Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Suécia condena mãe por ‘crimes de guerra’ após seu filho ser recrutado na Síria

Bandeira da Suécia em Malmo, 6 de junho de 2015 [Harry Engels/Getty Images]

Uma cidadã sueca foi considerada culpada por “crimes de guerra” por não impedir que seu filho de 12 anos de idade se tornasse soldado na Síria, onde foi morto durante a guerra civil, segundo informações da agência de notícias Reuters. A mãe, no entanto, nega as acusações.

“A corte distrital de Estocolmo condenou Lina Ishaq a seis anos de prisão por grave violação da lei internacional, incluindo crime de guerra”, confirmaram os juízes em comunicado.

“Lina Ishaq, em sua capacidade de tutora, omitiu-se em impedir seu filho Joan, de 12 a 15 anos, de ser recrutado por agentes desconhecidos, então utilizado como soldado em nome do Estado Islâmico [Daesh], durante o conflito armado na Síria”, declarou o veredito.

A mulher de 49 anos, que retornou da Síria ao estado europeu em 2020, é a primeira pessoa a ser indiciada na Suécia por supostamente amparar o recrutamento de seu próprio filho, menor de idade, como soldado a grupos terroristas.

O menino nasceu em 2001 e faleceu em 2017.

Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), recrutar e empregar crianças de 15 anos ou menos durante conflitos armados é proibido pela lei humanitária internacional e denota crime de guerra, a ser julgado pelo Tribunal Penal Internacional.

Sob a lei federal da Suécia, os tribunais podem indiciar pessoas por violações da lei internacional cometidas no exterior.

LEIA: Após Suécia ‘sequestrar’ seus cinco filhos, refugiado sírio pede ajuda de Erdogan

Categorias
Europa & RússiaNotíciaOriente MédioSíriaSuécia
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments