Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

A guerra inacabada de Zakaria Zubeidi

Foto do prisioneiro palestino Zakaria Zubeidi pendurada de uma bandeira na cidade ocupada de Salfit [JAAFAR ASHTIYEH/AFP via Getty Images]

Zakaria Zubeidi é um dos seis prisioneiros palestinos que, em 6 de setembro, fizeram um túnel para sair de Gilboa, uma prisão israelense notória e de alta segurança. Ele foi recapturado alguns dias depois. Os grandes hematomas em seu rosto contaram uma história terrível de uma fuga ousada e de uma prisão violenta. No entanto, sua história não começa nem termina aí.

Há vinte anos, depois do que ficou gravado na memória coletiva palestina como o “Massacre de Jenin”, fui apresentado à família Zubeidi no campo de refugiados de Jenin, que foi quase totalmente apagado pelo exército israelense durante e após os combates. Apesar de minhas repetidas tentativas, o exército israelense me impediu de chegar a Jenin, que foi mantida sob cerco pelo exército durante meses após o episódio mais violento de toda a Segunda Revolta Palestina (2000-2005).

Não consegui falar diretamente com Zakaria Zubeidi. Ao contrário de seu irmão, Taha, ele sobreviveu ao massacre de 2002 e posteriormente ascendeu às patentes das Brigadas dos Mártires de Al-Aqsa, a ala armada do movimento Fatah, tornando-se seu líder. Ele encabeçou assim a lista dos palestinos mais procurados de Israel.

A maioria das comunicações foi com sua irmã, Kauthar, que nos contou em detalhes sobre os eventos que precederam aquele fatídico cerco militar. Ela tinha apenas 20 anos de idade na época. Apesar de sua dor, ela falou orgulhosamente de sua mãe, que foi morta por um atirador israelense apenas semanas antes da invasão do campo; e de seu irmão, Taha, o líder das Brigadas Al-Quds, a ala armada do movimento Jihad Islâmico em Jenin na época; e de Zakaria, que estava agora em uma missão para vingar sua mãe, irmão, melhores amigos e vizinhos.

LEIA: Recapturado, Zakaria al-Zubaidi inspirou a resistência palestina após a fuga da prisão israelense

“Taha foi morto por um atirador furtivo. Depois que ele foi morto, [os israelenses] o bombardearam, queimando completamente seu corpo. Isso foi no bairro de Damaj”, disse-nos Kauthar. “Os Shebab [jovens] reuniram o que restou dele e o colocaram em uma casa. Desde aquele dia, a casa é conhecida como o ‘Lar do Herói'”.

Kauthar também me contou sobre sua mãe, Samira, 51 anos, “que passou sua vida indo de uma prisão a outra” para visitar seu marido e seus filhos. Samira era amada e respeitada por todos os combatentes do campo. Seus filhos eram os heróis que todos os jovens queriam imitar. Sua morte foi particularmente chocante.

“Ela foi atingida com duas balas no coração”, explicou Kauthar. “Assim que ela se virou, ela foi atingida pelas costas. Sangue jorrava de seu nariz e boca. Eu não sabia mais o que fazer senão gritar”.

Zakaria foi imediatamente para o subsolo. O jovem lutador estava se sentindo ferido com o que havia acontecido com sua amada Jenin, sua família, sua mãe e seu irmão, que planejava casar-se na semana seguinte à sua morte. Zakaria também se sentia traído por seus “irmãos” Fatah que continuavam a colaborar abertamente com Israel, apesar das tragédias crescentes na Cisjordânia ocupada; e pela esquerda israelense que abandonou a família Zubeidi apesar das promessas de solidariedade e camaradagem.

“Toda semana, 20-30 israelenses vinham [a Jenin] para fazer teatro”, disse Zakaria em uma entrevista à revista Times. Em referência ao teatro “Arna’s House”, que envolveu Zakaria e outros jovens Jenin, e foi estabelecido por Arna Mer-Khamis, uma israelense que era casada com um palestino. “Nós abrimos nossa casa e vocês a demoliram… Nós os alimentamos. E, depois disso, nenhum deles pegou o telefone. Foi aí que vimos a verdadeira face da esquerda em Israel”.

Das cinco crianças que participaram do teatro, apenas Zakaria sobreviveu. Os demais se juntaram a vários grupos armados para combater a ocupação israelense e foram todos mortos.

O fracasso inevitável de Israel: como foi derrotado por uma velha colher enferrujada – Charge [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

Zakaria Zubeidi nasceu em 1976 sob ocupação israelense, portanto, nunca experimentou a vida como um homem livre. Aos 13 anos, ele foi baleado por soldados israelenses por atirar pedras. Aos 14 anos, ele foi preso pela primeira vez. Aos 17 anos, ele se juntou às forças de segurança da Autoridade Palestina, acreditando, como muitos palestinos na época, que o “exército” da AP foi estabelecido para proteger os palestinos e garantir sua liberdade. Desiludido, ele deixou a AP menos de um ano depois.

Ele só se comprometeu com a luta armada em 2001, como forma de alcançar a liberdade para seu povo, meses após o início da Segunda Intifada. Um de seus amigos de infância foi um dos primeiros a ser morto por soldados israelenses. Em 2002, Zakaria juntou-se às Brigadas dos Mártires de Al-Aqsa, por volta da época em que sua mãe, Samira, e seu irmão, Taha, foram mortos.

A primeira revolta em 2002, em particular, foi um ano decisivo para o movimento Fatah, que estava praticamente, mas não oficialmente, dividido em dois grupos: um que acreditava que a luta armada deveria continuar sendo uma estratégia de libertação; e outro que defendia o diálogo político e um processo de paz. Muitos membros do primeiro grupo foram mortos, presos ou marginalizados, incluindo o líder popular do Fatah, Marwan Barghouti, que foi preso em abril de 2002 e ainda está em uma prisão israelense. Os membros do segundo grupo ficaram ricos e corruptos. O “processo de paz” deles não conseguiu entregar a cobiçada liberdade e eles se recusaram a considerar outras estratégias, temendo a perda de seus privilégios.

LEIA: A luz no fim do túnel que vem da Palestina

Zakaria, como milhares de membros e combatentes do Fatah, foi apanhado neste dilema contínuo. Ele queria continuar com a luta como se a liderança do presidente da AP, Mahmoud Abbas, estivesse pronta para arriscar tudo por causa da Palestina, mantendo-se comprometido com o movimento Fatah, na esperança de que, talvez, algum dia, ele recuperasse o manto da resistência palestina.

A trajetória da vida de Zakaria Zubeidi tem sido uma prova dessa confusão. Ele não foi preso apenas pelos israelenses, mas também pela AP. Às vezes, ele falava muito bem de Abbas apenas para mais tarde repudiar toda a traiçoeira liderança palestina. Ele entregou sua arma várias vezes, apenas para recuperá-la com a mesma determinação de antes.

Embora Zakaria esteja agora de volta à prisão, sua história e sua guerra estão inacabadas. Dezenas de jovens combatentes estão agora vagando pelas ruas do campo de refugiados de Jenin, jurando prosseguir com a luta armada. Portanto, Zakaria Zubeidi não é apenas um indivíduo, mas também um reflexo de toda uma geração de palestinos na Cisjordânia que tem que escolher entre uma luta dolorosa, mas real, pela liberdade, e compromissos políticos. Estes últimos, nas próprias palavras de Zakaria, “não conseguiram nada”.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments