Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

A medalha da dignidade é mais valiosa do que o ouro olímpico

Judocas de Argélia e Sudão se retiram dos jogos olímpicos em boicote a Israel [Estádio Budokan vazio. [Divulgação/ Estádio Budokan]
Judocas de Argélia e Sudão se retiram dos jogos olímpicos em boicote a Israel [Estádio Budokan vazio. [Divulgação/ Estádio Budokan]

Reações continuam ocorrendo no mundo após a retirada dos jogadores árabes dos Jogos Olímpicos de Tóquio-Japão, pois o empate os derrubou contra jogadores da entidade sionista. As reações variaram entre concordar e apoiar esta decisão ousada, que é majoritária, que consideram rendição e normalização, e um adversário que adota o princípio de que não há relação entre esporte e política e não se deve confundir, são competições esportivas e nada têm a ver com o que acontece fora das competições.

Todos estão cientes de que participar das Olimpíadas é o maior sonho de todo atleta, tanto em jogos individuais quanto em equipes, e é aí que está a dificuldade de decidir, depois de anos de construção, cansaço, esforço, suor e muitos sacrifícios para alcançar. o maior evento esportivo que acontece uma vez a cada quatro anos, o evento onde os melhores atletas de todo o mundo se reúnem. Não há nada mais difícil do que a vida te colocar em um teste moral, um teste de sua humanidade, você tem o sonho que buscou e lutou por muitos anos para torná-lo realidade, e atrás de você está sua principal causa, que você precisa defender e não ser complacente. A causa pela qual muitos sacrificam suas vidas, por ser uma causa justa e uma questão de direito roubado. Isso é o que o judoca árabe argelino “Fethi Nourine” e o sudanês “Mohamed Abdalrasool” conquistaram. Eles provaram que a causa palestina continua a viver na consciência do povo árabe, ao contrário de governos que estão trabalhando para normalizar as relações com a entidade sionista, o que não é aceitável para todo árabe que considera a questão da Palestina como sua causa e que é seu dever apoiá-la. Mas a judoca saudita “Tahani Al-Qahtani” caiu na prova moral e humanitária e decidiu confrontar a jogadora da entidade sionista, que a expôs às críticas e ao desprezo da maioria dos árabes e daqueles que ainda rejeitam a normalização.

LEIA: Tóquio: único com chance de pódio, Fratus avança à semi dos 50m livre

Assim que anunciaram a desistência da competição, os dois jogadores argelino e sudanês  foram fortemente pressionados a recuar da decisão, especialmente pela Federação Internacional de Judô que congelou a sua participação nas competições do futuro. A resposta do jogador argelino veio de forma decisiva. Ele não hesitou, nem por um momento, em tomar a decisão de se retirar,  e acrescentou que foi uma decisão acertada que representou a Argélia e seu povo. Ele explicou que “chegar às Olimpíadas exige muito cansaço e sacrifício, mas a questão palestina é maior que tudo isso e minha desistência é o mínimo que ofereço para apoiar a causa palestina. Vale ressaltar que esta não foi a primeira vez que o campeão argelino “Fethi Nourine” desistiu de enfrentar um oponente da entidade sionista. Ele fez isso no Campeonato Mundial de Judô, também realizado em Tóquio, no Japão, em 2019.

Mas por que a ideia de jogadores árabes desistirem de enfrentar os jogadores dessa entidade sionista é importante e significativa? A resposta é simplesmente que essa entidade odeia o fato de ser vista como um pária e de ser tratada como uma ocupação colonial na região, uma entidade fora da lei. Retirar-se  do confronto com ela em qualquer campo, seja esportivo, político ou econômico, reforça o fato de que é rejeitada pelo povo árabe. Ao contrário, concordar com o confronto em qualquer uma das diferentes esferas da vida é uma tentativa de dizer a um colonizador ocupante que ele não ocupou, não se apossou,.não expulsou seus habitantes indígenas e ainda matou os que ficaram. O confronto significa que a causa da Palestina tem outros pontos de vista e significa que você aceita a ideia de sua ocupação. Então o povo árabe deve continuar a boicotar esta entidade que continua sendo um pária. O lutador que se retira tem muita honra, apreço e respeito pelo povo palestino.

Gratidão a “Fethi Nourine” e “Mohamed Abdalrasool” por apoiarem a causa árabe e palestina, desafiarem as sanções e congelamento pela Federação Internacional de Judô e arriscarem seu futuro esportivo. Mas estejam confiantes de que conquistaram os corações, o amor e o respeito de milhões do povo árabe. Os filhos da Palestina irão imitá-lo com medalhas de dignidade porque a medalha da dignidade é muito mais valiosa do que o ouro olímpico.

LEIA: Nas Olímpiadas, a indústria da morte israelense e o sportwashing

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ÁfricaArábia SauditaArgéliaÁsia & AméricasBrasilIsraelJapãoOpiniãoOriente MédioPalestinaSudãoTóquio
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments