressão foi vista como parte de um padrão mais amplo de restrição da liberdade de expressão, inclusive nas mídias sociais, que têm sido mais difíceis de controlar do que a mídia tradicional.

Em 2018, as autoridades egípcias  aprovaram uma legislação  que permite ao governo processar qualquer pessoa com uma conta ou blog com mais de 5.000 seguidores como fariam com um jornal ou programa de TV.

Categorias
ÁfricaEgitoNotícia
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments