Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

É realmente o campeonato de Jerusalém e Dignidade, ou de humilhação e normalização?

Fãs do Celtic hasteiam a bandeira palestina em apoio aos prisioneiros palestinos em greve de fome [ Celtic Fans for Palestine/Reprodução]

As reações ainda continuam depois que os chefes das Associações de Futebol da Jordânia e da Palestina, Príncipe Ali e Jibril Rajoub, reunidos na semana passada na capital jordaniana, Amã, anunciaram a criação de um campeonato de futebol entre vários clubes dos dois países nos territórios palestinos ocupados, sob o nome de  “Jerusalém e Dignidade”.

Assim, as autoridades esportivas de ambos os países desperdiçam todos os esforços e sacrifícios feitos por muitos campeões esportivos árabes, sejam eles times ou indivíduos, para se comprometerem a boicotar a entidade sionista e tratá-la como uma entidade pária e colonial. A ocupação na região é uma entidade à margem da lei. E boicotá-lo em qualquer campo, seja esportivo, político ou econômico, reforça o fato de que é rejeitado pelo povo árabe. O boicote esportivo é um dos esforços monitorados pelo site da campanha de Boicote Desenvolvimento e Sanção (BDS), em árabe.

Durante muitos anos, a família do desporto árabe, juntamente com todos os adeptos palestinianos das várias federações desportivas, trabalhou para expulsar a entidade sionista das várias federações desportivas, levando à que fosse expulsa da Confederação Asiática de Futebol, graças ao boicote árabe e à boicote aos quadros esportivos amigos do povo palestino e defendendo sua causa. Em 1976, foi emitida a decisão oficial na Conferência de Kuala Lumpur de expulsar a entidade sionista daquela confederação em uma decisão na qual  17 países votaram a favor,  13 países contra a expulsão e seis que se abstiveram de votar. Foi um fato comemorado por todos os palestinos e árabes, incluindo o sistema oficial de gestão esportiva palestina. A Federação da entidade sionista permaneceu sem atividades esportivas desde sua saída da Confederação Asiática até 1992 , quando foi aceita como membro da Associação Europeia de Futebol.

O que significa a entrada de equipes esportivas nos territórios palestinos?

A Associação Palestina de Futebol, desde a assinatura do Acordo de Oslo, tem feito questão de usar o futebol como porta de entrada para justificar a cultura de normalização e rendição aos criminosos de guerra sionistas, em completa contradição com tudo o que é nacional palestino e em contravenção do suposto papel essencial do desporto como instrumento de difusão de valores nobres e elevados.

LEIA: A medalha da dignidade é mais valiosa do que o ouro olímpico

A entrada de times árabes para disputar com a seleção palestina, nas terras ocupadas da Palestina, com permissão e autorizações da entidade sionista, é apenas uma das formas de legitimar o relacionamento com essa entidade, e rolar a bola da normalização a terra da Palestina e através de seus estádios, e uma tentativa de derrubar todas as declarações palestinas e árabes que consideram que essa prática ignora a natureza da ocupação, matando mais de 700 atletas palestinos, prendendo e ferindo milhares de outros, fechando clubes esportivos palestinos e proibindo o movimento de equipes e atletas palestinos dentro da Palestina.

Um homem de segurança à frente de instituições esportivas.

O sistema esportivo palestino, representado pela Associação Palestina de Futebol, trabalhou durante anos para abrir as portas da normalização árabe com a entidade sionista pelo portão esportivo e anseia expandir sua aliança com ela. Busca mostrar isso como uma conquista nacional palestina, trazendo equipes e times árabes para entrar na terra palestina em coordenação com a entidade sionista, como se a coordenação de segurança praticada por alguns palestinos, e rejeitada pela esmagadora maioria do povo palestino, não é um desastre suficiente. Então, brechas são usadas para generalizar essa coordenação de segurança com a entidade em novas áreas árabes.

Jibril Rajoub,  conhecido entre os palestinos por denúncias de corrupção divulgadas em sites árabes e falta de conhecimento sobre  gestão esportiva, tornou-se chefe de todas as instituições esportivas e isso não foi do nada. Ele foi nomeado por Yasser Arafat como chefe do Serviço de Segurança Preventiva na Cisjordânia em meados da década de 1990 , período em que houve muita controvérsia sobre sua má gestão, corrupção e cooperação com as instituições de segurança da entidade sionista. Quando Mahmoud Abbas chegou ao comando da Autoridade Palestina, colocou-o à frente de todas as instituições esportivas, servindo para trazer o sistema esportivo palestino para a lama da normalização.

Com o passar dos anos, essas federações esportivas passaram de meros escritórios para excursões, turismo e viagens, e para ganhar dinheiro de forma barata, além da busca de ganhos pessoais estreitos.

Mas os sacrifícios dos heróis do esporte árabe e internacional, profissional e pessoalmente, que  comprometem a boicotar a entidade sionista são cada vez maiores do que se pode contar. As violações ao boicote esportivo e popular árabe e internacional à entidade sionista devem se deparar com a rejeição da massa e a resposta popular de todas as forças e partidos que apoiam a causa nacional palestina em qualquer lugar. É  seu deve perante o público palestino e árabe de preservar sua cultura, exercitar o boicote e se recusar a abandoná-lo.

LEIA: “O esporte é um privilégio e as pessoas não se dão conta”

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoBDSIsraelJordâniaOpiniãoOrganizações InternacionaisOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments