Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Grupo paramilitar curdo reprime ato contra recrutamento infantil na Síria

Polícia militar das Unidades de Proteção Popular do Curdistão (YPG), na Síria, 24 de fevereiro de 2018 [Delil Souleiman/AFP/Getty Images]
Polícia militar das Unidades de Proteção Popular do Curdistão (YPG), na Síria, 24 de fevereiro de 2018 [Delil Souleiman/AFP/Getty Images]

A polícia militar das Unidades de Proteção Popular do Curdistão (YPG), que governam a região nordeste da Síria, assolada pela guerra civil desde 2011, dispararam contra manifestantes que protestavam contra o recrutamento forçado de crianças nesta semana.

Oito pessoas foram mortas e 27 ficaram feridas.

Na segunda e terça-feira — 31 de maio e 1° de junho — protestos na cidade de Manbij denunciaram o recrutamento de menores pelo grupo paramilitar curdo nas áreas sob seu controle e enfrentaram forte repressão, incluindo disparos de munição real.

A organização angaria posições divergentes e controversas em âmbito internacional.

Embora países ocidentais reconheçam em suas fileiras a presença de combatentes pela liberdade contra o Daesh (Estado Islâmico) e contra a ditadura de Bashar al-Assad, nos últimos dois anos, o YPG tornou-se alvo de escrutínio cada vez maior.

Relatos sugerem o recrutamento compulsório de crianças às suas forças militares, medida considerada ilegal conforme a lei internacional.

LEIA: Turquia apoia inquérito de Haia sobre Israel, confirma presidente do parlamento

A Turquia alega que a coalizão de oposição na Síria, liderada por curdos, representa uma extensão armada do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), considerado grupo terrorista por Ancara, União Europeia e Estados Unidos.

Invasões contra aldeias e cidades árabes para recrutar menores foram confirmadas pelas Nações Unidas, em 2019, e pelo Pentágono, no último ano.

O Departamento de Estado americano — que concede apoio aos grupos curdos como parte de sua “guerra ao terror” — emitiu um comunicado a “todas as partes na Síria para respeitar liberdades fundamentais e direitos humanos, incluindo manifestação pacífica”.

Um oficial anônimo do Departamento de Estado reiterou: “Regularmente debatemos direitos humanos com os líderes da FDS [Forças Democráticas da Síria], como parte integral dos esforços para promover a estabilidade no nordeste sírio e garantir a derrota do Daesh”.

Após a resposta de Washington, o YPG supostamente acatou as demandas de Manbij e anunciou o fim do recrutamento obrigatório, punição àqueles que dispararam contra os protestos e soltura de todos prisioneiros detidos durante o ato.

LIEA: Turquia e Azerbaijão manterão diálogo militar em junho

Categorias
Ásia & AméricasEUAEuropa & RússiaNotíciaOriente MédioSíriaTurquia
Show Comments
Show Comments