Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Quem está lutando na guerra do Iêmen?

Centenas de pessoas organizam uma manifestação de protesto contra a guerra em Taiz, Iêmen, em 23 de junho de 2021 [Abdulnasser Alseddik/Agência Anadolu]
Centenas de pessoas organizam uma manifestação de protesto contra a guerra em Taiz, Iêmen, em 23 de junho de 2021 [Abdulnasser Alseddik/Agência Anadolu]

As partes da guerra no Iêmen têm cada uma sua própria agenda, tornando o conflito difícil de ser resolvido. Aqui estão alguns desses grupos e o que eles querem, como relatado pela Reuters:

OS HOUTHIS

No final dos anos 90, a família Houthi no extremo norte do Iêmen criou um movimento de reavivamento religioso envolvendo a seita Zaydi do Islã Xiita, que um dia governou o Iêmen, mas cujo coração do norte havia sido marginalizado.

Com o crescimento dos atritos com o governo, eles travaram uma série de guerras de guerrilha com o exército nacional e um breve conflito fronteiriço com a Arábia Saudita. Eles construíram laços com o Irã, mas não está claro quão profundo esse relacionamento é.

Desde a tomada da capital Sanaa em 2014, os Houthis têm confiado em partes da burocracia existente para governar grande parte do norte e outros grandes centros urbanos. Sua estratégia de longo prazo não é clara.

LEIA: Porque o Iêmen foi a única revolução real, pós-Primavera Árabe

LEALISTAS DO FALECIDO PRESIDENTE SALEH

Ali Abdullah Saleh tomou o poder no norte do Iêmen em 1978 e, após a unificação com o sul em 1990, ele permaneceu como presidente. Ele se uniu aos corretores do poder tribal para dominar o país, colocando seus clãs em posições-chave no exército e na economia, o que o levou a fazer acusações de corrupção.

Quando antigos aliados o abandonaram durante a primavera árabe, forçando-o a sair do poder, Saleh juntou-se a seus antigos inimigos, os Houthis, e ajudou-os a tomar Sanaa.

Apesar de suas diferenças, eles governaram juntos grande parte do Iêmen até o ano passado. Então, Saleh viu uma chance de recuperar o poder para sua família, voltando-se contra os Houthis, mas foi morto ao tentar fugir.

Quando Saleh mudou de lado, também o fizeram alguns comandantes e tropas leais a ele. Agora eles estão lutando contra seus antigos aliados Houthi sob liderança do sobrinho do falecido presidente, Tarek, um general do exército com laços com os Emirados Árabes Unidos.

GOVERNO DO PRESIDENTE HADI

Um general no Iêmen do sul antes da unificação, Abd-Rabbu Mansour Hadi tomou o partido de Saleh durante a breve guerra civil de 1994. Após derrotar os separatistas, Saleh nomeou a Hadi vice-presidente.

Quando Saleh foi forçado a deixar o poder, Hadi foi eleito para um mandato de dois anos em 2012 para supervisionar a transição para a democracia com uma nova constituição e novas eleições marcadas para 2014.

Hadi tem estado em desacordo com um importante aliado saudita, os EAU, devido a sua aliança com o partido islâmico Islah. É visto como um ramo da Irmandade Muçulmana, que foi designada por Riad e Abu Dhabi como uma organização terrorista.

As forças de Hadi estão lutando pelo controle do porto sul de Aden, a sede temporária do governo, onde a influência dos separatistas sulistas apoiados pelos Emirados Árabes Unidos tem crescido.

SEPARATISTAS DO SUL

Após a independência da Grã-Bretanha, o Iêmen do Sul tornou-se o único país comunista do Oriente Médio, mas sofreu constantes lutas internas. Enfraquecido por isso e pelo colapso da União Soviética, unificou-se com o Iêmen do Norte de Saleh em 1990.

Como ficou claro que a maioria do poder estava nas mãos do norte, a antiga liderança do sul tentou se separar em 1994, mas foi rapidamente vencida pelo exército de Saleh, que demitiu Aden. Muitos sulistas reclamaram da crescente marginalização econômica e política.

Liderados pelo General Aidaroos Al-Zubaidi, baseado em Abu Dhabi, os separatistas capturaram os portos do sul de Mukalla da Al-Qaeda e Aden dos Houthis em 2015. Eles têm mais de cinquenta mil combatentes, armados e treinados pelos Emirados Árabes Unidos.

O principal grupo separatista, o Conselho de Transição do Sul, tomou o controle de Aden várias vezes em uma luta de poder com o governo de Hadi sobre o controle do sul. As tensões continuam altas, apesar de um acordo com a Arábia Saudita em 2019 para acabar com o impasse.

LEIA: 75% das crianças iemenitas sofrem de desnutrição aguda, diz OMS

AL QAEDA NA PENÍNSULA ARÁBICA

Criada por membros do grupo global jihadista que havia escapado da prisão no Iêmen e seus camaradas que fugiram da Arábia Saudita, a Al-Qaeda na Península Arábica se tornou um de seus ramos mais poderosos.

Aproveitou o caos da primavera árabe para criar mini-estados em regiões remotas do leste e lançou numerosos ataques que minaram o governo de transição de Hadi. Durante a guerra civil, ela realizou ataques contra ambos os lados. Qualquer caos prolongado no Iêmen dará mais espaço para consolidar e conspirar ataques no exterior.

ARÁBIA SAUDITA, OS EMIRADOS ÁRABES E A COALIZÃO APOIADA PELO OCIDENTE

A Arábia Saudita considera os Houthis como um representante do Irã, seu maior rival regional, e quer impedir que Teerã ganhe influência em seu vizinho, o Iêmen.

As tropas sauditas foram destacadas ao longo das fronteiras e em algumas províncias do Iêmen, mas a maior parte das vezes dependeu de ataques aéreos contra as áreas dos Houthi. A Arábia Saudita também forneceu uma base no exílio para Hadi e apoio logístico para os combates terrestres no norte do Iêmen.

Os Emirados Árabes, que também apoiaram o plano de transição de 2012, são os outros principais participantes da coalizão.

Abu Dhabi destacou algumas tropas terrestres e sofreu baixas na guerra antes de terminar em grande parte sua presença militar no terreno em 2019. Ela se mantém no poder através de dezenas de milhares de iemenitas, em sua maioria provenientes das províncias do sul que armou e treinou.

Os Estados Unidos, Grã-Bretanha, França e outros países ocidentais apoiaram ativamente a aliança com armas, logística e inteligência durante toda a guerra até o final de 2020. O Presidente dos EUA, Joe Biden, suspendeu o apoio dos EUA à guerra e fez do fim da mesma uma prioridade de sua política externa, em meio a um tumulto sobre as baixas civis pelos bombardeios da coalizão.

Outros países da coalizão estiveram menos envolvidos, embora o Sudão tenha colocado algumas tropas no terreno.

O IRÃ E SEUS ALIADOS REGIONAIS

O Irã defende os Houthis como parte de seu “eixo de resistência” regional, e o movimento adotou elementos da ideologia revolucionária de Teerã.

Mas, enquanto a Arábia Saudita e seus aliados acusam o Irã de armar e treinar os houthis, a extensão da relação é contestada e Teerã nega ter canalizado armas para o Iêmen.

O atoleiro saudita na Iêmen [Carlos Latuff/Monitor do Oriente Médio]

O atoleiro saudita na Iêmen [Carlos Latuff/Monitor do Oriente Médio]

Categorias
Arábia SauditaÁsia & AméricasEmirados Árabes UnidosEstados UnidosIêmenIrãNotíciaOriente Médio
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments