Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Os crescentes laços de Israel com a China preocupam Washington

O presidente da China Xi Jinping (R) e o ex-primeiro-ministro de Israel Benjamin Netanyahu apertam as mãos em Pequim , China em 21 de março de 2017 [Etienne Oliveau/ AFP / Getty Images]

Não é segredo que as crescentes relações econômicas entre Israel e a China estão levantando preocupações em Washington, apesar dos alertas internos do Estado de ocupação de que Pequim está explorando esses laços para obter tecnologia militar e de segurança por meios secretos. Os ecos de um ataque cibernético chinês a Israel ainda ecoam.

Entre 2007 e 2020, a China investiu US $ 19 bilhões em Israel, incluindo US$ 9 bilhões em tecnologia e US $ 6 bilhões em infraestrutura. O fluxo comercial anual entre os dois também aumentou de US $ 12 bilhões para US $ 15 bilhões, tornando a China o terceiro maior parceiro comercial de Israel, depois da Europa e dos Estados Unidos. No entanto, desde 2018, houve um declínio no investimento chinês em Israel, como aconteceu em outros lugares, embora o interesse da China na tecnologia israelense tenha sido demonstrado por meio do esforço de Pequim de enviar acadêmicos a Israel, comprar empresas e estabelecer centros de pesquisa e desenvolvimento.

No entanto, a China intensificou suas atividades econômicas, políticas e militares em relação a Israel, com uma política mais assertiva e às vezes até agressiva. Os americanos perceberam os perigos e desafios dos vínculos crescentes entre Tel Aviv e Pequim, principalmente a transferência em larga escala de tecnologia e habilidades, além de incentivos econômicos para promover objetivos políticos, espionagem e influência estrangeira.

LEIA: Diretor da CIA alerta premiê de Israel contra investimentos chineses

Uma preocupação dos EUA é que Pequim está tentando obter segurança israelense e tecnologia militar por meio de uma variedade de canais públicos e civis, abertos e secretos. Washington advertiu Israel sobre o crescente acesso da China à sua infraestrutura e tecnologia, mas muitos em Tel Aviv consideram esses avisos como uma tentativa de restringir as relações do estado de ocupação com Pequim, já que tais laços são de grande importância econômica. Tel Aviv precisa ser cuidadoso, não em termos de administrar sabiamente a tensão com os EUA, seu aliado estratégico, mas para reduzir a exposição aos riscos chineses.

Isso confirma que as relações de Israel com a China apresentam desafios diretos que vão além da posição adotada pelos EUA. Portanto, existe a possibilidade de a China tentar obter tecnologia específica de Israel não só de forma consensual, mas também clandestina. Isso exige uma maior consciência dos riscos de espionagem e cibernética apresentados pela China, que pode perseguir outros objetivos nos setores governamental, empresarial, acadêmico e da sociedade civil.

A inquietação dos EUA com o crescimento dos laços Israel-China não é mais mantida nos bastidores. O diretor da Agência Central de Inteligência, William Burns, expressou ao primeiro-ministro Naftali Bennett as preocupações de Washington sobre a crescente interferência de Pequim na economia israelense, bem como o envolvimento da China no mercado de alta tecnologia e grandes projetos de infraestrutura.

Isso levou o gabinete israelense a incluir o assunto na agenda da reunião de Bennett com o presidente dos EUA, Joe Biden, agendada para esta semana, sabendo que o aumento do envolvimento da China com Israel era uma fonte de tensão entre o ex-presidente Donald Trump e o governo de Benjamin Netanyahu. Isso ocorreu após um aumento no envolvimento da China em grandes projetos de infraestrutura no estado de ocupação, como a construção de um novo porto em Haifa e a ferrovia leve Gush Dan. Washington foi pressionado a exigir que Tel Aviv restringisse a participação da China em tais atividades.

Israel está dividido entre manter relações importantes com a China e as advertências dos EUA porque não pode ignorar a tensão entre Washington e Pequim. Pode ser forçado a escolher entre as duas superpotências, o que não será fácil, pois pretende manter ligações com ambas. Os interesses chineses na indústria de armas são de particular importância para Israel.

LEIA: Hackers da China invadem o governo de Israel e empresas de tecnologia

O ano passado foi marcado pela pressão dos EUA sobre Israel para cancelar um grande negócio para fornecer à China aeronaves militares, devido a preocupações com uma possível transferência de tecnologia sensível relacionada aos mísseis Patriot. Fontes de inteligência dos EUA e funcionários do Departamento de Estado e do Pentágono acusaram Israel de transferir tecnologia militar dos EUA para a China e outros países. O Congresso dos Estados Unidos pediu ao controlador do estado que conduza investigações urgentes sobre o assunto.

Mesmo assim, os laços econômicos e outros entre Israel e a China continuaram a crescer, apesar das tentativas de interrompê-los. As empresas chinesas investiram em infraestrutura e tecnologia israelenses e conseguiram assegurar um papel importante na gestão e expansão dos portos israelenses. O ex-embaixador de Israel na China, general Matan Vilnai, deve inaugurar uma filial de uma universidade chinesa em outubro com o objetivo de ensinar a língua chinesa e hospedar estudantes em Israel.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoÁsia & AméricasChinaEstados UnidosIsraelOpiniãoOriente Médio
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments