Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

UE pede fim da violência de colonos e das provocações em Sheikh Jarrah

Ativistas se reúnem para uma manifestação para protestar contra o despejo de famílias palestinas de suas casas e assentamentos ilegais no bairro de Sheikh Jarrah, Jerusalém Oriental, em 11 de fevereiro de 2022 [Mostafa Alkharouf/Agência Anadolu]

A União Europeia pediu que a violência dos colonos israelenses e as provocações irresponsáveis contra os palestinos no bairro de Sheikh Jarrah, em Jerusalém Oriental ocupada, sejam interrompidas, informou a Agência Anadolu.

“Preocupamo-nos com os desenvolvimentos em curso em Sheikh Jarrah, Jerusalém Oriental, com confrontos violentos que levaram a vários feridos e prisões. Incidentes de violência de colonos, provocações irresponsáveis e outros atos de escalada nessa área sensível apenas alimentam mais tensões e devem cessar”, disse a delegação da União Europeia aos Territórios Palestinos no Twitter.

Ontem a polícia israelense prendeu um palestino em Sheikh Jarrah e agrediu outros. Isso veio com o controverso membro de extrema-direita do Knesset Itamar Ben Gvir, que montou um “escritório” em Sheikh Jarrah, no que ele disse ser um esforço para mostrar apoio aos colonos ilegais na área.

Dezenas de colonos invadiram o bairro de Sheikh Jarrah junto com Ben Gvir.

LEIA: De Tantura a Naqab, a vergonha de Israel está sendo exposta

De acordo com testemunhas oculares, a polícia israelense espancou palestinos e disparou gás lacrimogêneo e granadas sonoras contra eles enquanto protestavam contra as provocações de Ben Gvir.

Os ataques israelenses contra manifestantes palestinos que exigem o fim do deslocamento forçado de famílias de suas casas em Jerusalém Oriental ocupada para dar lugar a colonos ilegais se intensificaram desde maio. As forças de ocupação israelenses invadiram a Mesquita de Al-Aqsa em várias ocasiões, atiraram e abusaram de fiéis palestinos enquanto rezavam as orações noturnas do Ramadã. Em resposta, as facções da resistência dispararam foguetes contra Israel.

Israel, que continuamente ataca a Faixa de Gaza sitiada ao longo do ano, aumentou seus ataques e derrubou vários blocos habitacionais, matando 254 palestinos, incluindo 66 crianças. Cinco israelenses também foram mortos.

As autoridades de ocupação israelenses também fecharam repetidamente as águas de pesca de Gaza e bloquearam todas as travessias de entrada e saída da Faixa, aprisionando seus dois milhões de habitantes. Cerca de 60.000 pessoas foram afetadas pelo fechamento arbitrário do mar. Relatórios anteriores mostraram que pelo menos 90 por cento dos pescadores de Gaza vivem abaixo da linha da pobreza.

Categorias
IsraelNotíciaOrganizações InternacionaisOriente MédioPalestinaUnião Europeia
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments