Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

A investigação de crimes de guerra pela ONU ainda está manchada por décadas de apoio colonial a Israel

Filhos de colonos israelenses agitam uma bandeira nacional perto do assentamento de Bat Ayin, na Cisjordânia ocupada, em 21 de junho de 2021, enquanto ativistas de direita e líderes colonos realizam 14 marchas simultâneas para impedir o "controle árabe" na Área C. [Emmanuel Dunand/AFP via Getty Images]

A ONU financiará uma investigação aberta sobre os crimes de guerra israelenses contra palestinos, a partir da agressão deste ano contra Gaza. Pela primeira vez – e isso é o que enfurece Israel, que tem controlado a narrativa da ONU por meio da retórica de segurança, até agora – o mandato permitirá investigações sobre qualquer violação dos direitos humanos cometida por Israel em toda a Palestina colonizada.

Levar em consideração todo o empreendimento colonial é um passo importante no reconhecimento das violentas fundações de Israel, que estão em andamento. O fato de 125 países terem apoiado a investigação em andamento sobre crimes de guerra da ONU pode sinalizar que, sob a retórica da diplomacia de dois Estados, há poucas dúvidas sobre a violência colonial sistemática de Israel. Como preencher a lacuna entre reconhecimento e responsabilidade, no entanto, é uma história totalmente diferente.

O embaixador de Israel na ONU, Gilad Erdan, fez uma declaração que descreve sucintamente a natureza da política colonial, em vez da investigação de crimes de guerra da ONU. “A ONU caiu para um novo nível mínimo e aprovou um orçamento para uma comissão desprezível e tendenciosa que não tem o direito de existir.”

LEIA: Ministro israelense é ameaçado por colonos extremistas

O colonialismo não tem o direito de existir e a ONU não tem o direito de apoiar a criação de uma empresa colonial baseada na limpeza étnica do povo palestino. Pelo contrário, a investigação de crimes de guerra da ONU tem todo o direito de existir precisamente, porque a instituição internacional foi instrumental em dar a Israel a impunidade através da qual ele poderia cometer crimes de guerra. Israel, é claro, é avesso a perder até mesmo um fragmento de sua impunidade, sobretudo depois de passar décadas normalizando as violações dos direitos humanos, alegando circunstâncias excepcionais e alegadas preocupações com a segurança.

Alegar preconceito anti-Israel na ONU é injustificável. É muito mais pertinente observar que a investigação de crimes de guerra deveria ter acontecido décadas antes, e que a ONU ainda é culpada por permitir as transgressões de Israel, não importa o que suas ações atuais representem.

Isso porque, embora o inquérito sobre os crimes de guerra de Israel trate de suas violações, ainda há a discrepância de a ONU proteger Israel repetindo seu “direito de se defender” da população colonizada. A ONU ainda não apoia a descolonização da Palestina, forçando os palestinos a aceitar a hipótese de dois Estados que manteria a população dependente da ajuda de doadores internacionais e os refugiados fora da Palestina. Nem a ONU apoia os direitos políticos dos palestinos sobre o paradigma humanitário. Na verdade, todo o conceito de Palestina foi mutilado além do reconhecimento pela ONU, para o benefício de Israel.

Portanto, se a investigação de crimes de guerra for dissociada da estrutura colonial que a ONU normalizou para encobrir os fundamentos e a existência de Israel, não muito será feito. A abordagem “baseada em direitos” requer ação política à qual a ONU se opõe para proteger o colonialismo israelense e, como resultado, sua violência.

Então, qual é a abordagem da ONU para os crimes de guerra de Israel? Incluirá o contexto colonial, ou se dissociará, como normalmente acontece no caso de deslocamento forçado palestino, por exemplo, onde os deslocados são removidos do contexto da Nakba em curso que Israel criou? Considerando que a ONU tem promovido consistentemente um viés pró-colonial e pró-Israel, a investigação de crimes de guerra é um começo que mal arranha a superfície das violações do direito internacional de Israel.

LEIA: Por que a resistência popular na Cisjordânia não para de crescer?

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
BlogBlogs - PoliticsIsraelONUOpiniãoOrganizações InternacionaisOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments