Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Israel classifica seis ONGs palestinas como “organizações terroristas”

Em uma declaração, o escritório de Gantz disse que eles são "parte de uma rede de organizações que operam sob cobertura na arena internacional" em nome da PFLP, um grupo de resistência marxista-leninista.

O Ministro da Defesa israelense Benny Gantz declarou nesta sexta-feira seis grupos da sociedade civil palestina como organizações terroristas, acusando-os de ligações com a Frente Popular para a Libertação da Palestina (PFLP), relatou o Middle East Eye.

Entre os acusados de “terrorismo” está o proeminente grupos de defesa Addameer, que apóia os presos políticos palestinos, o Al-Haq, uma organização de direitos humanos que trabalha com as Nações Unidas e a ONG Defense for Children International – Palestine (DCIP), que defende o direito das crianças na Palestina. Também estão listados a União dos Comitês de Trabalho Agrícola, o Centro Bisan de Pesquisa e Desenvolvimento e a União dos Comitês de Mulheres Palestinas. “A lista inclui alguns dos grupos mais vitais que trabalham nos territórios ocupados”, escreve o editor-chefe da +972 Magazine, Edo Konrad.

Em uma declaração, o escritório de Gantz disse que eles são “parte de uma rede de organizações que operam sob cobertura na arena internacional” em nome da PFLP, um grupo de resistência marxista-leninista.

“Estas organizações operam sob o disfarce de ‘organizações da sociedade civil’, mas na prática pertencem e formam um braço da liderança da organização, cujo objetivo é destruir Israel enquanto participa de atos terroristas”, afirmou, acusando os grupos de serem controlados pelo PFLP e empregarem “agentes que estavam envolvidos em atividades terroristas”.

A atitude foi denunciada pelo grupo israelense de direitos humanos B’Tselem, que afirmou que a mudança “é um ato característico dos regimes totalitários, com o claro propósito de fechar essas organizações”.

“Mas a guerra não é paz, a ignorância não é poder – e o governo atual não é um governo de mudança, mas um governo de continuação do violento regime do apartheid que está em vigor há muitos anos entre o mar e o rio Jordão”, afirmaram. “B’Tselem está solidário com nossos colegas palestinos, orgulhoso de nosso trabalho conjunto com eles ao longo dos anos – e continuará a fazê-lo”.

“Durante anos, grupos palestinos e israelenses de direitos humanos advertiram que Israel estava escalando seus ataques à sociedade civil. Agora o governo declarou seis importantes ONGs palestinas como ‘organizações terroristas’, com base na ridícula alegação de que elas servem como ‘armas’ do PFLP”, escreveu no Twitter Amjad Iraqi, editor da +972.

LEIA: Israel expulsa chefe do Comitê de Cemitérios Islâmicos de Jerusalém

“Este é um momento horripilante. Anos de impunidade alimentaram a arrogância autoritária de Israel, ensinando-lhe que, por mais que aprofunde o apartheid, seus aliados na Europa e nos Estados Unidos não farão nada. Essa arrogância continua com o governo de Bennett-Lapid, e o mundo ainda a permite”.

De acordo com o Middle East Eye, a ação de Gantz é um duro golpe para a sociedade civil palestina. Addameer fornece representação gratuita e aconselhamento legal a centenas de prisioneiros palestinos, muitos dos quais estão presos em prisões israelenses indefinidamente e sem acusação. Também documenta as violações israelenses e destaca os maus-tratos a menores palestinos.

A Al-Haq, entretanto, pesquisa e documenta violações do direito humanitário internacional na Cisjordânia ocupada, em Jerusalém Oriental e na Faixa de Gaza. O grupo diz que documenta violações “independentemente da identidade do perpetrador”.

O DCIP promove e protege os direitos humanos das crianças palestinas, oferecendo assistência jurídica gratuita, documentando violações do direito internacional e advogando por maiores proteções.

A União dos Comitês de Mulheres Palestinas luta para capacitar as mulheres para alcançar a equidade real entre homens e mulheres, assim como a equidade entre todas as classes sociais.

LEIA: A violência dos colonos e a teia impenetrável da impunidade de Israel

A União dos Comitês de Trabalho Agrícola é uma organização agrícola líder na Palestina que trabalha para apoiar os pequenos agricultores e comunidades vulneráveis.

O centro Bisan trabalha com organizações juvenis, instituições feministas e organizações da sociedade civil em áreas marginalizadas e rurais de toda a Palestina para apoiar sua luta no avanço de seus direitos socioeconômicos, Bisan tem sido capaz de fomentar iniciativas e eventos culturais que decorrem da crença de Bisan em apoiar a participação de jovens e mulheres.

Categorias
IsraelNotíciaOriente MédioPalestinaVídeos & Fotojornalismo
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments