Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Negando o inevitável: Por que o Ocidente se recusa a aceitar o status de superpotência da China

Grande Salão do Povo, em Pequim, em 19 de março de 2018 [NICOLAS ASFOURI / AFP via Getty Images]

Um artigo de Gideon Rachman no Financial Times de julho passado é um excelente exemplo da compreensão limitada da intelectualidade ocidental sobre a ascensão desimpedida da China como superpotência. “Tornar-se uma superpotência é um negócio complicado. Isso levanta uma série de questões conectadas sobre capacidades, intenções e vontade”, escreveu Rachman.

Para nos ajudar a entender o que essa afirmação significa precisamente, o escritor do FT usa uma analogia. “Para usar uma analogia esportiva, você pode ser um jogador de tênis extremamente talentoso e realmente querer ser campeão mundial, mas ainda não estar disposto a fazer sacrifícios para transformar o sonho em realidade.”

Pelo menos, no pensamento de Rachman, a China é capaz de ser um ator político, embora continue incapaz de disputar o status de superpotência, pois supostamente carece de “vontade” para fazer os “sacrifícios” exigidos.

Embora eu tenha visitado Pequim apenas uma vez há alguns anos, eu, ou mesmo qualquer visitante casual da capital chinesa, poderia atestar o poderoso motor econômico coletivo que abastece não apenas a China, mas grande parte da economia mundial. Embora as autoridades chinesas não afirmem abertamente que seu objetivo final é fazer de seu país uma superpotência – pois, francamente, raramente as superpotências estão cientes dos mecanismos que levam a tal status – a liderança chinesa compreende totalmente a natureza do desafio em questão.

Veja o discurso do presidente chinês Xi Jinping em outubro de 2019, por ocasião do 70º aniversário da fundação da República da China. “Nos últimos 70 anos, sob a forte liderança do Partido Comunista da China (PCC), o povo chinês, com grande coragem e exploração implacável, abriu com sucesso o caminho do socialismo com características chinesas. Ao longo desse caminho, iniciamos em uma nova era “, disse ele. Observe as constantes referências de Xi à ideologia, nacionalismo, visão de futuro e insistência na posição central da China nesta “nova era”. Xi foi elevado ao status de Mao Zedong – como um “líder central” em 2019 e “timoneiro” em 2021 – precisamente devido ao seu papel na transição da China em termos de poder, política e prestígio global.

Na verdade, quanto mais cedo reconhecermos que a China é uma entidade política influente que opera de acordo com uma estratégia política clara e decisiva, mais significativo será nosso entendimento da transformação geopolítica na Ásia e no resto do mundo.

Desde a ascensão da Grã-Bretanha como potência colonial e, portanto, o advento de uma nova ordem mundial, determinada quase exclusivamente pelas potências ocidentais, o centro de poder global, a partir do século 18, havia se afastado da Ásia e do Oriente Médio.

Mais tarde, a partir de meados do século XX, a principal competição que as potências coloniais ocidentais foram forçadas a enfrentar vinha da União Soviética, seu Pacto de Varsóvia e seus aliados internacionais, principalmente as ex-colônias da Europa no hemisfério sul.

LEIA: Os crescentes laços de Israel com a China preocupam Washington

O colapso da União Soviética, a partir de 1989, marcou o retorno do controle ocidental, desta vez liderado pelos Estados Unidos como o único líder e mestre neocolonial do mundo.

Rapidamente se tornou óbvio, no entanto, que o paradigma global pós-soviético era insustentável, já que a influência econômica da Europa estava diminuindo rapidamente e a tentativa desesperada de Washington de policiar o mundo estava falhando, devido, em parte, aos seus próprios erros de cálculo, mas também à dura resistência enfrentada em seus novos domínios coloniais, principalmente no Iraque e Afeganistão.

O custo da guerra, além de sua incalculável destruição maciça e perdas humanas – de acordo com uma estimativa muito modesta, quase um milhão de pessoas foram mortas em aventuras militares dos Estados Unidos desde 2001 – também representou um grande custo para a já enfraquecida economia dos Estados Unidos. O Projeto Custos da Guerra da Universidade Brown, publicado em setembro de 2021, calculou que os EUA gastaram até US $ 5,8 trilhões em suas operações militares fracassadas no Afeganistão e no Iraque desde 2001. O mesmo relatório também estimou que US $ 2,2 trilhões adicionais serão gastos ao longo dos próximos 20 anos em cuidados de saúde e cobertura de invalidez para veteranos.

O envolvimento dos Estados Unidos em longas guerras com objetivos indefinidos abriu espaços geopolíticos sem precedentes que Washington e seus aliados ocidentais dominaram ao longo das décadas. Por exemplo, os EUA tinham controle geopolítico quase total sobre grande parte da América do Sul, começando com a introdução da Doutrina Monroe, em 1823. A mesma afirmação pode ser feita sobre a África que, apesar do fim formal do colonialismo no continente há muito explorado, continuou a girar em torno das mesmas potências coloniais ocidentais de antigamente. No entanto, uma mudança perceptível na influência geoestratégica do Ocidente nessas regiões começou a ocorrer nas últimas três décadas.

Enquanto o Ocidente estava lutando em guerras essencialmente fúteis no Afeganistão e no Iraque como parte da “guerra ao terror” intencionalmente mal definida, atores políticos regionais e internacionais avançaram para preencher as lacunas criadas pela ausência americana e ocidental de suas várias regiões de influência. A Rússia ofereceu-se rapidamente como um aliado militar e estratégico e uma alternativa aos EUA em partes do Oriente Médio, África e América do Sul – na Síria, Líbia e Venezuela, respectivamente – à medida que a China assumia um papel econômico muito maior, se promovendo como um parceiro justo, especialmente se comparado às potências ocidentais.

Foi somente com a retirada gradual dos EUA do Iraque em 2011 que Washington anunciou seu “Pivô para a Ásia”, um novo estratagema militar e político que visa compensar a influência chinesa na região do Pacífico Asiático. Grande parte do primeiro mandato do ex-presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, foi dedicado aos realinhamentos políticos estratégicos da América na Ásia-Pacífico.

“Os Estados Unidos são uma potência do Pacífico e estamos aqui para ficar”, declarou Obama em um discurso ao parlamento australiano em novembro de 2011. “Ao encerrarmos as guerras de hoje, instruí minha equipe de segurança nacional a fazer nossa presença e missões na Ásia-Pacífico uma das principais prioridades”.

No entanto, a mudança geopolítica americana pode ter chegado tardiamente. Por um lado, as repercussões dos empreendimentos militares americanos na Ásia Central e no Oriente Médio – como o tempo claramente demonstrou – foram severas e caras demais para serem simplesmente canceladas por uma declaração de uma nova estratégia. Em segundo lugar, a China já havia construído uma complexa rede de alianças na Ásia e em todo o mundo, permitindo-lhe cimentar laços reais com muitas nações, especialmente aquelas preocupadas ou cansadas da obsessão ocidental por superioridade militar e intervenções.

LEIA: EUA pressionam Israel a reagir a suposta espionagem da China

De acordo com um relatório publicado em outubro pelo Instituto Internacional para o Desenvolvimento Sustentável, nos últimos doze anos, a China foi a maior parceira comercial da África. “A China criou 25 zonas de cooperação econômica e comercial em 16 países africanos”, afirma o relatório, “e continuou a investir pesadamente em todo o continente durante a pandemia covid-19, de acordo com um relatório do governo sobre os laços econômicos e comerciais entre China e África”.

Em contraste, de acordo com dados publicados pelo Statista Research Department em agosto, “após um pico em 2014, o investimento estrangeiro direto (IED) na África dos Estados Unidos caiu para 47,5 bilhões de dólares (de 69,03) em 2020”.

É exatamente aqui que muitos analistas erram, argumentando, como Rachman fez, que “o peso econômico da China, como maior potência comercial e fabricante do mundo, lhe dá uma significativa influência política internacionalmente. […] Mas o poder econômico de Pequim nem sempre é politicamente decisivo”.

Esse pensamento limitado se baseia na suposição de que ser “político” é seguir o mesmo esquema usado pelos EUA e seus parceiros ocidentais em sua abordagem da política externa, diplomacia e guerras ocasionais. A opinião da China sobre a política, no entanto, sempre foi bem diferente. Segundo o pensamento de Pequim, a China não precisa invadir países para ganhar a designação de ator político. Em vez disso, a China está simplesmente explorando sua própria trajetória histórica de utilização da influência econômica em sua busca pela grandeza e, possivelmente, pelo império. O fato da Iniciativa do Cinturão e Rota – uma estratégia de longo prazo destinada a conectar a Ásia com a África e a Europa por meio de redes terrestres e marítimas – ser uma interpretação moderna da Rota da Seda, que era uma rede de antigas rotas comerciais que ligava a China à região mediterrânea, é o suficiente para nos falar sobre a natureza do modelo chinês.

Tendo isso em mente, a China também deu muitos passos que são inequivocamente “políticos”, mesmo na definição seletiva da intelectualidade ocidental. Um dos muitos tratados que a China iniciou, cofundou ou aderiu é a Organização de Cooperação de Xangai, que, a partir de setembro, também incluía o Irã. O Pacto de Xangai é uma aliança política, econômica e de segurança da Eurásia que foi estabelecida em 2001 e serviu para contrabalançar as organizações transnacionais ocidentais lideradas pelos Estados Unidos.

Até a última década, Pequim havia recorrido à cooperação econômica como a forma mais produtiva de facilitar sua chegada ao cenário global como uma superpotência potencial ou incipiente. No entanto, pode-se argumentar que, somente no ‘Pivô para a Ásia’ de Obama, na guerra comercial de Donald Trump e nas ameaças incessantes de Joe Biden à China por causa de Taiwan, Pequim começou a acelerar a dimensão política de sua estratégia. A chamada ‘diplomacia do lobo’ da China é uma das táticas mais confiáveis ​​de Pequim, por meio da qual mensagens claras e repetidas são enviadas a Washington e seus aliados, de que a nação emergente do Leste Asiático não será subjugada ou intimidada. A “diplomacia do guerreiro lobo” descreve um estilo mais assertivo e até de confronto empregado pelos diplomatas chineses para defender os interesses nacionais da China.

De acordo com o entendimento ocidental comum, a China, ou qualquer outro país nesse sentido, que ouse operar fora dos ditames da agenda ocidental, é uma ameaça ou uma ameaça potencial. No entanto, mesmo quando as fortunas econômicas da China estavam aumentando, após a campanha de reformas econômicas bem-sucedidas de Deng Xiaoping em 1978, o país não era visto como uma “ameaça” per se, já que a ascensão econômica de Pequim alimentou a Ásia e, por extensão, a economia global, eventualmente até mitigando a Grande Recessão de 2008, que resultou do colapso dos mercados americano e europeu. A China só se tornou uma ameaça quando ousou definir seus objetivos geopolíticos na região do Pacífico Asiático, a partir dos mares do Sul e Leste da China.

A China não é apenas um ator político, mas pode-se afirmar que, atualmente, é o ator político mais importante do mundo, pois gradualmente, mas certamente desafia o domínio americano e ocidental em várias frentes – militar na Ásia, econômica e politicamente em outros lugares. A influência da China também pode ser observada além da Ásia e da África, na própria Europa, já que até os próprios aliados de Washington estão abertamente divididos em sua abordagem à guerra fria EUA-China e na insistência dos Estados Unidos em repelir o perigo chinês que se aproxima.

“Uma situação para unir todos contra a China, este é um cenário da mais alta conflitualidade possível. Este, para mim, é contraproducente”, disse o presidente francês Emmanuel Macron durante uma discussão transmitida pelo think tank de Washington, The Atlantic Council, em fevereiro.

Cabe a todos nós abandonar a noção de que a China está interessada apenas em negócios e nada mais. Esse pensamento sufocante em relação à China ajuda a perpetuar a noção de que os EUA usaram seu domínio global para alcançar outros objetivos nobres, por exemplo, ‘restaurar’ a democracia e defender os direitos humanos. Não apenas a degradação da China e a elevação dos EUA são essencialmente racistas, mas também totalmente falsas.

LEIA: Israel se recusa a condenar abuso da China aos muçulmanos uigures

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoÁsia & AméricasChileEUAEuropa & RússiaReino Unido
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments