Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Parlamentares árabes exortam EUA a reabrir consulado em Jerusalém Oriental

Uma vista parcial tirada em 30 de abril de 2018 mostra o consulado dos EUA situado na terra de ninguém entre o oeste e o leste de Jerusalém [Thomas Coex/AFP via Getty Images]

A Lista Conjunta de membros árabes do Knesset, o parlamento de Israel, instou Washington a reabrir o Consulado dos EUA na Jerusalém Oriental ocupada, apesar das objeções do governo israelense. A Lista Conjunta enviou seu pedido em uma carta ao Secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken.

Em uma carta ao secretário estadual Tony Blinken, parlamentares árabes da Lista Conjunta instam o governo Biden a cumprir a promessa de abrir um Consulado dos Estados Unidos em Jerusalém para servir aos palestinos [@jacobkornbluh/Twitter]

“Estamos respeitosamente nos dirigindo a você sobre a reabertura do Consulado Geral dos Estados Unidos em Jerusalém”, disseram os parlamentares. Apesar da oposição de Israel, eles acrescentaram, é importante dar esse passo “para criar as condições certas para um processo de paz significativo”. Além disso, a reabertura do consulado estará de acordo com a “posição declarada de Washington de que israelenses e palestinos devem desfrutar de medidas iguais de liberdade, segurança, dignidade e prosperidade”.

O consulado em Jerusalém Oriental operava quase inteiramente em benefício dos palestinos na cidade ocupada. Seu fechamento pelo governo Donald Trump ocorreu em um momento em que Washington estava dando a Israel quase tudo que ele desejava, incluindo a mudança da Embaixada dos Estados Unidos para Jerusalém e o reconhecimento da cidade como capital de Israel. “[Isso] andou de mãos dadas com a promoção de um processo de anexação ilegal, apoiando a ideia do Grande Israel de que controlará para sempre as vidas de milhões de palestinos.”

As chamadas “medidas de fortalecimento da confiança”, insistem os parlamentares árabes, “não podem substituir a necessidade de decisões políticas para garantir que israelenses e palestinos vivam como iguais, em liberdade e segurança, encerrando a ocupação de 1967 por meio de dois estados democráticos”.

Os direitos do povo palestino são “inalienáveis”, destacaram. A não reabertura do consulado em Jerusalém “não apenas minará a confiança no governo dos Estados Unidos, mas também enviará uma mensagem errada” sobre o cumprimento desses direitos.

LEIA: 72.8% dos israelenses opõem-se a consulado EUA-Palestina em Jerusalém

Categorias
Ásia & AméricasEstados UnidosIsraelNotíciaOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments