Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Bachelet pede o restabelecimento do regime civil após a tomada militar do Sudão

Sudaneses se manifestam pedindo o fim da intervenção militar e a transferência da administração para civis em Cartum, Sudão, em 30 de outubro de 2021. [Mahmoud Hjaj - Agência Anadolu]
Sudaneses se manifestam pedindo o fim da intervenção militar e a transferência da administração para civis em Cartum, Sudão, em 30 de outubro de 2021. [Mahmoud Hjaj - Agência Anadolu]

A tomada militar no Sudão é “profundamente perturbadora” e que o regime civil deve ser restaurado com urgência, disse a chefe dos direitos humanos da ONUs, Michelle Bachelet, na sexta-feira.

Ela discursou durante uma sessão especial do Conselho de Direitos Humanos da ONU sobre as implicações da situação em curso no Sudão após 25 de outubro no país do nordeste africano. Isso, disse ela, “lembra uma página sombria da história do país em que a liberdade de expressão foi sufocada e os direitos humanos foram amplamente reprimidos”.

A situação sudanesa “trai a revolução corajosa e inspiradora de 2019 e viola tanto o direito internacional dos direitos humanos quanto o próprio documento constitucional do país e outros documentos fundamentais da transição”, disse Bachelet em Genebra.

O pedido especial para a sessão foi feito pelo Reino Unido, Estados Unidos, Noruega e Alemanha, e apoiado por mais de 45 nações que observaram a decisão do Conselho de Paz e Segurança da União Africana de suspender o Sudão de participar de todas as atividades da UA após a tomada militar.

LEIA: Chefe da ONU urge restauração da legitimidade no Sudão

Os governos reunidos estão pedindo aos militares sudaneses que dialoguem com os líderes civis para permitir o restabelecimento imediato do governo de transição do Sudão.

Nações como China, Rússia e Venezuela se opuseram à realização da sessão, alegando que ela infringia a soberania do Sudão.

“Muitas pessoas – incluindo ministros do governo, membros de partidos políticos, advogados, ativistas da sociedade civil, jornalistas, defensores dos direitos humanos e líderes de protesto – foram presos e detidos”, disse Bachelet.

Ela lembrou que o Conselho de Segurança da ONU pediu na semana passada a libertação imediata de todos os presos e detidos desde a tomada militar, dizendo que isso é essencial para iniciar um diálogo urgentemente necessário e um rápido retorno ao governo civil.

“Os protestos de rua massivos desde 25 de outubro, em vários casos, encontraram o uso excessivo de força, incluindo o uso de munição real”, disse Bachelet.

Ela citou fontes médicas de pelo menos 13 civis mortos por militares e forças de segurança desde 25 de outubro, e mais de 300 feridos.

Bachelet disse que o uso desproporcional e mortal da força pelos militares sudaneses e outras forças de segurança deve terminar imediatamente, e os responsáveis ​​por violações dos direitos humanos devem ser totalmente responsabilizados.

LEIA: Sudão aprova nomeações para o Conselho Soberano

“Em um país onde mulheres e meninas têm sido líderes ativas no movimento pela democracia e pelos direitos humanos, muitas mulheres ativistas foram presas, assediadas, ameaçadas e, em muitos casos, espancadas enquanto participavam de protestos”, disse disse ela.

“Fui informada de que todas as estações de rádio e televisão do país deixaram de transmitir, com exceção da televisão nacional do Sudão e da rádio Omdurman, que são controladas pelas autoridades militares.”

Ela disse que os jornais deixaram de ser impressos e também ocorreram invasões em vários escritórios de organizações da sociedade civil.

Categorias
ÁfricaNotíciaONUOrganizações InternacionaisSudão
Show Comments
Show Comments