Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

‘A UE não pode permanecer em silêncio enquanto Israel destrói casas da Palestina’, afirma parlamentar europeu

Bulldozers israelenses apoiados por forças policiais derrubam uma oficina de manutenção de carros pertencente a uma família palestina na área de Harayik, Hebron, Cisjordânia, em 25 de agosto de 2021 [Mamoun Wazwaz/Agência Anadolu]

O membro do Parlamento Europeu Chris MacManus afirmou que a União Europeia (UE) não pode continuar calada enquanto novos dados mostram um aumento acentuado na demolição de casas palestinas pela ocupação israelense, informou a Wafa na sexta-feira.

“De janeiro a agosto deste ano, as autoridades israelenses demoliram ou apreenderam 118 estruturas de propriedade de palestinos em toda a Cisjordânia, incluindo Jerusalém Oriental”, anunciou MacManus em um comunicado.

“Isso representa um aumento de 38 por cento em comparação com o mesmo período de 2020”, disse ele, apontando que “os dados coletados usam o termo ‘estruturas’, mas deve-se perceber que um número significativo dessas são casas de famílias”.

Ele acrescentou: “As demolições resultaram no deslocamento de 191 pessoas, incluindo 116 crianças. A destruição também incluiu prédios públicos, deixando mais de 1.400 pessoas sem acesso aos serviços”.

O parlamentar continuou: “As autoridades israelenses tentam se esconder atrás do fato de que os prédios não tinham permissão, mas esquecem de mencionar que somente eles têm autoridade para conceder tal permissão e optam por não fazê-lo, o que deixa os residentes palestinos sem escolha”.

LEIA: Israel destrói um dos mais antigos cemitérios muçulmanos perto da Mesquita de Al-Aqsa

MacManus sublinhou que “esta é uma limpeza étnica no seu nível mais básico”, apelando aos líderes da UE para que se levantem pelos oprimidos.

“Surpreendentemente, a UE busca continuar os negócios normalmente com Israel, ignorando o fato de que, em média, pelo menos quinze das estruturas demolidas a cada mês foram construídas com fundos da UE”, explicou ele.

“Em que outra situação seria considerado razoável negociar com um país que sistematicamente mina seus esforços para ajudar os oprimidos? Eu verifiquei os dados e parte desse financiamento veio da Irlanda.”

De acordo com MacManus, as ações de Israel: “São projetadas para tornar a solução de dois estados impraticável, à medida que plantam colonos israelenses em toda a área que faz parte do Estado palestino reconhecido internacionalmente. Todas as demolições devem ser interrompidas e os colonos devem ser ordenados a deixar os territórios palestinos que ocuparam ilegalmente na Cisjordânia. ”

Concluindo sua declaração, MacManus expressou: “Acredito que é hora de a UE se levantar contra Israel e deixar perfeitamente claro que não está preparada para concordar com o enfraquecimento de seu trabalho na Palestina. A UE deve viver de acordo com sua própria retórica, que representa os direitos humanos e a paz”.

Categorias
IsraelNotíciaOrganizações InternacionaisOriente MédioPalestinaUnião Europeia
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments