Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Quase 50% das vítimas de abuso sexual em Israel são menores de idade

Mulheres em Tel Aviv protestam contra estupro e feminicídio em 8 de fevereiro de 2021 [Jack Guez/ AFP / Getty Images]

Quase 5.000 dos 8.508 casos de abuso sexual relatados em Israel em 2019-20 envolveram vítimas de até 17 anos, revelou um levantamento do Knesset. O relatório foi publicado hoje para o Comitê para o Avanço das Mulheres e Igualdade de Gênero, presidido pela parlamentar Aida Touma-Sliman, da Lista Conjunta.

De acordo com o relatório da Associação de Centros de Crise de Estupro (ARCCI), a categoria de crime mais amplamente relatada foi estupro ou tentativa de estupro, que envolveu 37 por cento de todas as chamadas de ajuda feitas para linhas diretas. Além disso, embora os números mostrassem que 89 por cento dessas chamadas eram de mulheres, 57 por cento do total eram relativas a menores e 33 por cento envolviam menores com idades compreendidas entre os 13 e os 18 anos. Além disso, todos os pedidos se referiam a autores do crime já conhecidos das vítimas e em 32 por cento dos casos o primeiro era um familiar.

“Os homens constituem a maioria absoluta dos suspeitos nos processos policiais por crimes sexuais com vítimas registradas, independentemente da idade ou sexo da vítima”, confirmou o relatório.

Em 2019 e 2020 juntos, mais de 10.000 casos de crime sexual envolveram uma vítima registrada, e nenhuma diferença significativa foi encontrada no número de casos registrados por ano, com quase 5.200 registrados em 2019 e um número semelhante em 2020. Isso se deve em grande parte a acusações de assédio sexual e indecência pública, bem como os bloqueios do ano passado, relatou o Jerusalem Post.

LEIA: Hackers vazam detalhes particulares de soldados israelenses

“Os dados compilados pela ARCCI mostram que a epidemia de violência sexual ainda é um dos maiores desafios que enfrentamos como sociedade”, disse Touma-Sliman, antes do Dia Internacional pela Eliminação da Violência contra as Mulheres, que será evocado na quinta-feira. “Os dados mostram que a agressão sexual, especialmente após o difícil período de covid-19, não isenta ninguém – homens e mulheres, crianças e adultos, jovens e velhos.”

A parlamentar apontou que um aumento no número de ligações para linhas diretas mostra um importante aumento na conscientização. “As mulheres e as pessoas que foram prejudicadas hoje sabem cada vez mais que a violência sexual é ilegal e ilegítima em todos os contextos. Este é um desenvolvimento importante e essa consciência precisa ser fortalecida ainda mais”.

Ela acrescentou, porém, que 80 por cento dos casos abertos não levam a uma acusação. “A conclusão é que existem outros problemas intrínsecos à polícia e ao Ministério Público que lidam com o fenômeno.”

O diretor-geral da ARCCI, Orit Sulitzeanu, explicou: “Nosso relatório anual revela a lacuna entre a mudança bem-vinda no discurso público nos últimos anos e a contínua incapacidade do estado de lidar com o fenômeno da violência sexual. Coletamos e publicamos esses dados para mostrar que isso não é uma questão localizada, mas um problema sistemático e abrangente. Apelamos ao novo governo para olhar para este quadro e compreender que os problemas sistêmicos requerem soluções sistêmicas. “

Categorias
IsraelNotíciaOriente Médio
Show Comments
Show Comments