Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Corte de Israel recusa-se a libertar palestina prestes a dar à luz

Anhar al-Deek, grávida de nove meses, detida nas cadeias de Israel, entrou com recurso internacional para realizar o parto em sua casa [Days of Palestine]

Uma corte israelense rejeitou ontem (30) um recurso para libertar uma palestina grávida de nove meses, prestes a dar à luz em uma cadeia da ocupação, reportou a imprensa local.

Anhar al-Deek, de 25 anos, da aldeia de Kafr Ni’ma, a oeste de Ramallah, Cisjordânia ocupada, e mãe de duas crianças, foi presa quando estava com quatro meses de gravidez.

Na última semana, a prisioneira apelou à comunidade internacional para pressionar Israel a libertá-la, para que não desse à luz por trás das grades.

“O que farei se tiver de dar à luz longe de vocês? Como posso fazer uma cesariana sozinha na prisão?”, escreveu Anhar à sua família. “Estou exausta e tenho fortes dores nas pernas por dormir na cama da prisão. Não sei como vou dormir aqui após a cirurgia”.

Em Genebra, a missão permanente do Estado da Palestina nas Nações Unidas emitiu um apelo urgente à comunidade internacional por sua soltura. A missão relatou as condições insalubres e desumanas enfrentadas pela prisioneira, à véspera do parto.

LEIA: 96º bebê palestino nasce a partir de esperma contrabandeado da prisão de Israel

Em seguida, exortou a comunidade internacional a intervir imediatamente, conforme a lei internacional, para compelir Israel a libertá-la junto de todos os outros palestinos mantidos sob detenção arbitrária, sobretudo mulheres e crianças.

Há hoje cerca de 4.850 palestinos mantidos em custódia nas cadeias de Israel, incluindo 41 mulheres, 225 crianças e 540 sob detenção administrativa — isto é, sem acusação ou julgamento —, segundo entidades que monitoram a situação dos prisioneiros.

Categorias
IsraelNotíciaOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments