Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

O pai de Britney Spears contratou uma empresa de vigilância de Israel para espioná-la

Fãs e apoiadores de Britney Spears seguram cartazes enquanto se reúnem do lado de fora do Tribunal do Condado em Los Angeles, Califórnia, em 23 de junho de 2021 [Frederic J. Brow/AFP via Getty Images]

O pai da cantora americana Britney Spears contratou uma empresa de vigilância israelense para gravar suas ligações e comunicações, disse um ex-funcionário da empresa em um documentário do New York Times.

De acordo com o documentário, lançado na sexta-feira com o título “Controlando Britney Spears”, James Spears usou a Black Box Security para capturar gravações de áudio de seu quarto, incluindo conversas com seu namorado e filhos durante sua tutela judicial.

Alex Vlasov, um ex-assistente e gerente de operações de segurança cibernética da Black Box Security, disse ao New York Times: “Isso realmente me lembrou de alguém que estava na prisão. E a segurança foi colocada em uma posição para ser essencialmente os guardas da prisão”.

O executivo-chefe e fundador da Black Box, Edan Yemini, nasceu em Israel e é descrito como tendo experiência nas Forças Especiais de Israel no site da empresa.

LEIA: Usuários da Apple devem atualizar aparelhos contra spyware de Israel

O New York Times relatou que as conversas provavelmente foram gravadas sem o consentimento de ambas as partes – uma violação da lei – e que não estava claro se o tribunal que supervisionava a tutela de Spears estava ciente ou havia aprovado a vigilância.

Um advogado de Edani disse em um comunicado que sua empresa de segurança Black Box “sempre se comportou dentro dos limites profissionais, éticos e legais, e estão particularmente orgulhosos de seu trabalho em manter Spears segura por muitos anos”.

Enquanto isso, os advogados de Jamie Spears negaram que ele tivesse acesso a “ligações, mensagens de voz ou textos” dela, e alegaram que suas ações “foram feitas com o conhecimento e consentimento de Britney, de seu advogado nomeado pelo tribunal e/ou do tribunal”.

Alex disse que seus superiores explicaram que as medidas severas de vigilância eram para proteger Spears e que ela queria estar na tutela. No entanto, ele se sentiu obrigado a compartilhar suas informações depois que o caso de Spears ganhou ampla atenção após seu depoimento no tribunal em junho, no qual ela criticou o sistema judicial, seus conservadores e gerentes.

“Só porque você está no controle não lhe dá o direito de tratar as pessoas como propriedade. Não parece que ela foi tratada como um ser humano”, acrescentou Alex.

LEIA: Sete milhões de israelenses têm dados pessoais roubados durante ataques de hackers

O advogado de Britney Spears, Mathew Rosengart, disse em um comunicado: “Qualquer interceptação ou monitoramento não autorizado das comunicações de Britney – especialmente comunicações advogado-cliente, que são uma parte sacrossanta do sistema legal – representaria uma violação vergonhosa de seus direitos de privacidade e exemplo notável da privação de suas liberdades civis”.

“Colocar um dispositivo de escuta no quarto de Britney seria particularmente indesculpável e vergonhoso, e corrobora muito de seu testemunho convincente e comovente”, disse ele. “Essas ações devem ser investigadas de forma completa e agressiva.”

Categorias
Ásia & AméricasEstados UnidosIsraelNotíciaOriente Médio
Show Comments
Show Comments