Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Por que os cristãos do Egito apoiam Sisi?

O presidente egípcio Abdel Fattah al-Sisi (dir.) durante a cerimônia de abertura da nova Catedral Copta no Cairo, Egito, em 6 de janeiro de 2018 [Presidência Egípcia /Folder - Agência Anadolu]

Não há dúvida de que a grande maioria dos cidadãos cristãos do Egito apoia o presidente Abdel Fattah Al-Sisi e seu regime. Eles foram os primeiros a apoiar Sisi para realizar o golpe militar de 2013 e os primeiros a apoiá-lo quando ocorreu. A esmagadora maioria manteve esse apoio, enquanto muitos dos muçulmanos que apoiaram Sisi e seu golpe militar mudaram de posição, com alguns agora criticando e se opondo a ele.

Por que os cristãos do Egito apoiam Sisi? Eles são uma minoria e, como qualquer minoria religiosa, étnica, nacional ou outra, eles acreditam que é de seu interesse coletivo não se opor  ao governante do país. Não por amor a Sisi, neste caso, mas por uma busca comunal de proteção da maioria dominante, que pode perseguir a minoria ou já o está fazendo.

Mesmo que esse governante seja um ditador que tiraniza toda a população sem distinção, é melhor que uma minoria demonstre obediência sem criticá-lo ou a suas políticas. Isso permitirá viver em relativa paz e segurança, mesmo quando o governante tiraniza todos os outros.

LEIA: No Egito, regime troca cidadania por liberdade

Os cristãos no Egito temem o islamismo político. Quando a Irmandade Muçulmana conquistou a maioria no parlamento e, em seguida, Mohamed Morsi venceu a eleição presidencial em 2012, os cristãos acreditaram no alarmismo da mídia tendenciosa e temeram o pior. Eles estavam prontos para acreditar que a Irmandade trataria os cristãos como cidadãos de segunda classe e imporia a “jizya” (tributo) sobre eles; aplicariam as leis de herança islâmicas em todas as comunidades; fechariam ou demoliriam igrejas; e impediriam  o estudo do cristianismo nas escolas. Espalharam-se rumores de que meninas cristãs seriam forçadas a se casar com homens muçulmanos, e até seriam sequestradas para convertê-las ao islamismo à força. Além disso, temiam que fossem lançados nas ruas grupos de “Promoção da Virtude e Prevenção do Vício” para espancar ou prender mulheres muçulmanas sem véu e mulheres não muçulmanas vestidas sem recato. Tais eram as alegações anti-Fraternidade.

À eqsuerda, o Papa copta egípcio Tawadros, Papa de Alexandria e Patriarca do Episcopado de São Marcos, recebe o presidente Egípcio Abdel Fattah al-Sisi (dir.), durante a cerimônia de abertura da nova Catedral Copta no Cairo, Egito, em 6 de janeiro de 2018 [ Presidência Egípcia / Apostila – Agência Anadolu]

Não é de admirar, então, que os temores cristãos fossem alimentados. Era quase natural, portanto, que os cristãos no Egito estivessem entre os oponentes de Morsi e apoiadores do golpe contra ele.

Não nego que existam extremistas que incitam o ódio contra os cristãos; fazê-lo seria negar a realidade. Dê uma olhada nas mídias sociais e você verá que há muitos que ainda estão discutindo questões controversas que foram levantadas 1400 anos atrás e o advento do Islã, sobre o cristianismo, a natureza de Jesus (que a paz esteja com ele), feriados religiosos cristãos e celebrações, e sobre a permissibilidade ou não de felicitar os cristãos em tais momentos.

Aqueles que tentam provar o erro da fé cristã e acusam seus seguidores de serem mal orientados dificilmente mudarão a adesão dos cristãos ao cristianismo; nem são propensos a convertê-los ao Islã. Eles estão, de fato, simplesmente dizendo aos cristãos que alguns muçulmanos os odeiam e confirmando, em suas mentes, a perseguição de que alegam sofrer.

LEIA: Fora Sisi!

No entanto, embora os cristãos sejam uma minoria no Egito, liderados pela Igreja Copta, eles têm uma voz forte no Ocidente, especialmente no que diz respeito à perseguição religiosa, real ou imaginária, atual ou histórica. Os pedidos de asilo na Europa ou nos EUA geralmente são aceitos automaticamente quando o solicitante de asilo é um cristão egípcio e não um muçulmano.

A voz cristã é ouvida pelos políticos ocidentais que, por sua vez, fazem Sisi buscar o apoio dos cristãos do Egito e da forte Igreja Ortodoxa em casa e no exterior. Ele precisa convencer o Ocidente de que protege as minorias religiosas no Egito para que a ajuda ocidental continue a fluir para seus cofres. Como resultado, a relação entre o regime e os cidadãos cristãos fica mais forte porque é de benefício mútuo.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ÁfricaArtigoEgitoOpinião
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments