Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Fundo de pensão nova iorquino vai se desfazer da Ben&Jerry’s por causa da retirada da marca dos assentamentos de Israel

Uma bandeira israelense é colocada no topo de um caminhão de entrega do lado de fora da fábrica de sorvete americana Ben&Jerry em Be'er Tuvia, em 21 de julho de 2021 [Emmaniel Dunand/AFP via Getty Images]

O fundo de pensão do estado de Nova Iorque disse que vai cortar suas ações na Unilever, empresa controladora da Ben&Jerry, com sede em Londres, como resultado da decisão da sorveteria de parar de vender seus produtos em assentamentos ilegais localizados nos territórios palestinos ocupados.

Thomas DiNapoli, o controlador do estado, disse, na semana passada, que a decisão da Ben&Jerry em julho de interromper a venda de seus produtos em assentamentos baseados nos territórios palestinos ocupados por Israel violou a política de seu escritório contra o movimento de Boicote, Desinvestimento e Sanção (BDS) contra Israel.

“Após uma revisão completa, o Fundo Comum de Aposentadoria do Estado de Nova Iorque irá alienar suas participações acionárias na Unilever PLC. Nossa revisão das atividades da empresa e de sua subsidiária Ben&Jerry’s revelou que eles estavam envolvidos em atividades do BDS de acordo com a política de nosso fundo de pensão”, disse DiNapoli em um comunicado ao The Post.

O Fundo Conjunto de Aposentadoria do Estado de Nova Iorque tem uma participação acionária total na Unilever no valor de US$ 111 milhões, acrescentou. O fundo público é o terceiro maior de pensão dos Estados Unidos.

A mudança ocorre depois que a diretora de governança corporativa da DiNapoli, Liz Gordon, enviou um aviso ao CEO da Unilever, Alan Jope, de que a Ben&Jerry’s estava se envolvendo em uma ação do BDS contra Israel.

LEIA: Flórida deixa de investir na empresa matriz do grupo Ben & Jerry’s

Jope respondeu em agosto defendendo as ações da Ben & Jerry, dizendo que a Unilever não intervém nas ações tomadas pelos conselhos “independentes” ou na “missão social” de suas marcas.

Em uma carta, Jope disse: “A Unilever tem um compromisso forte e de longa data com nossos negócios em Israel. Empregamos quase 2.000 pessoas no país em nossas quatro fábricas e sede, e investimos aproximadamente US$ 250 milhões no mercado israelense na última década”.

“Nessa decisão, não foi diferente. A Be&Jerry’s também deixou claro que, embora a marca não esteja presente na Cisjordânia a partir de 2023, ela permanecerá em Israel por meio de um acordo comercial diferente”, acrescentou.

Funcionários da previdência em outros estados, incluindo Nova Jersey, Nova Iorque, Arizona, Texas, Illinois, Maryland e Rhode Island, também estão em processo de desinvestimento da Unilever ou considerando a mudança, de acordo com a Agência Telegráfica Judaica.

Após a reação, os fundadores da Ben&Jerry’s declararam que eles são “judeus orgulhosos”, que Israel foi um de seus primeiros mercados no exterior e que eles são “apoiadores do Estado de Israel”.

No entanto, eles transmitiram em um artigo de opinião publicado pelo New York Times: “É possível apoiar Israel e se opor a algumas de suas políticas, assim como nos opomos às políticas do governo dos Estados Unidos”.

Categorias
Ásia & AméricasBDSEstados UnidosIsraelNotíciaOrganizações InternacionaisOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments