Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Egito condena âncoras de TV a 15 anos por ‘laços com a Irmandade’

Apresentador de televisão Moataz Matar [Moataz Matar/Twitter]

A Corte Penal de Zagazig, na província de Sharqiya, norte do Egito, sentenciou os apresentadores de televisão Moataz Matar e Hossam el-Shorbagy a 15 anos de cadeia, durante julgamento in absentia, acusados de “desacato” e “filiação à Irmandade Muçulmana”.

Matar, âncora na Al Sharq TV, e el-Shorbagy, que trabalha na Mekameleen, foram indiciados em novembro de 2019, após denunciaram um juiz por abuso de sua autoridade.

A imprensa local reportou que, em 2015, Matar foi condenado a dez anos de prisão e multa de 700 libras egípcias (US$44.57) por “incitar a queda do regime e espalhar fake news”.

O Egito costuma perseguir críticos do presidente e general Abdel Fattah el-Sisi.

Muitos prisioneiros políticos são acusados de ligação com a Irmandade Muçulmana, grupo criminalizado pelo atual regime, a fim de condená-los como “terroristas”, incluindo pena capital. Mesmo críticos do movimento são mantidos sob tais alegações.

LEIA: “Não serei chantageada:” Ghada Najibe responde ao pedido da Turquia sobre deixar de postar nas mídias sociais

Categorias
ÁfricaEgitoNotícia
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments