Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

No Egito, regime troca cidadania por liberdade

Passaporte egípcio [Visto de investidor/Facebook]

Após ser forçado a desistir de sua cidadania egípcia, Ramy Shaath foi libertado pelo regime do presidente Abdel Fattah Al-Sisi. O ativista do movimento Boicote, Desinvestimento e Sanções (BDS) passou dois anos e meio em prisão preventiva e agora foi deportado para a Jordânia.

Ao forçar Shaath a desistir de sua cidadania como condição para sua libertação, o regime queria retratá-lo como um estrangeiro que, portanto, não tinha o direito de falar sobre o Egito. O regime claramente não entende que a filiação nacional não precisa de um documento emitido pelos dirigentes do Sisi para torná-lo válido; nem pode ser retirado rasgando tal documento.

Rami Shaath é filho de Nabil Shaath, ex-ministro das Relações Exteriores palestino e atual conselheiro do presidente Mahmoud Abbas. Ele nasceu em 1971 de uma mãe egípcia. Seu pai tem dupla cidadania palestino-egípcia, tendo trabalhado como conselheiro do presidente, Gamal Abdel Nasser.

Antes de abandonar sua carreira política devido ao seu trabalho, Rami Shaath era muito ativo. Ele trabalhou como conselheiro do então presidente palestino Yasser Arafat no final dos anos noventa.

LEIA: A França ignora as violações dos direitos humanos e investe no Egito

Ele e seu falecido irmão Ali fundaram a TIM, uma empresa especializada em prestação de serviços, consultoria de gestão e treinamento em gestão. Ficou conhecido no início dos anos 90 por organizar acampamentos de informática para crianças de vários países árabes.

Shaath voltou à política após a revolução de 25 de janeiro de 2011 no Egito. Ele ajudou a fundar vários movimentos políticos e coalizões, e serviu como secretário-geral do Partido da Constituição antes de seu estabelecimento oficial. Em 2015, ele cofundou a Campanha Popular Egípcia para Boicotar Israel no Egito (BDS Egypt), uma coalizão nacional lançada por cerca de uma dúzia de partidos políticos, sindicatos, ONGs e figuras públicas para defender os direitos palestinos e atingir o estado de ocupação por meio do meio de boicotes pacíficos.

Quando o “acordo do século” de Donald Trump foi debatido para os palestinos – que visavam liquidar sua causa sem lhes dar seus direitos legítimos –, Shaath anunciou sua total rejeição a ele. Ele criticou a participação do Egito no workshop do Bahrein em junho de 2019, que se concentrou no aspecto econômico do acordo proposto.

Prisões de Egypt Sisi [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

Prisões de Egypt Sisi [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

Algumas semanas depois, policiais invadiram a casa de Ramy Shaath no Cairo e o prenderam. Sua esposa francesa, Celine Lebrun, foi deportada arbitrariamente para seu país; ela não teve permissão para entrar em contato com o consulado francês antes de partir.

A prisão foi justificada sob o Caso nº 930 da Suprema Segurança do Estado de 2019, conhecido na mídia como o caso “Célula da Esperança”. Isso fez com que muitos ativistas da sociedade civil fossem presos no Egito no contexto de reuniões realizadas para coordenar sua participação nas eleições parlamentares de 2020.

Shaath foi acusado de ter cometido os “crimes” de se juntar a grupos ilegais, impedir instituições estatais e autoridades públicas de realizar seu trabalho e disseminar deliberadamente notícias falsas, informações e declarações sobre as condições políticas e econômicas no Egito. As autoridades colocaram seu nome na lista de “terroristas”, confiscaram seus bens e o proibiram de viajar.

Desde sua prisão em julho de 2019, ele está detido sem julgamento. Muitos tentaram mediar sua libertação, incluindo o presidente palestino Abbas e o presidente francês Emmanuel Macron, que pediu a Sisi que o libertasse durante a visita do líder egípcio a Paris em dezembro de 2020.

Seis meses atrás, como parte da campanha para polir a imagem do regime no exterior, prometendo resolver questões de direitos humanos e conceder liberdades civis e políticas, a Agência de Segurança Nacional (NSA, na sigla em inglês) – o aparato de segurança política do regime – assumiu o arquivo de Shaath. Seu caso foi mediado pelo Grupo de Diálogo Internacional, que se apresenta como negociador com muitas das agências estatais que recentemente libertaram detidos em prisão preventiva para mitigar as críticas internacionais dirigidas ao regime de Sisi.

A NSA estipulou que Shaath deveria renunciar à sua cidadania egípcia se quisesse ser libertado. Ele recusou. As negociações continuaram por seis meses até que ele aceitou que essa seria a única maneira de sair da prisão.

Forçar prisioneiros com dupla nacionalidade a renunciar à cidadania egípcia como pré-condição para sua libertação é uma prática comum do regime. É suposto estigmatizá-los por falta de patriotismo. Em vez disso, estigmatiza o regime por sua falta de honra.

O regime de Sisi acredita que o patriotismo é uma carta que pode tirar de quem quiser e dar a quem quiser. Por exemplo, o egípcio-americano Mohamed Soltan, filho de Salah Soltan, um alto funcionário da Irmandade Muçulmana, foi preso após o golpe de 2013 e condenado à prisão perpétua. Ele só foi libertado sob pressão americana depois que renunciou à sua cidadania egípcia. Ele parou de se importar com o Egito depois que sua cidadania foi tirada dele?

LEIA: Prisioneiros políticos do Egito têm pão e frutas negados

Longe disso; aconteceu o contrário. Desde sua libertação, Soltan tem defendido os direitos humanos no Egito de sua casa nos Estados Unidos, onde fundou a “Iniciativa da Liberdade” para proteger os direitos humanos no mundo árabe. Ele se reúne periodicamente com membros do Congresso dos EUA para esclarecer a natureza das violações de direitos no Egito.

“Após dois anos e meio, ainda tenho a determinação e a intenção de continuar, aconteça o que acontecer”, insistiu Rami Shaath após sua libertação da prisão. “Tenho milhares de amigos de quem me lembro, milhares de pessoas com quem fiz amizade ao longo de dois anos e meio; lembro-me de todos. Muitos deles se tornaram amigos íntimos, muitos deles esperam estar no meu lugar um dia. Cada um deles é um ser humano e não apenas um dos muitos milhares de prisioneiros egípcios.”

Shaath e Soltan continuarão sendo símbolos para aqueles que defendem os direitos civis e humanos e as liberdades no Egito sem que o cartão de nacionalidade seja usado contra eles. O regime de Sisi permanece desonroso quando o povo egípcio escolhe entre sua nacionalidade e sua liberdade.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ÁfricaArtigoEgitoOpinião
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments