Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

EUA ficarão na Síria para lutar contra o Daesh, disse oficial curdo

Uma das principais líderanças políticos da aliança curda síria e co-presidente do Conselho Democrata Sírio, Ilham Ahmed, faz um discurso durante uma conferência de imprensa, em Paris, em 21 de dezembro de 2018 [STEPHANE DE SAKUTIN/AFP via Getty Images]

Um importante político curdo sírio disse ontem que os Estados Unidos permanecerão na Síria para destruir Daesh, construir infraestrutura e continuar sendo um ator na busca de um acordo político após mais de dez anos de guerra civil, relata a Reuters.

Os curdos, que vivem na região montanhosa que atravessa as fronteiras da Síria, Armênia, Iraque, Irã e Turquia, conseguiram se autodeterminar através do nordeste da Síria durante a guerra civil que começou em 2011.

O presidente Bashar Al-Assad foi apoiado pela Rússia e pelo Irã enquanto a milícia curda síria YPG foi apoiada pelos Estados Unidos. Mas em 2019, o então presidente Donald Trump tirou a maioria das forças norte-americanas da Síria para permitir uma ofensiva turca contra os curdos.

A caótica retirada ocidental do Afeganistão alimentou a preocupação em todo o Oriente Médio de que o sucessor de Trump, Joe Biden, pudesse abandonar aliados em toda a região, pois Washington percebeu que a China era o principal desafio estratégico.

LEIA: Grupo paramilitar curdo reprime ato contra recrutamento infantil na Síria

Mas Ilham Ahmed – presidente do comitê executivo do Conselho Democrata Sírio, o braço político do YPG – disse que os Estados Unidos deram um claro compromisso com os curdos.

“Eles prometeram fazer o que fosse necessário para destruir o Estado Islâmico [Daesh] e trabalhar para construir a infra-estrutura no nordeste da Síria”, disse ele à Reuters após reuniões em Washington com representantes da Casa Branca, do Departamento de Estado e do Pentágono.

“Eles disseram que vão ficar na Síria e não se retirarão – continuarão lutando contra o Estado Islâmico”, disse Ahmed. “Antes não estavam claros sob Trump e durante a retirada afegã, mas desta vez eles deixaram tudo claro”.

Os curdos minoritários da Síria, que foram discriminados pelo partido Baath, o partido pan-árabe do governo Al-Assad, dirigem uma administração civil que governa os assuntos de vários milhões de sírios que outrora governaram a partir de Damasco.

Os curdos pediram aos americanos que ajudassem a reabrir a passagem da fronteira Al-Yaarubiyah entre a Síria e o Iraque para ajuda internacional, e que desempenhassem um papel na ajuda a um acordo político, disse Ahmed.

Ahmed, que se encontrou com o ministro das Relações Exteriores russo Sergei Lavrov em Moscou no mês passado, disse que os curdos também têm falado com os russos – “o principal protagonista na Síria” e o mais forte apoiador do regime de Assad – e estão prontos para o diálogo com o Irã também.

Os curdos têm falado com Damasco na tentativa de chegar a um acordo político.

Categorias
Ásia & AméricasEstados UnidosEuropa & RússiaIrãIraqueNotíciaOriente MédioRússiaSíria
Show Comments
Show Comments