Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Um milhão de assinaturas impedirá a homenagem a um criminoso de guerra?

Tony Blair, ex-primeiro-ministro do Reino Unido, em Cingapura, em 18 de novembro de 2021 [Wei Leng Tay/Bloomberg via Getty Images]

O líder trabalhista Sir Keir Starmer diz que Blair merece o título de cavaleiro, o título de “Sir” concedido a ele pela rainha, a maior honraria do Reino Unido, por “tornar a Grã-Bretanha um país melhor”. Por outro lado, mais de um milhão de cidadãos britânicos (incluindo os de origem árabe e muçulmana) assinaram uma petição exigindo a retirada dessa honra pela rainha, dizendo que ele é um “criminoso de guerra”.

Vários jornais publicaram manchetes como “Honra Tony Blair?! Ele deveria ser julgado por desastre no Iraque”, como o jornal britânico The Sun. A organização britânica Stop the War, que é mais famosa por sua oposição à política externa de guerra e expansão imperial do governo britânico, desde que os Estados Unidos declararam uma “guerra ao terror” e invadiram o Afeganistão e o Iraque, está pedindo às pessoas que protestem contra a honra.

O que todos sabemos é que, apesar do clamor global contra a guerra, e apesar da participação de dois milhões de cidadãos britânicos na maior marcha de protesto que a Grã-Bretanha já viu, a primeira do tipo em que as pessoas se manifestaram contra uma guerra antes que ela fosse travada, Blair optou por ignorar os manifestantes e iniciar a guerra. Foi travada com acusações fabricadas, que foram expostas ao público após a invasão, e para solidificar a posição anglo-americana em terras e recursos iraquianos, a destruição do Estado e a neutralização da posição iraquiana de princípios sobre a Palestina. Isso nos coloca diante de questões importantes sobre a importância de iniciativas populares para pressionar governos ou partidos influentes a mudar sua política em relação a um determinado assunto. Os peticionários conseguirão agora pressionar o primeiro-ministro, um conservador, para tentar persuadir a rainha a retirar sua honra para Tony Blair? Quantos cidadãos precisam assinar a petição para que sua voz tenha um impacto real? Existe alguma esperança de mudar a decisão real? Se isso não acontecer, nos deparamos com a questão mais importante: para que serve assinar petições?

Pessoas assinam petição pedindo que Tony Blair seja destituído de seu título de cavaleiro por seus crimes no Iraque e no Afeganistão [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

Parece impossível pressionar a rainha a mudar sua decisão de homenagear Blair, pois tem a ver principalmente com a tradição real britânica de que os primeiros-ministros anteriores recebem um título de cavaleiro, independentemente de seu partido ou de sua política interna ou externa. Em vez disso, o sucesso do primeiro-ministro e de seu governo é frequentemente medido pela política externa baseada no bem-estar econômico do país. Existe algo mais lucrativo do que indústrias relacionadas a guerras e a apropriação de recursos de países devastados por guerras e conflitos, de todos os tipos, que foi o que Blair conseguiu?

A partir dessa perspectiva expansionista imperialista, não é razoável que a rainha retire a honra, sobretudo porque isso significaria necessariamente admitir ou, pelo menos, processar Tony Blair como criminoso de guerra, porque ele decidiu lançar uma guerra que prejudicou a própria Grã-Bretanha, não o Iraque. Também é difícil provar que ele prejudicou a Grã-Bretanha como país, porque o povo britânico o reelegeu no período que se seguiu à invasão e ocupação do Iraque, numa época em que os exércitos de ocupação recebiam golpes da resistência iraquiana. Isso pode ser traduzido, no terreno, como Tony Blair conseguiu atrair sentimentos “patrióticos” para defender os soldados britânicos defendendo “valores democráticos” e protegendo a Grã-Bretanha de uma ameaça que o atingiria em 45 minutos, como Blair colocou.

LEIA: Blair ordenou queimar documento que previa ilegalidade da guerra no Iraque, confirma ministro

O relatório de Lord Chilcot sobre a guerra do Iraque, após sete anos de investigação, chegou a conclusões que questionaram a credibilidade das alegações de Blair, especialmente sobre a ameaça ao povo britânico, mas ele parou por aqui e não foi além disso para que Blair não fosse levado a julgamento por sua contribuição para travar uma guerra que causou a morte de um milhão de iraquianos e 179 soldados britânicos, e levou ao estabelecimento do Estado Islâmico e à perpetuação da violência contínua no Iraque hoje. Entre as conclusões do relatório, está que o presidente iraquiano não representava uma ameaça imediata aos interesses britânicos no momento da invasão do Iraque em 2003, a inteligência não provou, sem dúvida, a existência de armas de destruição em massa, e havia alternativas à guerra que não tinha sido totalmente considerada, causando a morte de soldados britânicos e centenas de milhares de iraquianos.

Por que, então, Tony Blair não é julgado como criminoso de guerra, ou pelo menos por que sua honra real não é retirada? Em resposta à segunda pergunta, que também vale para a primeira, o jornalista e apresentador britânico Jeremy Clarkson diz que, enquanto um milhão de pessoas assinaram uma petição para exigir a retirada da Medalha de Honra de Blair em um país com população total de 70 milhões, 69 milhões não o fizeram, embora assinar a petição eletronicamente não exija esforço. Em outras palavras: ou eles não querem ou não se importam com a questão toda. Clarkson explica que a única maneira realista de impedir Blair de receber a honraria é realizar um referendo formal sobre o assunto, mas após o desastre da saída do Reino Unido da União Europeia, não há sinal de que isso aconteça.

Essa sensação preconcebida de fracasso nos leva a não participar de nenhuma iniciativa coletiva de mudança? Há sucessos, embora poucos, que refutam a “predestinação” do fracasso. Em 10 de outubro de 1998, por exemplo, o ditador chileno Pinochet foi preso sob a acusação de “genocídio e terrorismo que inclui assassinato” durante sua visita a Londres, em particular, de acordo com um mandado de prisão que ativistas de direitos humanos conseguiram ativar. Eles aproveitaram o princípio da autoridade judicial universal, que permite que os países processem casos envolvendo atos de tortura, genocídio e outros crimes contra a humanidade, independentemente de onde o crime foi cometido e independentemente da nacionalidade dos autores desses crimes ou das nacionalidades de suas vítimas. Em outubro de 2009, Moshe Ya’alon, vice-primeiro-ministro de Israel, cancelou uma viagem à Grã-Bretanha por medo de ser preso por crimes de guerra cometidos contra os palestinos. Em janeiro de 2010, a ex-ministra israelense Tzipi Livni cancelou sua visita à Grã-Bretanha depois que um mandado de prisão foi emitido contra ela. Sabe-se que Tony Blair não se atreve mais a andar pelas ruas de seu país natal, a Grã-Bretanha, para evitar a ira do povo e, quem sabe, com a mudança no equilíbrio do poder global e local, um persistente iraquiano-britânico direitos humanos pode ser capaz de levá-lo a julgamento, em um futuro próximo, como um criminoso de guerra, qualquer que seja seu título.

LEIA: O “momento Suez” da América: Outro erro estratégico seria seu último

Este artigo apareceu pela primeira vez em árabe em Al-Quds Al-Arabi em 10 de janeiro de 2022.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
AfeganistãoArtigoÁsia & AméricasEstados UnidosEuropa & RússiaIraqueOpiniãoOriente MédioReino Unido
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments