Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

O que está por trás do acordo para libertar o grevista de fome Hisham Abu Hawash?

Palestinos em Gaza solidarizam-se com o grevista de fome Hisham Abu Hawash, em 5 de janeiro de 2022 [Mohammed Asad/Monitor do Oriente Médio]

Depois de 141 dias em greve de fome em uma prisão israelense, o prisioneiro palestino Hisham Abu Hawash chegou a um acordo com as autoridades de ocupação de que sua detenção administrativa terminará em 26 de fevereiro. A Comissão de Assuntos de Detidos e Ex-Detidos anunciou o acordo entre Abu Hawash e as autoridades de ocupação israelenses, mas disse o que levou ao acordo ou quem desempenhou um papel nele.

A Sociedade de Prisioneiros Palestinos (PPS, na sigla em inglês) informou que a greve de fome e o acordo destacaram a questão dos prisioneiros detidos por Israel. “A luta de Abu Hawash trouxe a questão dos prisioneiros, especificamente a questão da detenção administrativa, de volta ao primeiro plano, apesar de todos os desafios”, disse a sociedade.

Pai de cinco filhos, Abu Hawash, 40, é de Dura, ao sul de Hebron, na Cisjordânia ocupada. Ele foi detido em 27 de outubro de 2020 e imediatamente colocado sob prisão administrativa por seis meses. Não enfrentando acusações nem julgamento, sua ordem de detenção foi renovada várias vezes, o que o levou a fazer uma greve de fome por tempo indeterminado em protesto.

O fato mais importante em seu caso é que as autoridades israelenses concordaram com sua libertação contra sua vontade. Nem os políticos nem os militares queriam que ele fosse libertado. Eles esperaram que ele encerrasse seu protesto, mas quando seu estado de saúde se deteriorou gravemente e ele estava prestes a morrer, eles aceitaram que ele preferia a morte à detenção administrativa. Então, por que Israel simplesmente não o deixou morrer?

Palestinos em greve de fome em prisões israelenses [CarlosLatuff]

A agência de notícias palestina Wafa informou que as autoridades israelenses sofreram forte pressão da Autoridade Palestina para libertar Abu Hawash. O presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, e o chefe do Serviço de Inteligência Geral, Majed Faraj, teriam feito intensas representações aos israelenses por sua libertação.

No entanto, jornalistas israelenses contestam isso. Embora a Autoridade Palestina deva ter desempenhado um papel importante na libertação de Abu Hawash da prisão, duvido que tenha. A prova disso é a própria detenção da AP de Ziad Al-Kilani, um palestino de Jenin que foi libertado recentemente por Israel. Com suas próprias prisões cheias de presos políticos palestinos, muitos deles ex-prisioneiros de israelenses, por que Abbas e Faraj deveriam buscar a libertação de Abu Hawash?

Comentando sobre os relatórios sobre o envolvimento de Abbas no acordo para libertar Abu Hawash, o ex-grevista da Cisjordânia, sheikh Khader Adnan, disse: “Se a pressão política da AP for eficaz, deve buscar a libertação de Marwan Al-Barghouti ou do grevista de fome Naser Abu Hamaid, que está à beira da morte. “Adnan acrescentou que, se a AP é capaz de fazer qualquer coisa, deve pelo menos pressionar Israel a acabar com o isolamento dos prisioneiros palestinos na prisão de Al-Ramla.

LEIA: Prisioneiro palestino termina sua greve de fome de 141 dias após Israel concordar com sua libertação

Imediatamente após o anúncio do acordo entre Abu Hawash e as autoridades de ocupação israelenses, o Times of Israel relatou que sua maratona de greve de fome atraiu intenso interesse dos palestinos, bem como pressão internacional sobre Israel. O porta-voz da ONU, Stephane Dujarric, saudou o acordo e disse: “Sempre deixamos claro que os detidos devem ser julgados de acordo com os procedimentos legais ou libertados”.

Israel não queria libertar Abu Hawash precisamente, porque agora ficará sob mais pressão para libertar prisioneiros detidos sem julgamento sob o arcaico sistema de detenção administrativa. Além disso, o governo será condenado por israelenses de extrema direita por ceder sob a pressão de “terroristas”. Ao ouvir sobre o acordo, um membro extremista do parlamento israelense, Itamar Ben-Gvir, invadiu o hospital onde Abu Hawash está detido e tentou atacá-lo.

A resistência palestina não afirmou ter pressionado Israel para que libertasse o grevista, mas elogiou sua paciência e resistência. No entanto, a mídia israelense revelou que a pressão da resistência palestina em Gaza levou Israel a prometer encerrar sua detenção administrativa.

A emissora pública israelense Kan informou que as ameaças de Gaza levaram o Ministério Público a concordar com a libertação de Abu Hawash em 26 de fevereiro. De acordo com o jornalista israelense Gal Berger, da Kan, “a libertação de Abu Hawash reiterou a conexão entre Gaza e Cisjordânia”

Baruch Yedid, do Canal 14, me disse que não há dúvidas de que as ameaças de Gaza tiveram um papel na libertação do grevista. “Atualmente, Israel não quer um confronto. Não quer um confronto com o Hamas.” Ele confirmou que muitos meios de comunicação israelenses de direita estão usando esse incidente para atacar o governo.

LEIA: 2022 será o ‘Ano dos Prisioneiros Palestinos’?

O respeitado colunista Gideon Levy, do Haaretz, me disse que Israel não queria que Abu Hawash morresse. “Eles sabem que isso causaria mais agitação na Cisjordânia e foguetes de Gaza”, explicou ele.

O governo israelense, disse Meron Rapoport, da revista +972, reiterou para mim que Israel não queria um prisioneiro morto. “Parece que a libertação de Abu Hawash estava diretamente relacionada a Gaza, mas Israel sempre desiste no último momento.”

A AP pode estar tentando reivindicar o crédito pelo fim da greve de fome de Abu Hawash e sua libertação no mês que vem, mas isso se mostra ao fazê-lo. Se Abbas e Faraj acham que os presos políticos devem ser libertados, eles devem esvaziar as prisões da AP de todos os membros de todas as facções da resistência. O fato de que eles não vão nos diz tudo o que precisamos saber sobre suas reais intenções.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments