Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Israelenses Contra o Apartheid se unem contra designação de terrorismo de seis grupos palestinos

Ativistas palestinos ficam em frente a um graffiti, de 11 a 17 de março de 2013, na África do Sul [Rajesh Jayantilal/AFP via Getty Images]

Os Israelenses Contra o Apartheid se juntaram à condenação quase universal da recente decisão de proibir seis organizações palestinas de direitos humanos, rotulando-as de grupos terroristas. O grupo judeu israelense, que tem mais de mil signatários, rebateu a decisão em uma carta aberta ontem instando as pessoas a se juntarem ao movimento global de Boicote, Desinvestimento e Sanções (BDS) para acabar com o regime de apartheid brutal de Israel.

“Nós, cidadãos israelenses, estamos em solidariedade absoluta com os grupos palestinos de direitos humanos e seu admirável trabalho pela justiça, em face do recente ataque à sua existência e sua rotulagem como organizações terroristas”, disseram os Israelenses Contra o Apartheid. Eles argumentaram que, como todo regime colonial, esmagar a sociedade civil colonizada tem sido a pedra angular das políticas israelenses desde sua criação, tanto dentro das fronteiras de 1948 quanto nos territórios que ocupou em 1967.

“Criminalizar qualquer forma de dissidência e resistência dos palestinos, rotulando-os de terroristas e, ao mesmo tempo, chamar suas próprias práticas coloniais de opressão e expropriação de ‘autodefesa’ é essencial para sustentar o sistema de colonos-Apartheid de Israel”, o grupo continuou.

Os Israelenses Contra o Apartheid mencionaram a importância do trabalho realizado pelos grupos palestinos proibidos na documentação das violações dos direitos humanos israelenses e na proteção de não judeus relegados a cidadãos de segunda e terceira classes em sua pátria histórica.

Sob a decisão, emitida na semana passada, os trabalhos de Addameer, Al-Haq, Defesa das Crianças-Palestina, União dos Comitês de Trabalho Agrícola, Centro Busan para Pesquisa e Desenvolvimento e os Comitês da União de Mulheres Palestinas foram proibidos.

Nenhuma evidência foi fornecida para banir os seis grupos, no entanto representantes do serviço de segurança Shin Bet e do Ministério das Relações Exteriores de Israel serão enviados aos Estados Unidos para diminuir a preocupação em Washington sobre o extremo autoritarismo de Tel Aviv.

LEIA: A violência dos colonos e a teia impenetrável da impunidade de Israel

O movimento foi amplamente condenado, inclusive pela ONU, que denunciou a designação do terrorismo como um ataque à sociedade civil palestina. A congressista norte-americana Rashida Tlaib também criticou a decisão. “A rotulagem do regime do apartheid de grupos de direitos humanos premiados como organizações terroristas – só porque falam a verdade sobre a violência de Israel e seu impacto humano – é grosseiramente antidemocrático e perigoso”, disse Tlaib instando os EUA a encerrar o financiamento para abusos de direitos humanos.

Os Israelenses Contra o Apartheid descreveram a designação de terrorismo como “parte dos esforços contínuos de Israel para apagar as tradições, parentesco e economia da sociedade palestina e colocá-la de joelhos”.

Instando as pessoas a se unirem ao chamado da sociedade civil palestina para se juntar ao movimento BDS, o grupo disse: “Convocamos aqueles que estão horrorizados com o apartheid de Israel e por sua tentativa de esmagar as organizações de direitos humanos, a se juntar a nós no apoio às organizações sob ataque”.

Israel não encerrará sua ocupação e regime de apartheid por livre e espontânea vontade, eles insistiram, argumentando que um esforço conjunto é necessário para levar a um fim, assim como a campanha do BDS contra o apartheid na África do Sul décadas atrás.

Categorias
ÁfricaÁfrica do SulIsraelNotíciaOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments