Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

EUA não se importam com os uigures da China. Boicotam as Olimpíadas por guerra econômica global

Instalação iluminada do mascote dos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim 2022, Bing Dwen Dwen, e dos Jogos Paralímpicos de Inverno, Shuey Rhon Rhon, aparece no eixo central de Pequim em 22 de janeiro de 2022 em Pequim, China. Os Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim 2022 estão programados para começar em 4 de fevereiro [Lintao Zhang/Getty Images]

O boicote diplomático aos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de Inverno de Pequim pode entrar para a história como o início oficial da guerra fria entre os EUA, um punhado de seus aliados e a China. A estratégia americana, no entanto, de usar boicotes para pressionar Pequim em nome dos ‘direitos humanos’ pode custar caro no futuro.

Em 6 de dezembro, Washington declarou que não enviaria nenhuma representação diplomática para os Jogos Olímpicos de Inverno de 2022 em Pequim. Nos dias seguintes, o Reino Unido, Canadá e Austrália seguiram o exemplo.

A linha oficial americana afirma que os diplomatas dos EUA não participarão do evento em protesto contra os “abusos dos direitos humanos … em Xinjiang”. Essa afirmação pode ser facilmente refutada simplesmente lembrando que os EUA participaram dos Jogos Olímpicos de Pequim 2008.

Então, as denúncias de violações de direitos humanos na China dificilmente eram uma prioridade para os americanos, por uma única razão: a próspera economia chinesa foi a última linha de defesa que salvou a economia global do colapso total, ela própria resultado da má gestão do economia dos EUA e más práticas das maiores instituições bancárias da América.

A China foi, “desde o início da crise financeira global em 2008, um país que, mais do que qualquer outro, forneceu o ‘trabalho pesado’ para apoiar o crescimento econômico global”, escreveu Stephen King no Financial Times em agosto de 2015.

LEIA: Oriente Médio não tem ‘vácuo de poder’ e não há necessidade de ‘patriarca estrangeiro’, afirma ministro chinês

As coisas mudaram significativamente desde então. A China emergiu como uma potência econômica global, que está substituindo cada vez mais os EUA e seus aliados no cenário mundial. Desesperados para se recuperar de seus problemas econômicos – agravados por gastos militares sem impedimentos em guerras aparentemente intermináveis ​​– os EUA estão travando um tipo diferente de guerra contra a China. Essa guerra econômica, que começou no governo de Barack Obama em 2012 e se acelerou no governo de Donald Trump, continua sob o governo de Joe Biden.

No entanto, forçar um país do tamanho da China a comprometer seu crescimento econômico apenas para permitir que Washington sustente seu domínio global é mais fácil dizer do que fazer. Além disso, é totalmente injusto.

Usar um boicote esportivo para afirmar que Washington ainda tem muitas opções resultou no oposto. Apenas três outros países concordaram em aderir ao boicote diplomático americano, um número insignificante se comparado aos vinte países africanos que se abstiveram de participar dos Jogos de Verão de Montreal de 1976 em protesto pela participação neozelandesa. Este último foi criticado por validar o regime do apartheid sul-africano quando sua equipe de rugby havia viajado pela África do Sul naquele mesmo ano.

Anteriormente, nas Olimpíadas da Cidade do México de 1968, 38 países haviam se recusado a participar em protesto pela admissão da África do Sul nas Olimpíadas. Apesar da decisão inicial do Comitê Olímpico Internacional (COI) de permitir a participação sul-africana, a pressão internacional liderada por nações africanas conseguiu a expulsão do país do apartheid – que foi excluído do evento internacional até sua readmissão em 1992.

Os EUA e três dos seus aliados querem que acreditemos que o seu boicote diplomático é motivado por princípios, nomeadamente, embora não exclusivamente, a defesa dos muçulmanos uigures da China. Se fosse esse o caso, o que fazer com as guerras lideradas pelos EUA contra os países muçulmanos nas últimas duas décadas? Que tipo de padrões de direitos humanos Washington aplicou quando travou guerra contra o Afeganistão em 2001 e invadiu o Iraque em 2003? De forma reveladora, e ironicamente, os mesmos três países – Reino Unido, Canadá e Austrália – participaram ativamente das desventuras militares dos Estados Unidos que ceifaram inúmeras vidas de muçulmanos e destruíram países inteiros.

O fato de apenas três outros países terem aderido ao apelo americano para um boicote diplomático também ilustra o enfraquecimento do controle de Washington sobre assuntos internacionais. Vale a pena mencionar que a União Européia se recusou a se juntar aos EUA em sua mais recente intriga de política externa.

Por sua vez, a China criticou a posição de Washington, afirmando com razão, nas palavras de seu porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Zhao Lijian, que o boicote é motivado por “preconceito ideológico e baseado em mentiras e rumores”.

LEIA: Mundo islâmico deve fazer mais para ajudar os uigures perseguidos por Pequim

Historicamente, os eventos esportivos internacionais foram politizados de duas maneiras diferentes: primeiro, boicotes moralmente orientados com base em uma agenda ética, como o boicote ao apartheid sul-africano e assim por diante; e segundo, boicotes puramente políticos que são instituídos para servir a uma agenda política ou para isolar os países anfitriões como forma de pressão econômica. Um exemplo deste último foi o boicote liderado pelos EUA aos Jogos Olímpicos de Verão de Moscou de 1980, pelo qual a União Soviética e seus aliados retaliaram boicotando os Jogos Olímpicos de Verão de Los Angeles de 1984.

O boicote diplomático americano às próximas Olimpíadas chinesas é um exemplo de boicote com motivação política. O fato de ser apenas um boicote diplomático, em oposição a um boicote completo, é provavelmente motivado pelos temores de Washington de que um boicote completo serviria apenas para ilustrar seu próprio isolamento na arena internacional.

Tendo em mente as divisões globais existentes e a necessidade de unidade internacional para enfrentar crises coletivas – como a do meio ambiente, pandemias mortais, entre outras – voltar a uma nova guerra fria não servirá para nada, além de prejudicar milhões de pessoas ao redor o mundo sem culpa própria. O que é necessário é o diálogo, que visa proporcionar oportunidades equitativas para que todas as nações cresçam e prosperem.

Dito isto, a era da hegemonia global está chegando ao fim e nenhuma quantidade de boicotes egoístas ou guerras comerciais alterará esse fato inevitável.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoÁsia & AméricasChinaEstados UnidosOpinião
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments