Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

O Hezbollah perdeu, enquanto o Hamas venceu

Khaled Meshaal, líder exilado da organização islâmica palestina Hamas, discursa em uma manifestação em sua homenagem em 21 de outubro de 2015, na Cidade do Cabo [Rodger Bosch/AFP via Getty Images]
Khaled Meshaal, líder exilado da organização islâmica palestina Hamas, discursa em uma manifestação em sua homenagem em 21 de outubro de 2015, na Cidade do Cabo [Rodger Bosch/AFP via Getty Images]

Khaled Mashal, chefe do Hamas no exterior, recebeu um convite para visitar o Líbano por várias figuras palestinas que vivem no Líbano. Era natural que o assunto fosse discutido na mesa política do Movimento, que decidiu que a visita seria em meados de dezembro, coincidindo com o aniversário da fundação do Movimento e da festa dos palestinos nos campos do Líbano.

O Movimento foi amplamente acolhido pelas autoridades oficiais do Líbano, nomeadamente a presidência, a presidência do Conselho de Ministros e a presidência do Parlamento. No entanto, ocorreu um evento excepcional – isto é, o Hezbollah informou à liderança do Hamas que não está preocupado com essa visita e não receberá Khaled Mashal. Então, o Hezbollah pressionou seus seguidores, apoiadores e aliados do Irã e da Síria, como Wiam Wahhab, Faisal Abdelsater, Nasser Kandil, Asad AbuKhalil e outros, a atacar Khaled Mashal e difamar sua reputação e patriotismo. Eles tentaram criar uma brecha dentro do Movimento entrincheirando a ideia de um desacordo fundamental dentro da liderança do Hamas sobre a visita de Mashal. No entanto, credita-se à liderança do Hamas a insistência em continuar a visita, apesar das exigências do Hezbollah. Foi uma mensagem clara para o Hezbollah, o Irã e o regime sírio de que o Hamas não aceita pressões ou ditames de Teerã, Damasco ou Hezbollah.

Vale ressaltar que a rejeição do Hezbollah à visita é uma rejeição a Khaled Mashal pessoalmente, que defendeu o povo sírio e sua revolução contra o autocrata assassino Bashar Al-Assad. Essa foi a posição do Hamas como um todo, que foi decidida por unanimidade por sua liderança e não apenas por Mashal.

LEIA: Hamas deposita esperança na conferência da Argélia para a implementação de acordos entre facções

Quando a mensagem do Hamas chegou ao Hezbollah, ele notou que a visita ainda estava marcada e o Movimento não a havia cancelado. Poucos dias antes da visita, ocorreu uma explosão no campo de Borj El Chmali, que matou um dos líderes jovens mais proeminentes do Hamas, o mártir Hamza Shaheen. No dia do funeral, membros das forças de segurança nacional filiadas ao movimento “Fatah” atiraram no funeral, resultando na morte de três jovens do Hamas no Líbano. A situação ficou mais tensa; entendeu-se a mensagem de advertência de que a visita deveria ser cancelada e renunciada. No entanto, a liderança do Hamas, após discutir o assunto e avaliar a situação, insistiu em continuar a visita, uma vez que existe uma liderança real entre seu povo nessas circunstâncias difíceis.

Devemos notar aqui que a decisão da visita de Khaled Mashal não é uma decisão única tomada por Mashal sozinho sem coordenação com a direção do partido, como a mídia do partido tentou retratar desde o primeiro momento do anúncio da visita. Em vez disso, a visita foi tomada por decisão da liderança do Hamas.

Quando as tentativas do Hezbollah de impedir totalmente a visita fracassaram após a insistência do Hamas em completá-la, o Hezbollah trabalhou para impedi-la de todas as formas permitidas e inadmissíveis. Quando Khaled Mashal chegou ao aeroporto de Beirute, a mídia e os jornalistas ficaram surpresos por terem sido impedidos de entrar no aeroporto e se encontrar com Mashal. O Hezbollah não apenas rejeitou a visita, mas anunciou por meio de seus redatores que Nasrallah se recusou a receber Mashal, embora o Hamas não tenha pedido uma reunião entre seu secretário-geral e Khaled Mashal!

O Hezbollah não apenas fez isso, mas, para impedir a visita, ele pressionou o presidente do Parlamento, Nabih Berri, a cancelar a reunião, a qual ele havia concordado anteriormente e estava no cronograma da visita. O Hezbollah também exerceu a mesma pressão sobre o primeiro-ministro, Najib Mikati, para cancelar a reunião; no entanto, Mashal o encontrou em sua casa, longe do palácio do governo, a fim de evitar constrangimento e transformar o encontro em uma visita pessoal fora da forma oficial.

LEIA: Por que Khaled Meshaal está em Beirute?

Da mesma forma, também houve pressão da Síria e do Hezbollah sobre o Mufti do Líbano para cancelar sua reunião com Mashal, mas o Mufti não se submeteu a essa pressão e a reunião aconteceu.

O auge das tentativas do Hezbollah de impedir a visita de Mashal é retirando e cancelando a licença do festival que comemora o estabelecimento do Movimento Hamas. A celebração estava programada para ser um comício em que Khaled Mashal faria um discurso do Hamas nessa ocasião.

O Hezbollah também pressionou figuras da mídia libanesa para que recusassem o encontro com Khaled Mashal, pensando que isso faria com que a visita fracassasse, mas não percebeu que, ao fazê-lo, está disparando seus slogans e políticas, que se esforçou para embelezar em nome da aliança com a resistência palestina.

Apesar de todos esses obstáculos e métodos desagradáveis ​​que o Hezbollah utilizou antes da visita de Khaled Mashal, a visita não falhou. Em vez disso, o Hezbollah falhou e perdeu muito, pois foi exposto e apareceu com sua feia face racista; todas as suas alegações sobre a resistência e sua relação estratégica com o Hamas contra o inimigo sionista desapareceram.

O Hezbollah não teve como objetivo apenas sitiar Mashal e fazer com que sua visita fracassasse, mas também objetivou criar conflitos internos no Hamas; o Hezbollah achava que havia conseguido atrair alguns dos líderes do Hamas para o campo iraniano e, assim, retirar Mashal de sua posição como líder do movimento no exterior, de forma que o apoio iraniano a ele continuasse. Isso significa criar conflito, mas o Hamas imediatamente ficou alerta e imediatamente correu para encerrá-lo, enviando o vice-presidente do Movimento, Saleh Al-Aruri, uma das figuras mais proeminentes entusiasmadas com o Irã para fazer parte da delegação chefiada por Khaled Mashal para visitar o Líbano.

Em conclusão, o Hezbollah não apenas sitiou Mashal, mas também sitiou a si mesmo e ao Irã. Não se afirma que o Hamas reavaliará suas posições apressadas em relação ao Irã depois do que aconteceu com o Hezbollah. Essas posições irritaram muitos de seus proponentes no mundo árabe e islâmico. Hamas e Khalid Mashal venceram. Enquanto o Hezbollah perdeu, Hassan Nasrallah perdeu uma batalha que ele iniciou sem que seu oponente mostrasse qualquer atitude hostil contra ele ou agisse contra ele. O Hezbollah perdeu e Hassan Nasrallah perdeu política e moralmente.

LEIA: Facções palestinas condenam encontro Abbas-Gantz

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoIsraelOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments