Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Israel se recusa a condenar abuso da China aos muçulmanos uigures

Pessoas participam de uma manifestação para protestar contra as políticas da China em relação aos turcos uigures no 72º aniversário da fundação da República Popular da China, em Paris, França, em 02 de outubro de 2021 [Yusuf Özcan/Agência Anadolu]

Israel retirou a assinatura de uma declaração da ONU condenando as violações dos direitos humanos da China contra os muçulmanos uigures na província de Xinjiang, incluindo tortura, esterilização forçada e desaparecimentos forçados.

Os 43 países que assinaram a declaração, incluindo Turquia, Japão, Canadá, Alemanha, Estados Unidos e Grã-Bretanha, expressaram particular preocupação com “relatórios confiáveis” sobre a existência de “campos de reeducação” em Xinjiang.

A medida ocorre apesar de Israel ter assinado uma declaração em junho no Conselho de Direitos Humanos da ONU, pedindo à China que permita o acesso de observadores independentes à região ocidental de Xinjiang. De acordo com o Times of Israel, um oficial diplomático israelense, que falou em condição de anonimato, disse que o governo havia recebido um projeto de resolução com antecedência, mas decidiu não apoiar a iniciativa, devido a “outros interesses que deve equilibrar”.

LEIA: Depois de matar mulheres muçulmanas, a comunidade internacional não pode nos ensinar como tratá-las

A declaração foi lida pelo embaixador da França na ONU, Nicolas De Riviere, em uma reunião do Comitê de Direitos Humanos da Assembleia Geral. “Pedimos à China que permita o acesso imediato, significativo e irrestrito a Xinjiang para observadores independentes, incluindo o alto comissariado da ONU para os Direitos Humanos e seu gabinete”, disseram os signatários. “Estamos particularmente preocupados com a situação na Região Autônoma Uigur de Xinjiang.”

A declaração citou relatórios “credíveis” que “indicam a existência de uma grande rede de campos de ‘reeducação política’ onde mais de um milhão de pessoas foram detidas arbitrariamente”.

Em resposta, o embaixador da China na ONU, Zhang Jun, criticou a declaração como “acusações infundadas” e “mentiras”. Ele acusou os EUA e alguns outros signatários não identificados de “usar os direitos humanos como pretexto para manobras políticas para provocar confronto”. O oficial chinês defendeu o desenvolvimento de Xinjiang, dizendo que a vida de seu povo estava melhorando a cada dia. “Seu plano para obstruir o desenvolvimento da China está fadado ao fracasso”, acrescentou.

A China vem sofrendo críticas crescentes como resultado do tratamento que dispensa aos muçulmanos uigures. Em agosto de 2018, um Comitê de Direitos Humanos da ONU relatou que Pequim mantém quase um milhão de muçulmanos uigures em campos secretos de “reeducação” no Turquestão Oriental. Muitos voltam para suas famílias debilitados, incapazes de andar e falar e mostrando sinais de abuso.

LEIA: Associated Press divulga denúncia de refugiada sobre prisão secreta da China em Dubai

Categorias
Ásia & AméricasChinaIsraelNotíciaONUOrganizações InternacionaisOriente Médio
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments