Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Hezbollah exige que Arábia Saudita pare de interferir no Líbano

O chefe do Conselho Executivo do Hezbollah, Hashem Safieddine, participa de um comício para marcar o 11º aniversário do fim da guerra de 2006 com Israel, na vila de Khiam, no sul do Líbano, em 13 de agosto de 2017 [Mahmoud Zayyat/AFP via Getty Images]

O chefe da Assembleia Executiva do Hezbollah, Hashem Safieddine, exigiu na quarta-feira que a Arábia Saudita pare o que ele descreveu como sua “hegemonia” sobre o povo libanês e “interferência flagrante” em seus assuntos.

“O que é exigido [da Arábia Saudita] é não interferir nas classificações do povo libanês e incitá-los uns contra os outros”, disse Safieddine em uma reunião do partido perto de Beirute. “Dizemos aos Estados Unidos, à Arábia Saudita e às suas armas no Líbano: vocês não conhecem a força dessa resistência, pois é capaz de alcançar uma pátria soberana, livre e independente sem qualquer dependência do exterior.”

O dirigente do Hezbollah manifestou o apoio do partido à oposição na Península Arábica, desejando-lhe uma “vida digna, porque merece”.

A reunião dirigida por Safieddine foi organizada pelo Hezbollah para lembrar o sexto aniversário da execução do dissidente saudita sheikh Nimr Baqir Al-Nimr. O clérigo xiita liderou protestos no leste da Arábia Saudita no início dos anos 2000, mas foi executado por Riad junto com outras 46 pessoas em janeiro de 2016 por “incendiar conflitos sectários” ou “pertencer a organizações terroristas”.

LEIA: Hezbollah libanês ‘ameaça a segurança árabe’, afirma enviado saudita

Os comentários de Safieddine aumentam a tensão recente entre os sauditas e o partido libanês. No final de dezembro, o rei Salman Bin Abdulaziz exortou os líderes libaneses a “parar a hegemonia do terrorista Hezbollah”. O embaixador do Reino no Líbano, Walid Bukhari, acusou o Hezbollah na quinta-feira passada de ser uma ameaça à segurança nacional árabe.

Respondendo às declarações do rei Salman, o Secretário-Geral do Hezbollah, Hassan Nasrallah, disse: “O problema da Arábia Saudita no Líbano está com aqueles que derrotaram seu projeto na região e impediram transformar o Líbano em um emirado saudita”.

O governo libanês se distanciou do Hezbollah, dizendo que as declarações do grupo não representam sua posição.

Categorias
Arábia SauditaLíbanoNotíciaOriente Médio
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments