Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Porque o Iêmen foi a única revolução real, pós-Primavera Árabe

O povo iemenita se reúne para comemorar o 6º aniversário da Revolução Iemenita em Taiz, Iêmen, em 11 de fevereiro de 2017. [ Abdulnasser Alseddik/ Agência Anadolu]
O povo iemenita se reúne para comemorar o 6º aniversário da Revolução Iemenita em Taiz, Iêmen, em 11 de fevereiro de 2017. [ Abdulnasser Alseddik/ Agência Anadolu]

Uma revolução pode ser definida como “uma derrubada de um governo pela força ou ordem social em favor de um novo sistema”. Com isso em mente, fica claro que o termo foi aplicado com muita facilidade ou prematuramente a uma série de países após a chamada Primavera Árabe que eclodiu em partes do Oriente Médio e do Norte da África em 2011.

A Tunísia, o país no epicentro da onda de levantes pró-democracia, é vista como a única história de sucesso, descrita em um relatório do ano passado como o único país árabe “livre” pela Freedom House. No entanto, embora uma derrubada popular do presidente de longa data Zine El-Abidine Ben Ali tenha realmente levado a uma democratização mantida, ela sempre foi frágil, pois a revolução “não levou a uma ruptura tão radical com o antigo regime como inicialmente esperado”, com muitas das elites políticas retendo seu poder e privilégios.

A situação parece incerta, já que o país está passando por uma crise política desde que o presidente Kais Saied demitiu o primeiro-ministro Hichem Mechici e suspendeu o parlamento, assumindo autoridade executiva que levou os críticos a acusarem Saied de golpe contra a constituição. Desde a tomada de poder do presidente, um número crescente de civis tunisianos enfrenta julgamentos em tribunais militares. Significativamente, porém, desde a Revolução de Jasmim, a política externa da Tunísia e o alinhamento internacional não mudaram. Desde a independência da França em 1956, tem sido pró-Ocidente e assim permaneceu sob Ben Ali até o atual governo.

Na vizinha Líbia, foi uma “revolução” tanto quanto o foi a derrubada de Saddam Hussein no Iraque em 2003, porque tratou-se de uma intervenção militar liderada pelos EUA que levou à derrubada de Muammar Gaddafi, dividindo o país outrora rico em anos de civilização, com um acordo de cessar-fogo posto em vigor apenas no ano passado e eleições marcadas para o próximo mês. Dito isso, a capacidade do país de realizar eleições justas e seguras foi questionada, assim como a possibilidade de retorno do conflito.

O Egito tinha todas as marcas para uma revolução bem-sucedida e foi, sem dúvida, um movimento de massa popular que obrigou Hosni Mubarak a renunciar após décadas no poder, abrindo caminho para o primeiro líder civil eleito livremente no país, Mohamed Morsi. Não demorou muito, porém, até que a revolução falhou em cumprir os ideais dos jovens revolucionários díspares, já que os militares ainda seguravam as rédeas do poder e – apoiados pelos sauditas e os Emirados Árabes Unidos – organizaram um golpe contrarrevolucionário, garantindo que O Egito permanecesse bem dentro do campo pró-Ocidente. Os controvertidos movimentos de Morsi de tomada de poder para estender os poderes executivos, é claro, não lhe renderam nenhum favor e minaram quaisquer visões favoráveis ​​que muitos do público tinham sobre a Irmandade Muçulmana, enquanto sua visita histórica a Teerã levantou preocupações sobre uma mudança na política externa e uma reaproximação com os República Islâmica, que cortou laços com Cairo por causa de seu reconhecimento formal de Israel.

O levante que mais chamou a atenção da comunidade internacional e dividiu as opiniões do Conselho de Segurança da ONU foi a Síria. Nos primeiros dias otimistas da Primavera Árabe, o levante foi referido como uma “revolução”. No entanto, isso era problemático não apenas porque era muito cedo para descrevê-lo como uma revolução, já que nenhum sistema ou regime foi derrubado, mas também porque a Síria era um estado-nação demograficamente mais complexo em comparação com os países mencionados anteriormente.

Acredito que o colunista do MEMO, Asa Winstanley, teve visão quando contribuiu com um artigo de opinião ousado à edição inglesa em 2014, intitulado: “Síria: a revolução que nunca existiu”. Infelizmente, este foi removido do site, devido ao recebimento de reclamações que “consideraram este artigo ofensivo aos sacrifícios do povo sírio”. Embora eu compreenda as sensibilidades em torno da declaração então controversa, especialmente em uma época em que a cobertura do conflito era simpática à oposição ao presidente Bashar Al-Assad, não acho que o artigo deveria ter sido censurado e estou de acordo com o autor. O artigo foi republicado e ainda pode ser encontrado no site Jacobin.

Curiosamente, muitos dos pontos são tão relevantes agora, principalmente quando se referem às supostas revoluções dos países acima mencionados, a saber: Tunísia ainda enfrenta problemas internos, Egito estando “de volta à estaca zero” com um militar no poder, e o estado desastroso da Líbia. Além disso, o que seria considerado controverso dizer, em relação à aparente falta de “rebeldes moderados”, com a maioria das forças de oposição lutando sob as fileiras de grupos afiliados ou renomeados da Al-Qaeda, agora é de conhecimento comum. Certamente, houve levantes populares e protestos pró-democracia, assim como houve amplo apoio popular ao governo também, no entanto, também é verdade que a intervenção estrangeira ajudou Al-Assad a reafirmar o controle sobre partes do país e, da mesma forma, outros apoios estrangeiros sustentados grupos jihadistas para desestabilizar e minar o estado sírio. Hoje, Al-Assad permanece no poder e controla cerca de 70 por cento do país e os primeiros sinais indicam que a Síria normalizará as relações com seus vizinhos árabes mais uma vez e com a comunidade internacional.

INSERIR POST

https://www.facebook.com/middleeastmonitor/photos/a.175445796925/10156459732961926/?type=3

O Bahrein continua sendo um levante muitas vezes esquecido, mas ainda vale a pena mencionar como uma revolução que nunca foi realizada. Como uma demonstração pacífica em massa dos súditos xiitas do minúsculo reino do Golfo, em sua maioria indígenas, a única maneira de a família Al-Khalifa sobreviver seria por meio da intervenção da vizinha Arábia Saudita, que esmagou a revolta de cara. Dito isto, persiste um fervor revolucionário entre o povo que é muito mais difícil de erradicar.

Isso deixa o Iêmen e sua Revolução de 21 de setembro, popularmente conhecida como a tomada da capital Sanaa pelos houthis em 2014. Embora inspirada pela Primavera Árabe, a revolução se concretizou devido a muitas questões não resolvidas que remontam a conflitos anteriores entre os houthis e os governo e conflitos entre as elites políticas. No entanto, acredito que o caso do Iêmen não deva ser distinguido apenas de outras “revoluções” na região após a Primavera Árabe, mas também da revolução anterior de 11 de fevereiro de 2011, que viu a queda do ex-presidente Ali Abdullah Saleh e a nomeação de Abd Rabbuh Mansur Hadi, que deveria servir como presidente interino após uma eleição em que era o único candidato.

INSERIR VÍDEO

Hadi representava muito da velha ordem e, portanto, nenhuma revisão sistêmica real ocorreu, o que significa que o Iêmen permaneceria sob a influência da Arábia Saudita. No entanto, seu esforço no início de 2014 para a divisão do Iêmen em seis regiões enfrentou oposição ferrenha do centro dos houthis no norte e protestos contra o governo. Com o apoio das Forças Armadas iemenitas, o movimento Houthi assumiu o controle da capital Sanaa praticamente sem resistência. Hadi renunciou ao cargo em 2015 antes de fugir para Riad, onde o “governo internacionalmente reconhecido” está baseado desde então, com pouco impacto ou influência no Iêmen. A coalizão liderada pela Arábia Saudita tem bombardeado o Iêmen implacavelmente por quase sete anos em uma tentativa de derrubar o Governo de Salvação Nacional (NSG) formado em 2016, que é essencialmente o governo de fato no país que controla a maior parte do Iêmen em termos de população.

A revolução não é de forma alguma perfeita nem unanimemente apoiada em todo o país, e a repressão contra a dissidência e os crimes de guerra cometidos estão bem documentados. É também uma revolução incompleta, no sentido de que o sul já é disputado entre as forças apoiadas pelos sauditas que lutam em nome do governo de Hadi e o Conselho de Transição do Sul (STC) apoiado pelos Emirados Árabes Unidos, particularmente sobre a cidade portuária de Aden, destinada a ser a capital interina do governo Hadi, mas sob o controle do STC desde 2019. No entanto, as forças conjuntas do exército houthi reiteraram sua intenção de mais uma vez “libertar” Aden e o resto do país, embora seu foco imediato seja no reduto pró-governo remanescente do norte de Marib. Também persiste a ameaça das células da Al-Qaeda e do Daesh, que permanecerão um desafio de segurança considerável previsível no futuro.

O falecido Professor Fred Halliday, que se especializou em relações internacionais (RI) e no Oriente Médio, explicou no Rethinking International Relations que, para os realistas das Relações Internacionais, que, “as revoluções tendem a ser vistas em termos de mudanças nos estilos de política externa e nas prioridades dos Estados”, que as revoluções representam “um colapso em um mundo de outra forma ordenado”.

As autoridades baseadas em Sanaa podem ser descritas como claramente alinhadas com o Irã e seus aliados regionais, partindo de décadas sob o patrocínio saudita.

Halliday também afirmou que “todos os estados revolucionários, quase sem exceção, têm procurado promover a revolução em outros estados. O desafio que eles representam para o sistema internacional não é tanto que eles proponham uma nova forma de diplomacia, ou conduzam as relações internacionais de uma forma distinta, mas que façam da alteração das relações sociais e políticas em outros Estados uma parte importante de sua política externa e se considerem como tendo não apenas o direito, mas a obrigação de conduzir sua política externa com base nisso ”.

Isso pode ser evidenciado na ameaça real representada para os sauditas, especificamente suas províncias do sul, que historicamente faziam parte do Iêmen. Já escrevi sobre a província de Najran ser a linha de falha do reino, fazendo fronteira com o Iêmen e com uma população Zaydi significativa e uma população ismaelita ainda maior. As forças houthis realizaram inúmeras incursões transfronteiriças e reivindicaram, no passado, a libertação de territórios dos sauditas.

Essa perturbação da ordem regional, a propensão a exportar suas ideias para o outro lado da fronteira e a visão de que o Iêmen sob o NSG está lutando para ser uma nação livre, são as razões pelas quais o país se destaca entre os estados árabes como um estado revolucionário, o único de fato desde a Primavera Árabe. Aliás, é o único que está sendo punido por sua revolução. Esses paralelos podem ser encontrados com o Irã após a Revolução Islâmica em 1979, que enfrentou quase imediatamente uma invasão devastadora e uma guerra com o Iraque e sanções. Hostilidades e ameaças de ação militar de seus inimigos permanecem até hoje. Isso mostra que não pode haver revolução real sem repercussões a enfrentar ou ir contra o status quo. Se as outras “revoluções” tivessem sido bem-sucedidas ou trouxessem mudanças reais na política externa, certamente saberíamos disso.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ÁfricaArábia SauditaArtigoBahreinEmirados Árabes UnidosIêmenLíbiaOpiniãoOriente MédioSíriaTunísia
Show Comments
Show Comments