Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

A França ignora as violações dos direitos humanos e investe no Egito

Logotipo da Alstom em foto tirada em 6 de setembro de 2021 [Francois Lo Presti / AFP via Getty Images]
Logotipo da Alstom em foto tirada em 6 de setembro de 2021 [Francois Lo Presti / AFP via Getty Images]

Esta semana, a fabricante francesa de trens Alstom anunciou que havia garantido um acordo de US$ 1 bilhão para atualizar a linha de metrô mais antiga do Cairo.

Segue um contrato assinado pela mesma empresa em 2019, para projetar, implantar e operar duas linhas de monotrilho entre a nova capital e o leste do Cairo, e outra entre a cidade de 6 de outubro e Gizé, a um custo de US$ 2,7 bilhões.

A notícia da vitória da Alstom chega no momento em que a empresa francesa de beleza L’Oreal afirma que está se expandindo no mercado egípcio e planeja investir US$ 50 milhões em sua fábrica em 10th do Ramadã, uma cidade nos arredores do Cairo.

A França e o Egito não escondem o fato de que são parceiros econômicos estratégicos. Durante uma recente visita a Paris, o primeiro-ministro egípcio, Mostafa Madbouly, pediu às empresas francesas que aumentassem os investimentos no Egito.

Em maio, o presidente egípcio Abdel Fattah Al-Sisi se reuniu com o ministro francês da Economia e Finanças, Bruno Le Maire, e discutiu as perspectivas de maximizar o investimento da França no Egito.

Cerca de 160 empresas francesas operam no mercado egípcio em uma variedade de campos diferentes. De acordo com a imprensa estatal egípcia, o volume de investimentos da França no Egito ultrapassa US$ 5,8 bilhões e o volume de comércio entre eles chega a US$ 3,5 bilhões anuais.

No passado, grupos de direitos humanos pediram à França que colocasse os direitos humanos no centro de seu relacionamento com o Egito e acusaram o presidente Emmanuel Macron de marginalizar o Estado de Direito em favor da construção de laços econômicos.

Os anúncios da Alstom e da L’Oreal ocorrem no momento em que o advogado Ahmed Helmy foi preso no Egito e acusado de insultar o judiciário depois de pedir evidências sólidas para apoiar uma investigação sobre sua cliente, uma prisioneira política que está sendo investigada por acusações de terrorismo.

Tawqa Abdel Basser Abdullah está detida na prisão feminina de Al-Qanater, onde reclusas reclamaram de terem sido torturadas e sujeitas a abusos físicos e sexuais. Nos últimos anos, vários advogados de direitos humanos no Egito foram presos enquanto defendiam presos políticos, em violação dos procedimentos de julgamento justo para prisioneiros como Tawqa.

LEIA: O povo vs. COP26: nosso destino está em nossas mãos

Em 2019, a França vendeu mais de US$ 1 bilhão em armas para o Egito. Em uma declaração conjunta no ano seguinte, a Human Rights Watch (HRW) e 17 outras organizações disseram que “a diplomacia francesa há muito condescende com a repressão brutal do presidente Sisi a qualquer forma de dissidência”.

A carta foi publicada antes de uma visita de Al-Sisi à França, mas fez pouca diferença. Quando confrontado com o assunto, Macron disse que não forçaria o tema dos direitos humanos, tendo no passado chamado Al-Sisi de amigo.

Macron também reiterou que acredita que Al-Sisi é vital para a segurança regional e que, com base nisso, adotar uma linha mais dura seria contraproducente na luta contra o terrorismo. “Não condicionarei as questões de defesa e cooperação econômica a essas divergências sobre direitos humanos”, disse Macron.

Al-Sisi acrescentou: “Você não pode apresentar o Estado do Egito, com tudo o que ele fez por seu povo e pela estabilidade na região, como uma ditadura.”

Prisões de Sisi - charge [Sabaaneh/ Monitor do Oriente Médio]

Prisões de Sisi – charge [Sabaaneh/ Monitor do Oriente Médio]

Entre os 65.000 prisioneiros políticos do Egito está o egípcio-palestino Ramy Shaath, que foi preso em 2019 por seus laços com a Coalition of Hope, uma aliança política formada por líderes jovens, políticos e jornalistas que planejavam concorrer às eleições parlamentares de 2020.

Quem lidera os esforços para sua libertação é sua esposa, Celine Lebrun Shaath, que é francesa. Embora Macron tenha levantado seu caso na coletiva de imprensa do ano passado com Al-Sisi, Celine disse que ficou desapontada ao descobrir que a França parou de falar e não condicionou sua parceria estratégica aos direitos humanos.

Em agosto deste ano, o fabricante egípcio de navalhas Lord International demitiu 84 trabalhadores em uma semana depois que eles participaram de uma greve reivindicando aumentos salariais e os alertou que novos protestos levariam a medidas punitivas mais severas.

Um mês antes, a Confederação Internacional do Comércio listou o Egito como um dos dez piores países para trabalhadores no mundo. Os sindicatos de trabalhadores independentes são proibidos e as manifestações são anuladas antes de começarem.

Ao escolher despejar dinheiro no Egito, empresas como L’Oreal e Alstom simplesmente fecham os olhos para a forma como o governo egípcio trata seus trabalhadores.

LEIA: Israel e Líbia estudam construir laços

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ÁfricaEgitoEuropa & RússiaFrançaHRWOpiniãoOrganizações Internacionais
Show Comments
Show Comments