Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Netanyahu discute delação premiada em julgamento por corrupção em Israel

O então primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu discursa durante uma reunião de seu partido, Likud, em Tel Aviv, em 6 de maio de 2012 [Jack Guez/AFP via Getty Images]

O ex-primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu está negociando uma delação premiada para encerrar seu julgamento por corrupção, disse uma fonte informada sobre o assunto no domingo, mas as negociações foram interrompidas por uma condição que o afastaria da política, informou a Reuters.

Netanyahu, que perdeu o poder em junho, após 12 anos consecutivos como primeiro-ministro, e agora é líder da oposição, se declarou inocente das acusações de suborno, quebra de confiança e fraude em três casos pelos quais foi indiciado em 2019. Todos estão sendo julgados juntamente.

A fonte disse que Netanyahu, de 72 anos, estava discutindo um acordo com o procurador-geral Avichai Mandelblit, sob o qual ele se declararia culpado de acusações reduzidas e teria qualquer pena de prisão resultante comutada para serviço comunitário.

Contudo, as negociações atingiram um obstáculo sobre a exigência de Netanyahu de ser poupado de uma condenação com uma cláusula de “torpeza moral”, que sob a lei israelense o forçaria a deixar a política por anos, disse a fonte, falando à Reuters em condição de anonimato.

LEIA: Segundo Trump, Netanyahu nunca quis a paz com os palestinos

Netanyahu está envolvido em quatro escândalos políticos: Caso 1000, que envolve alegações de que o primeiro-ministro e sua esposa aceitaram presentes ilegais de empresários; Caso 2000, que acusa Netanyahu de tentar comprar cobertura jornalística favorável; Caso 3000, também conhecido como “escândalo submarino”, que teria visto Israel comprar navios e submarinos de uma empresa alemã com milhões de shekels supostamente “passados” do topo dos negócios para lucro pessoal; e Caso 4000, no qual um colaborador próximo de Netanyahu é suspeito de fornecer informações confidenciais à maior empresa de telecomunicações de Israel.

A Procuradoria do Estado não quis comentar. Um advogado de Netanyahu, que negou todas as irregularidades e acusou os promotores de uma caça às bruxas politicamente motivada, não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

Netanyahu prometeu destituir seu sucessor, Naftali Bennett, um nacionalista formado por uma coalizão de partidos altamente diversos.

O Likud não conseguiu formar um novo governo no ano passado, em parte porque partidos afins se recusaram a se juntar a Netanyahu, citando o julgamento em andamento.

LEIA: Família de Netanyahu não receberá mais segurança de estado, determina Israel

Com seus problemas legais para trás, Netanyahu pode, em teoria, ser capaz de reunir uma ampla nova coalizão de direita. Se ele fosse barrado da política, membros de direita da coalizão de Bennett poderiam optar por formar um novo governo com um partido Likud sob nova liderança.

A ideia de uma barganha foi promovida por um ex-presidente da Suprema Corte, Aharon Barak.

Ele disse à rádio Kan que isso aliviaria a pressão sobre o sistema de justiça, que passou anos se defendendo contra alegações de partidários de Netanyahu de que estava sendo negado o devido processo.

Um porta-voz do partido conservador Likud disse que não sabia de nenhuma dessas negociações.

Categorias
IsraelNotíciaOriente Médio
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments