Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Israel aprova milhares de assentamentos ilegais em Jerusalém Oriental

Uma visão geral de Ma'ale Adumim, um assentamento israelense ilegal em Jerusalém, em 16 de março de 2021 [Mostafa Alkharouf/Agência Anadolu]

Um comitê de planejamento israelense aprovou ontem planos para avançar a construção de milhares de casas em Givat Hamatos, um assentamento ilegal de Jerusalém Oriental que ameaça isolar partes da cidade de seus residentes palestinos e da Cisjordânia.

De acordo com o ativista do Paz Agora Hagit Ofran, a área palestina de Khirbet Tabalya, a sudoeste da cidade, já havia sido alocada para uso em Givat Hamatos. Ela descreveu a aprovação de ontem como um “movimento burocrático”.

“A desapropriação é necessária para fazer o plano avançar. Mas o plano como um todo está avançando – parece um negócio fechado”, disse Ofran.

O assentamento ilegal atualmente consiste em um conjunto de caravanas e casas móveis construídas no início da década de 1990 para colonos etíopes.

De acordo com o Jerusalem Post, o membro israelense do comitê de planejamento e construção Yehuda Freudiger disse: “Fiquei feliz hoje por ser um parceiro no avanço do plano de construção de Givat Hamatos. Jerusalém anseia por terrenos para construção, Givat Hamatos é um lugar ideal para isso, não agride a natureza e está perto de bairros existentes. Todos os amantes de Jerusalém e amantes do meio ambiente e da proteção da natureza devem fazer todo o possível para promover o plano e não permitir que pressões políticas o atrasem”.

O anúncio da desapropriação ocorre apenas um dia depois que o ministro das Relações Exteriores de Israel, Yair Lapid, se encontrou com o vice-presidente dos Estados Unidos, Kamala Harris, em Washington.

LEIA: Colonos israelenses arrancam 900 oliveiras em fazendas palestinas

Apesar dos repetidos avisos dos aliados de Israel contra a construção de assentamentos na Cisjordânia – todos ilegais segundo a lei internacional – o governo Bennet continuou a avançar com a construção.

A UE assinalou no início deste ano que a implementação desses planos, especialmente a construção de unidades habitacionais adicionais no assentamento de Givat Hamatos perto do assentamento de Har Homa, “cortaria a ligação entre Jerusalém Oriental e Belém e prejudicaria as negociações para uma solução de dois estados”.

A declaração da UE também lembrou Israel de que “todos os assentamentos nos territórios palestinos ocupados são ilegais de acordo com a lei internacional. A União Europeia reitera seu apelo ao governo israelense para parar de construir assentamentos e reverter urgentemente suas decisões recentes”.

Categorias
IsraelNotíciaOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments