Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

ONU: Estamos em uma encruzilhada com a ocupação israelense, diz Abbas

O Presidente Mahmoud Abbas fez um discurso gravado que foi transmitido antes da 76ª sessão da Assembléia Geral da ONU em Nova York, em 24 de setembro de 2021 [WAFA]

Nesta sexta-feira (24), o presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, fez um discurso pré-gravado que foi transmitido antes da 76ª sessão da Assembleia Geral das Nações Unidas em Nova York. Na declaração, ele afirmou que Israel, a potência ocupante, tem um ano para se retirar do território palestino que ocupou em 1967, incluindo Jerusalém Oriental, e argumentou que sem que esta condição fosse cumprida, o reconhecimento palestino de Israel nas fronteiras de 1967 poderia ser questionável.

“Este é um momento de verdade com o Poder ocupante. Estamos em uma encruzilhada. Já chega. Esta situação não pode continuar e nosso povo não pode mais suportar isto”, disse o presidente da Autoridade Palestina à Assembleia Geral das Nações Unidas, segundo noticiado pela agência de notícias palestina Wafa.

“Estamos prontos para trabalhar durante este ano na delimitação de fronteiras e na solução de todas as questões de status final sob os auspícios do Quarteto internacional e de acordo com as resoluções das Nações Unidas. Se isto não for conseguido, por que manter o reconhecimento de Israel com base nas fronteiras de 1967? Por que manter este reconhecimento?”

Ele continuou: “Nosso povo não se renderá à realidade da ocupação e a suas políticas e práticas ilegais. Eles perseguirão sua justa luta para cumprir seu direito à autodeterminação, e estão disponíveis opções, incluindo retornar a uma solução baseada no plano de partição da resolução 181 (II) adotada em 1947 que dá ao Estado da Palestina 44% da terra, o dobro do espaço previsto nas fronteiras de 1967”.

LEIA: Monarcas da Jordânia e da Arábia Saudita apoiam estado palestino com Jerusalém Oriental como capital

O presidente Abbas afirmou que os palestinos “irão ao Tribunal Internacional de Justiça como órgão judicial supremo internacional, sobre a questão da legalidade da ocupação da terra do Estado palestino”.

“Temos estendido nossas mãos repetidas vezes pela paz e ainda não conseguimos encontrar um parceiro em Israel que acredite e aceite a solução de dois Estados”, afirmou.

Abbas advertiu à comunidade global que “minar a solução de dois Estados baseada no direito internacional e nas resoluções da ONU abrirá o caminho para outras alternativas impostas pela situação no terreno como resultado da continuação da ocupação israelense de nosso Estado”.

Com este ano marcando o 73º aniversário da Nakba, o presidente disse: “Mais da metade do povo palestino foi desenraizado de suas terras e privado de suas propriedades naquela época. Eu, minha família e muitos outros ainda possuímos as escrituras de nossa terra. Estas escrituras estão registradas como parte dos registros das Nações Unidas”.

LEIA: Biden promete ‘diplomacia implacável’ em defesa da democracia

“Os órgãos das Nações Unidas a respeito de uma solução para a questão da Palestina não foram até agora mantidos e implementados, resultando em uma falha em responsabilizar Israel e sancioná-lo por suas violações do direito internacional, permitindo que Israel, que alega ser um Estado democrático, aja como um Estado acima da lei”, acrescentou.

Ele se comprometeu a continuar lutando para libertar todos os prisioneiros políticos palestinos detidos em Israel. “Eu saúdo aqui a posição heróica dos prisioneiros. Se a ocupação terminar, não haverá mais um problema de prisioneiros”.

“Reitero mais uma vez que o povo palestino defenderá sua existência e identidade e não se ajoelhará ou se renderá, não deixará e permanecerá em sua terra defendendo-a, defendendo seu destino e prosseguindo sua grande jornada rumo ao fim da ocupação da terra do Estado da Palestina e de sua capital Jerusalém Oriental”.

Abbas afirmou seu compromisso de alcançar “a unidade de nosso povo e de nossa terra e de realizar eleições legislativas e presidenciais e ao Conselho Nacional Palestino assim que a realização de tais eleições em Jerusalém estiver garantida conforme os acordos assinados”.

LEIA: A face islamofóbica e colonizada do discurso de Bolsonaro na ONU

Categorias
Ásia & AméricasEstados UnidosIsraelNotíciaONUOrganizações InternacionaisOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments