Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Egito busca fortalecer as relações com Uganda ao inaugurar centro de saúde

Ministro da Saúde do Egito Hala Zayed, 1 de abril de 2020 [arabnews]

O ministro da saúde egípcio, Hala Zayed, inaugurou um centro médico na cidade de Jinja, em Uganda, a fim de solidificar as relações com o país africano.

Hala Zayed disse que o Egito forneceu apoio e ajuda a 22 países da África como parte da luta contra a pandemia global do coronavírus.

Em abril, Uganda e Egito assinaram um acordo de compartilhamento de inteligência militar enquanto as tensões entre Egito e Etiópia fervilhavam sobre a Barragem do Renascimento.

Na época, o Major General Abel Kandiho, chefe da inteligência ugandesa, disse que o acordo marcava o intercâmbio regular de informações, por exemplo, sobre terrorismo.

Ele segue a assinatura de vários acordos e memorandos entre os dois países, inclusive sobre eletricidade, usinas de energia solar e no campo da agricultura.

LEIA: Egito condena âncoras de TV a 15 anos por ‘laços com a Irmandade’

O Egito tem forjado laços estreitos com outros países da Bacia do Nilo, incluindo Sudão e Burundi, para formar uma aliança contra a barragem de Adis Abeba, que diz que vai colocar o Egito na pobreza hídrica.

A abertura do centro de saúde em Uganda aconteceu apesar das críticas generalizadas de dentro do Egito sobre seu próprio sistema de saúde, que está à beira do colapso após anos de subfinanciamento e corrupção que tem sido exacerbada pela pandemia.

O Egito está atualmente em sua quarta onda de coronavírus, mas não implementou medidas preventivas. No final de setembro, o sindicato médico do Egito anunciou que 600 médicos haviam morrido desde o início da pandemia.

Como o vírus atingiu pela primeira vez países em todo o mundo no ano passado, os críticos acusaram o Cairo de enviar ajuda médica às pessoas que ele queria ter ao seu lado, em vez de aos seus próprios hospitais que estavam lutando para lidar com a doença.

O governo enviou equipamento médico para a Itália como parte de um plano para aplacar o país que está processando quatro de seus membros sênior da força de segurança pela tortura e assassinato do estudante italiano de doutorado Giulio Regeni.

Categorias
ÁfricaÁfricaBurundiEgitoEtiópiaNotíciaSudãoUganda
Show Comments
Show Comments